Ibovespa abre em alta de 1,2% com acordo comercial dos EUA e China no radar

Ibovespa abre em alta de 1,2% com acordo comercial dos EUA e China no radar
ibovespa

O Ibovespa abre em alta de 1,2% monitorando os assuntos internacionais.

Por voltas das 10h30, nesta sexta-feira (19), o Ibovespa operava a 1,2%, alcançando 97.540,71 pontos. O mercado está atento ao desdobramento do acordo comercial entre as duas maiores economias do mundo.

Além disso, segue no radar do investidor os estudos de estímulos à economia da União Europeia e o déficit público do Brasil.

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

China e EUA

A China deseja acelerar o processo de compras de produtos agrícolas para cumprir a primeira fase do acordo comercial com os Estados Unidos.

Na última quinta-feira (18), o secretário de Estado dos EUA, Michael Pompeo, afirmou que a principal autoridade de política externa da China se comprometeu a honrar os compromissos do acordo comercial.

Dessa forma, o país asiático pretende aumentar a compra de vários produtos, como soja, milho e etanol, conforme foi noticiado pela agência de notícias “Reuters”.

Além disso, na última quarta-feira (17), o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, disse que o acordo comercial entre os EUA e a China não mostra sinais de enfraquecimento.

“Tudo indica que, apesar deste Covid-19, eles (governo chinês) farão o que dizem”, explicou Lighthizer sobre a China em uma audiência perante a Câmara dos EUA. “Temos um excelente acordo”.

Saiba Mais: China planeja acelerar compras de produtos agrícolas dos EUA

“Não foi culpa do embaixador Lighthizer, nisso eu talvez não tenha sido claro, mas os EUA certamente mantém uma opção de diretriz política, sob várias condições, de uma total dissociação da China”, disse Trump.

União Europeia estuda estímulos

Os 27 líderes da União Europeia (UE) iniciaram o processo de aprovação de um pacote de estímulo sem precedentes para suas economias nesta sexta-feira (19). O bloco enfrenta uma crise econômica em razão da pandemia do novo coronavírus (covid-19) que ocasionou a morte de mais de 100 mil vidas.

“É uma crise sem precedentes que teve um enorme impacto econômico social e também na viabilidade da UE. Para mostrar que a Europa protege, não podemos demorar mais, pois os atrasos só tornarão as coisas mais difíceis e mais caras”, disse um diplomata.

Os países estão discutindo que o próximo Orçamento da UE seja de aproximadamente 1 trilhão euros para 2021 e 2017. Já para o fundo de recuperação da Comissão Europeia cerca de 750 bilhões de euros.

Déficit público em 2020

Segundo Mansueto Almeida, o déficit do governo pode superar R$ 800 bilhões neste ano. O secretário comentou, na última quinta-feira (18), sobre a última estimativa oficial do Ministério da Economia que projetava um rombo primário de R$ 708,7 bilhões.

Vale destacar que economistas, bem como a Instituição Fiscal Independente (IFI), já preveem que o déficit supere R$ 900 bilhões esse ano.

Além disso, o secretário do Tesouro reforçou a importância de manter o comprometimento com o teto de gastos. Para Mansueto, “está fora de cogitação” flexibilizar o mecanismo.

Maiores altas e baixas do Ibovespa

Última cotação

Na última sessão, quinta-feira, o Ibovespa encerrou em leve alta de 0,6%, a 96.125,24 pontos.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião