Quais tipos de investimentos protegem seu dinheiro da inflação?

Dinheiro parado perde valor – esta máxima é conhecida por (quase) todos. A inflação é o imposto que corrói seu poder de compra. É crucial entender, que, mesmo aplicado, o dinheiro precisa render acima da inflação – caso contrário ele também gera prejuízo. Por isso seus investimentos precisam estar protegido da dinâmica de alta de preços. Existem estratégias que podem ajudá-lo nessa bliandagem.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-1.png

Inflação é o aumento generalizado dos preços de produtos e serviços, que vai gradualmente corroendo o poder de compra das pessoas. Para ilustrar, se há um ano, com uma nota de R$ 100, você comprava 10 itens no supermercado, é provável que essa mesma cédula, um ano depois, não seja suficiente para adquirir os mesmos 10 itens, das mesmas marcas. Esse é o efeito da inflação.

Mas como isso afeta os investimentos? Se o seu dinheiro está parado na conta corrente ou debaixo do colchão, isso já resulta uma perda. Mesmo investido, também podem haver perdas. A poupança, embora em menor escala, não rende ou rende abaixo do índice da inflação.

Então, como proteger o dinheiro? No mercado financeiro, a expressão “ganho real” refere-se ao rendimento da aplicação após se descontar a inflação. A meta, entretanto, é alcançar um bom ganho real.

Mas como saber? Ao investir em renda variável, é difícil prever quanto se ganhará, ou até mesmo perderá, na maioria dos produtos – embora não em todos. Em investimentos de renda fixa, diversos produtos garantem rendimento acima da inflação, prometendo, antes de tudo, algum tipo de ganho real.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-2-1.png

A seguir, apresentamos uma lista de investimentos que podem proteger seu dinheiro:

ETF (Exchange Traded Funds)

ETFs são ativos atrelados a índices negociados na Bolsa de Valores. Alguns, como ETFs de renda fixa, estão associados a índices de inflação e sua carteira é índices como o IMA-B e o Teva Tesouro IPCA + 0-4.

De acordo com a Investo, por meio do NTNS11, é possível investir em um índice com retorno de IPCA + com redução significativa da volatilidade.

O ETF é um tipo de investimento negociado na bolsa de valores que tem como finalidade refletir a performance financeira de um conjunto pré-determinado de ativos.

Além disso, apesar de serem conhecidos no Brasil como fundos de índice, os ETFs podem ter diversas modalidades de investimento.

Diante disso, confira as possibilidades de investimentos ao optar por ETFs:

  • Ações;
  • Índices de mercado;
  • Moedas;
  • Commodities;
  • Títulos de renda fixa públicos e privados.

Fundos de Inflação

Os fundos de investimentos são compostos por diversos tipos de aplicações, com um gestor responsável pela administração do dinheiro dos cotistas. Cada fundo tem suas peculiaridades, e alguns são boas opções para proteger o capital da inflação. Os chamados ‘fundos de inflação‘ optam por investimentos como Tesouro IPCA+, debêntures, LCAs e LCIs atrelados à inflação.

Investimentos em Fundos Imobiliários (FII)

Embora muitos fundos imobiliários sejam considerados renda variável, alguns têm características de proteção contra a inflação. Os aluguéis dos imóveis, por exemplo, são corrigidos pelo índice IGP-M ou IPCA, tornando o investimento mais seguro contra a inflação. Fundos imobiliários ‘de papel’, que possuem ativos de crédito indexados à inflação, distribuem aos cotistas a correção monetária de forma mais imediata. Fundos de tijolos, que investem em imóveis físicos, geralmente proporcionam rentabilidade superior à inflação, embora sem garantias.

Os fundos de papel que possuem ativos de crédito indexados à inflação distribuem aos cotistas a correção monetária de forma mais imediata, trazendo uma grande vantagem ao consumidor.

Já os fundos de tijolo – que investem diretamente em imóveis – também garantem ganhos acima da inflação. Essa proteção não é transmitida ao investidor da mesma forma em cada uma das classes de FII.

Para os fundos de tijolo, a inflação não é repassada de um mês para o outro. Essa classe de ativos está mais exposta aos ciclos do mercado imobiliário. Porém, no longo prazo, os bons fundos que investem em imóveis possuem resultados que superam “com folga” a inflação.

Em momentos de bonança, esses fundos performam ainda melhor. Bragança reforça que em cenários de crescimento econômico, os valores podem crescer a níveis acima do IPCA.

Esse raciocínio descrito para a classe de tijolos aplica-se a vários segmentos, como o de lajes corporativas, shoppings, galpões logísticos e renda urbana.

Fundos de Investimentos Agropecuários (Fiagro)

A maioria dos Fiagros investe em títulos da dívida do setor agropecuário, por meio de certificados de recebíveis do agronegócio (CRA), indexados ao CDI ou IPCA, acompanhando os ciclos dos juros e da inflação.

Fiagro é um tipo de fundo de investimento que investe em cadeias produtivas da agroindústria, assim como em imóveis relacionados ao setor.

Assim, os Fiagros conseguem explorar tanto as atividades de natureza imobiliária, quanto as que estão relacionadas à área de produção do setor.

Dependendo da política de investimento dos Fiagros, eles podem investir em:

  • Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs): títulos de dívidas privados;
  • Imóveis e propriedades rurais;
  • Sociedades que trabalham com a exploração de atividades da cadeia do agronegócio;
  • Cotas de outros fundos do setor agro;

Nesse caso, é importante que o investidor que deseja se expor a esse tipo de fundo observe a estratégia de investimento dos Fiagros, a qualidade dos ativos que compõem sua carteira e o histórico da gestão.

Vale destacar que esse tipo de fundo pode trazer vantagens tanto aos seus investidores quanto aos produtores rurais.

Quais são as vantagens dos Fiagros ao investidor?

Uma das principais vantagens de investir em Fiagros é que são fundos associados a um segmento que historicamente se mostrou resiliente a crises.

Em meio à crise sanitária gerada pela pandemia de Covid-19, por exemplo, o setor do agronegócio foi o único que registrou crescimento no Brasil em 2020.

Amanda Coura, Head de produtos estruturados da Suno Asset, também partilha dessa opinião. Segundo ela, o agro é um setor que costuma ir bem em cenários de turbulência.

“Quando o mercado está caindo ou oscilando, o agro é um segmento que está sempre crescendo”, afirma.

Isso acontece porque o agronegócio está relacionado a um mercado essencial ao Brasil, o que faz com que ele gere uma forte demanda. Assim, os Fiagros se tornam boas opções para o investidor que deseja ter ativos expostos a um setor mais seguro.

Por possuírem uma regulamentação semelhante à dos fundos imobiliários, os dividendos do Fiagros são isentos de Imposto de Renda para pessoas físicas, o que se torna mais uma vantagem de investir neste instrumento financeiro.

Além disso, esses fundos costumam gerar uma distribuição recorrente de resultados para os seus investidores.

Debêntures

São títulos de dívida emitidos por empresas privadas, com regras de rendimento definidas pela empresa. Existem opções de debêntures atreladas à inflação, assim como pré-fixadas ou pós-fixadas.

Investimentos no Tesouro IPCA

O Tesouro IPCA, um dos três títulos do Tesouro Direto, funciona por meio da aquisição de títulos de dívida emitidos pelo governo, que retornarão o valor investido, somado à inflação e uma taxa de juros. Existem outros títulos do Tesouro Direto, mas o Tesouro IPCA é o mais indicado para proteção contra a inflação, pois a rentabilidade é calculada com base no índice oficial da inflação.

Praticidade e diversificação

De acordo com Gisele Borba, Head de Operações da Amur Capital, em um cenário de baixa de juros, os investidores acabaram buscando alguns ETFs como forma de diversificar a carteira para buscar retornos maiores no longo prazo.

Borba explica que entre as vantagens de investir nesse ativo está, primeiramente, sua praticidade.

Além disso, também vale citar que a diversificação também é facilitada, isto é, já que alguns índices replicam uma cesta de ativos, em alguns casos, o cliente que as vezes não tem capital suficiente para compor aquela carteira específica, pode adquirir um ETF a um valor mais acessível, “também possibilitando aos investidores ter ativos de países emergentes, ou europeus, sem precisar transferir seu patrimônio”, conclui.

Da mesma forma, para Henrique Esteter, analista da Guide Investimentos, uma das vantagens de investir em ETFs é estar exposto a algum tipo de setor que abre a possibilidade de um investimento simples, fácil e diversificado.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/07/Ebook-Fundos-Imobiliarios-Desktop.jpg

Redação Suno Notícias

Compartilhe sua opinião