Ibovespa: Taesa (TAEE11), CSN (CSNA3) e Locaweb (LWSA3) têm as maiores quedas na semana

Ibovespa: Taesa (TAEE11), CSN (CSNA3) e Locaweb (LWSA3) têm as maiores quedas na semana
Ibovespa hoje; Foto: Luke Chesser/Unsplash

As oscilações e dias de queda do minério de ferro derrubaram ações de mineradoras no Ibovespa em semana conturbada para o setor. As ações que mais sofreram foram CSN (CSNA3) e a CSN Mineração (CMIN3). Balanços com números decepcionantes também fizeram desabar os papéis de companhias como Taesa (TAEE11), Minerva (BEEF3) e Locaweb (LWSA3).

Veja o tamanho do tombo das ações que tiveram as principais baixas:

  • Locaweb caiu 13,33%
  • CSN desabou 10,27%
  • Taesa recuou 9,37%
  • CSM Mineração afundou 8,82%
  • Minerva teve queda de 7,06%

1. Locaweb: tomba no início da semana e esboça recuperação com balanço

A Locaweb (LWSA3) começou a semana com uma queda de mais de 14%, ficou pouco acima da estabilidade na terça e na quarta voltou a desabar. Papéis do setor de tecnologia, como o da empresa de hospedagem de sites, vem sofrendo com os juros altos, no Brasil e EUA, além  da ida de investidores à renda fica ou ações que apresentam menos risco.

As ações da Locaweb tiveram no Ibovespa um respiro na quinta e, principalmente, na sexta, com a divulgação de seu balanço. A Locaweb reportou lucro líquido de R$ 4,5 milhões no primeiro trimestre de 2022, revertendo o prejuízo de R$ 8,4 milhões no mesmo período do ano passado. No critério ajustado, a cifra foi de R$ 29,7 milhões, alta anual de 229,3%.

Os números da Locaweb ganharam observações positivas de analistas. A XP reforçou recomendação de compra, embora com preço-alvo bem menor — de R$ 30 para R$ 12. O Goldman Sachs também sugeriu compra, com preço-alvo de R$ 14 (na sexta a ação subiu 4%, para R$ 5,46). O banco destacou, no resultado do 1T22, o aumento da crescimento da receita, mesmo com as margens pressionadas.

2. CSN: minério cai e leva ação para baixo no Ibovespa

A queda no minério de ferro, especialmente na terça, foi o gatilho da queda da CSN. Os contratos de minério de ferro negociados na China atingiram seu menor níveis em quase dois meses, com preocupações do mercado com a desaceleração da economia chinesa e aumento global das taxas de juros. Nesta terça (10), a queda chegou a 7% em Dalian, para US$ 112,71. Já em Cingapura, as perdas foram de 3%, a US$ 123,45. Com isso, empresas brasileiras que dependem da commodity tiveram forte queda em Bolsa

Segundo analistas ouvidos pela Reuters, a queda no minério de ferro teve início com o aumento dos juros nos Estados Unidos, pelo Federal Reserve. A alta foi de 0,5 pontos percentuais, como já era esperado pelo mercado financeiro.

Houve recuperação do minério na quarta — mas novas baixas foram registradas nos dias seguintes. O balanço, divulgado uma semana antes, não ajudou a empresa: a CSN (CSNA3) registrou lucro líquido de R$ 1,364 bilhão no primeiro trimestre de 2022, queda de 76% na comparação com o mesmo período de 2021.

Em seu relatório de resultados, a companhia afirma que o início de 2022 foi marcado por um cenário desafiador em razão das fortes chuvas registradas na região Sudeste e das pressões nos custos do carvão e do coque. Mesmo assim, a CSN diz que conseguiu apresentar um forte resultado.

Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) chegou a R$ 4,718 bilhões, queda de 19% em um ano.

3. Taesa: lucro abaixo das estimativas

Taesa teve lucro líquido de R$ 559,9 milhões no primeiro trimestre (1T22), valor 0,7% maior em relação ao ano anterior. Segundo a companhia, embora a receita tenha aumentado com o início das operações em Janaúba e com o reajuste inflacionário pelo novo ciclo da RAP (Receita Anual Permitida), as despesas e o volume de dívida também aumentaram.

A receita líquida foi de R$ 795,6 milhões entre janeiro e março, queda de 12,4% na base anual. Já a receita líquida regulatória da Taesa aumentou em 36,2% no período, para R$ 526,1 milhões.

Analistas do Credit Suisse recomendaram venda das ações da Taesa, com o resultando abaixo das expectativas. Outros especialistas classificam os dados divulgados como “sem surpresas” e ainda avaliam que não veem uma perspectiva de crescimento no curto prazo.

Na análise do BTG Pactual (BPAC11), a companhia de energia é o nome mais caro de sua cobertura, negociando a uma taxa interna de retorno (TIR) real de 2,9%. Segundo o banco, após os altos dividendos da Taesa pagos em 2021, a alavancagem subiu para níveis menos confortáveis.

“Com um balanço mais alongado e lucros mais normalizados, esperamos que a empresa entregue dividendos mais baixos e leve a uma correção adicional em algum momento”, informou o relatório do BTG.

Dessa forma, o BTG recomendou a venda das ações da Taesa, com o preço-alvo de R$ 32,00. O BB Investimentos avalia que a performance das units da Taesa em bolsa tem sido uma das melhores do setor nos últimos 12 meses e no acumulado em 2022. Mas essa valorização fez a instituição reduzir a sua recomendação.

“Em função desta valorização recente, o potencial de valorização até o nosso preço alvo de R$ 44,70 por unit TAEE11 para o fim de 2022 se reduziu e portanto, neste momento, reduzimos nossa recomendação de compra para neutra.”

O BB-BI tem agora a recomendação neutra com o preço-alvo de R$ 40,21, o que não é considerado pela instituição “um bom ponto de entrada” nos papéis da Taesa.

4.CSN Mineração pena no Ibovespa com o minério de ferro

Da mesma forma que a sua controladora, a CSN Mineração – segunda maior exportadora de minério do país – caiu muito na semana no Ibovespa com a baixa do minério e as perspectivas ruins da commodity — que incluem ainda os lockdowns na China e os números fracos do desempenho da economia chinesa.

Para as empresas de commodities brasileiras ligadas ao minério de ferro, o boom visto nos últimos meses, com a cotação do produto nas alturas, pode estar chegando ao fim.

Analistas apontam preocupação com a demanda chinesa e as consequências para empresas como Vale, CSN Mineração, Usiminas e outras.

Em relatório, o BB Investimentos destacou que o PMI Industrial da China, em abril, recuou para 47,4 pontos. Trata-se do menor nível visto desde fevereiro de 2020, quando a pandemia chegava aos outros países e já assolava fortemente o gigante asiático.

Para os analistas, trata-se de um reflexo da expectativa de retração da atividade industrial no país diante dos lockdowns impostos pelo governo, o que ainda deve movimentar o preço do minério de ferro e o setor de mineração e siderurgia no Brasil.

CSN Mineração (CMIN3) reportou lucro líquido de R$ 739, 1 milhões no primeiro trimestre de 2022, o que representa recuo de 68% em relação a igual período de 2021, e queda de 5,1% na comparação com o quarto período do ano passado. De acordo com a empresa, o desempenho reflete o aumento da receita unitária e poderia ter sido maior se não fosse a variação cambial que impactou as despesas financeiras no período.

5. Minerva tem queda no lucro e números não muito animadores, segundo analistas

Minerva caiu na quarta (12), um dia após a divulgação de seu balanço. A empresa apurou lucro líquido de R$ 114,6 milhões no primeiro trimestre de 2022, montante que equivale a uma queda de 55,8% em relação ao lucro de R$ 259,5 milhões reportado no mesmo período de 2021.

O Goldman Sachs manteve recomendação neutra para as ações da Minerva e estabeleceu preço-alvo de R$ 12,60 (as ações caíram na sexta para R$ 12,24). O banco considera  os resultados do 1T22 como bons no geral, mas previsíveis e “precificados”. O tom dos analistas foi de que a empresa não oferece sinais de reversão do quadro para o próximo trimestre, apesar de alguns indicadores apontarem melhora:

A empresa diz, em comunicado, que o resultado das exportações a consolida como líder na exportação de carne bovina na América do Sul com aproximadamente 20% de market share. Não foi suficiente para impedir a queda semanal no Ibovespa.

 

 

Marco Antônio Lopes

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO