Dólar abre em alta, acima dos R$ 5,60, com pacote de estímulos dos EUA no radar

Dólar abre em alta, acima dos R$ 5,60, com pacote de estímulos dos EUA no radar
O dólar hoje apagou os ganhos da sessão anterior e deu continuidade a seu movimento de desvalorização

O dólar opera em alta acompanhando o mercado internacional. As bolsas mundiais apresentam quedas significativas em seus indicadores devido as incertezas sobre o pacote de estímulos à economia dos Estados Unidos.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Por volta das 9h05, na manhã desta quinta-feira (15), o dólar operava em alta de 0,66%, negociado a R$ 5,634.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, afirmou na última quarta-feira (14), que chegar a um novo acordo de estímulos financeiros frente ao coronavírus antes das eleição seria difícil, já que democratas e republicanos permanecem distantes em certas questões.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

A declaração foi dada depois que a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse no início desta semana que um pacote recentemente proposto pela Casa Branca “fica significativamente aquém” do que é necessário.

Em função deste impasse, além do receio frente ao aumento de casos da pandemia na Europa e as incertezas acerca da eleição norte-americana os mercados globais operavam em queda nesta manhã, por volta das 7h30, os indicadores apresentavam as seguintes variações:

Já no mercado doméstico os investidores acompanha a divulgação do índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br). O indicador que é uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB) teve alta de 1,06% em agosto frente ao mês de julho. Foi o quarto mês consecutivo de altas.  Na comparação anual, houve uma queda de 3,92%.

Ademais, a Moody’s sinalizou revisar a nota de crédito do Brasil se não houver uma manutenção do teto de gastos no próximo ano. Segundo a agência de risco, o rating do País é “Ba2“, com perspectiva estável, no entanto, uma flexibilização ou abandono do ajuste fiscal pode iniciar um processo de revisão do rating.

“O teto é o principal âncora fiscal do Brasil e um ponto chave para a expectativa dos investidores sobre o rumo do endividamento e crescimento do peso da dívida”, informou a Moody’s.

Última cotação do dólar

Na última sessão, quarta-feira (14), o dólar encerrou em alta de 0,34%, negociado a R$ 5,598.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião