Microsoft (MSFT34) passa a Apple (AAPL34) na Nasdaq e volta a ser a empresa mais valiosa do mundo

A Microsoft (MSFT34) voltou a ser a companhia de capital aberto mais valiosa do mundo, com valor de mercado de US$ 2,44 trilhões.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

A mudança ocorreu na manhã desta sexta-feira (29), quando a Microsoft ultrapassa o valor de mercado da Apple (AAPL34) pela primeira vez em mais de um ano. O fator decisivo foi o balanço melhor do que o esperado no início desta semana – o que empurrou as ações para cima.

Enquanto isso, a Apple alertou na quinta-feira (28) que gargalos na cadeia de suprimentos estão atrapalhando a fabricação do iPhone e de outros produtos.

Por volta das 16h, as ações da Apple recuavam 2,25%, enquanto as ações da Microsoft subiam 1,79% – com cotações de US$ 149,1 e US$ 330,1, respectivamente

A última vez que a Microsoft teve valor de mercado maior que a da Apple foi em julho de 2020, de acordo com a Dow Jones Market Data.

O última período estendido da Microsoft como a empresa mais valiosa do mundo ocorreu durante o final dos anos 1990 e início dos anos 2000, quando seus negócios consistiam principalmente do sistema operacional Windows e seu pacote de aplicativos de software Office.

Balanço trimestral da Microsoft

A Microsoft divulgou na terça (26) os resultados do trimestre. A empresa registrou lucro líquido de US$ 20,51 bilhões em seu primeiro trimestre fiscal, um aumento de 48% ante igual período do ano anterior. O lucro por ação foi de US$ 2,71, acima da previsão de US$ 2,08 dos analistas consultados pelo FactSet.

receita teve crescimento anual de 22%, para US$ 45,3 bilhões. Após o balanço, a ação da Microsoft subia 1,30% no after hours em Nova York, às 17h18 (de Brasília).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

A companhia diz que teve um “início forte” de seu ano fiscal. Em comunicado, a companhia ressalta a “importância de seus serviços para reforçar a tecnologia digital”. E acrescenta:  “Tivemos um forte início de ano fiscal com nossa nuvem Microsoft gerando US $ 20,7 bilhões em receita no trimestre, um aumento de 36% ano a ano”, disse Amy Hood, vice-presidente executiva e diretora financeira da Microsoft.

A receita dela com produtos dinâmicos e serviços em nuvem subiu 31%, na mesma comparação anual. O segmento de nuvem inteligente da Microsoft, que contempla a nuvem pública Azure, serviços corporativos, GitHub, SQL Server, System Center, Visual Studio e Windows Server, gerou receita de US $ 16,96 bilhões.

Isso é mais do que a estimativa de consenso de US $ 16,51 bilhões entre os analistas ouvidos pela StreetAccount.

“A tecnologia digital é uma força deflacionária em uma economia inflacionária. As empresas – pequenas e grandes – podem melhorar a produtividade e a acessibilidade de seus produtos e serviços aumentando a intensidade da tecnologia ”, disse Satya Nadella, presidente e CEO da Microsoft.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

“A nuvem da Microsoft oferece as plataformas e ferramentas de ponta a ponta de que as organizações precisam para navegar neste momento de transição e mudança”.

A unidade de Produtividade e Processos de Negócios, que inclui Dynamics, LinkedIn e Office, contribuiu com US$ 15,04 bilhões em receita, um aumento de 22% em relação à expectativa de consenso de US$ 14,67 bilhões do StreetAccount.

Já o setor que inclui o Windows, dispositivos, jogos e publicidade em buscas, registrou US $ 13,31 bilhões em receita, um aumento de 12%. O número está acima da expectativa de US $ 12,72 bilhões.

As remessas de PCs cresceram 1% no terceiro trimestre, de acordo com uma estimativa do pesquisador da indústria de tecnologia Gartner. Ainda assim, as vendas do Windows para fabricantes de dispositivos aumentaram 10%. A Microsoft disse que as restrições de fornecimento de PCs impactaram os negócios.

Com informações do Estadão Conteúdo

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião