Dólar encerra em queda de 0,255%, cotado em R$ 5,1591

Dólar encerra em queda de 0,255%, cotado em R$ 5,1591
Dólar encerra em queda de 0,255%, cotado em R$ 5,1591

O dólar encerrou nesta quinta-feira (30) em queda de 0,255%, negociado a R$ 5,1591 na venda.

O dólar hoje abriu em alta enquanto os investidores estavam de olho nas decisões de política monetária dos Estados Unidos.

Durante o dia o mercado ficou atento a queda no Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos e da Alemanha.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Confira as principais notícias que movimentaram o mercado nessa quinta-feira:

  • PIB dos EUA tomba 32,9% no segundo trimestre de 2020;
  • Alemanha tem queda histórica de 10% do PIB no 2T20;
  • Governo registra déficit recode de R$ 194 bilhões em junho;
  • Suécia pede para população estender home office até 2021;
  • Última cotação do dólar.

PIB dos EUA

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos caiu 32,9% no segundo trimestre deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado. Esse é o pior trimestre da economia norte-americana desde 1947. As informações foram divulgadas pelo Departamento de Comércio nesta quinta-feira.

Em relação ao primeiro trimestre deste ano, a PIB norte-americano recuou 9,5%. Os gastos das famílias, que representam mais de 60% da economia, caíram 34,6% no período, a maior queda já registrada na série histórica. Todavia, o desempenho da maior economia do mundo no trimestre ficou acima do consenso de analistas, que era de uma queda de 34,5%.

Saiba mais: PIB dos EUA tomba 32,9% no segundo trimestre de 2020

Durante a crise dos subprime, entre 2008 e 2009, o pior trimestre registrou uma queda de 8,4% na economia. O recorde anterior veio em 1958, quando o crescimento econômico recuou 10% durante a recessão de Eisenhower.

PIB da Alemanha

A Alemanha registrou uma queda histórica de 10,1% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre de 2020. De acordo com os dados da Destatis (Escritório Federal de Estatísticas), publicado nesta quinta-feira, a baixa significativa é em razão das medidas de restrições aplicadas para conter a propagação do novo coronavírus (covid-19).

Em comparação com o mesmo período no ano passado, a principal economia da Europa registrou queda de 11,7%. Antes, o recorde era baixa de 4,7% no primeiro trimestre de 2009, quando a Alemanha enfrentava a crise financeira mundial.

Saiba mais: Alemanha tem queda histórica de 10% do PIB no 2T20

A economia alemã impôs o confinamento social o que resultou na paralisação de alguns setores econômicos e na redução de comércios. “No segundo trimestre de , tanto as exportações como as importações de bens e serviços registraram forte queda”, destacou Destatis.

Governo registra déficit recode em junho

Em informações publicadas no site do Tesouro Nacional, nesta quinta-feira, foi divulgado que o Governo Central, em junho de 2020, registrou um déficit primário de R$ 194,7 bilhões (em valores nominais), frente a um déficit de R$ 11,8 bilhões em junho de 2019. O déficit registrado foi um recorde para o mês e foi justificado pelas medidas de combate e dos efeitos da crise de coronavírus. O dado é o mais fraco para o mês desde a série iniciada pelo Tesouro em 1997.

Os dados divulgados hoje não incluem o desempenho de estados e municípios – o chamado “setor público consolidado”. No acumulado do ano até junho, houve déficit primário de R$ 417,2 bilhões. No mesmo período do ano passado, foi registrado um déficit de R$ 29,3 bilhões.

Saiba mais: Governo registra déficit recode de R$ 194 bilhões em junho

O déficit primário do Governo Central acumulado em 12 meses (até junho deste ano) foi de déficit de R$ 483,9 bi, que equivale a 6,71% do PIB. “A atual projeção de déficit primário para o Governo Central é de R$ 787,4 bilhões em
2020, próximo a 11,0% do PIB”, informou o Tesouro.

Home office na Suécia

A Suécia, que adotou uma estratégia menos rigorosa de enfrentamento à covid-19, pediu nesta quinta-feira para que a sua população permaneça em regime de home office pelo menos até o final deste ano.

O país nórdico pede a extensão do trabalho até o dia de Ano Novo e o começo de 2021, no momento em que a Suécia registra mais de 80 mil casos do novo coronavírus e cerca de 5,7 mil óbitos, segundo dados atualizados diariamente pela Universidade Johns Hopkins. Os números apontam para um dos níveis mais altos de contágio per capita na Europa.

Saiba mais: Suécia pede para população estender home office até 2021

Dessa forma, a medida do país visa principalmente reduzir as aglomerações nos transportes e em espaços públicos. Com isso, o governo sueca espera facilitar as atividades realizados pelos trabalhadores considerados essenciais.

Última cotação do dólar

Na sessão da última quarta-feira, o dólar encerrou o pregão em alta de 0,29%, negociado a R$ 5,172 na venda.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião