Simone Pasianotto

O monstro da inflação volta a assombrar o Brasil e os EUA

Por que a alta nos preços ainda nos amedronta tanto?

O mercado está em polvorosa frente ao levante da inflação nos Estados Unidos, o maior avanço para doze meses desde 2008, quando da crise do “subprime”. Se não bastasse o temor do retorno da inflação aqui em terras tupiniquins, com os índices gerais de preço — os IGPs — escalando altas para além dos 30% no acumulado em 12 meses, sem contar com o IPCA batendo cabeça no teto da meta, ainda temos que nos preocupar com a inflação lá na América? Mas por que temos tanto medo do monstro da inflação?

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Então… há tempos analistas não conseguiam mais esconder uma apreensão aflorada com a possibilidade de uma disparada da inflação nos EUA. Aí, não é que na semana passada saiu a leitura de abril do CPI (índice de preços ao consumidor, na sigla em inglês) e a surpresa pegou o pessoal de calças curtas: a inflação norte-americana escalou para +0,8 MoM ou 4,2% YoY, mais do que o dobro dos +0,3%MoM do consenso de mercado e mais do que o dobro dos +2,0% YoY guiados pelo Federal Reserve. Foi o pinote mais forte em um único mês para um período de 12 meses nos últimos 12 anos A surpresa não pegou apenas os Estados Unidos de sobressalto, mas todo o mundo.

E como na física, toda ação tem uma reação: os juros de revenda dos títulos ascenderam, as bolsas retrocederam e o dólar se apreciou. A despeito da tentativa de o Fed colocar logo panos quentes, explicando que a puxada nos preços é passageira e fruto do descompasso entre oferta e demanda nas cadeias produtivas globais ante o abre e fecha das economias durante a pandemia, os ânimos globais ainda continuam tensos e desnorteados. Ou seja, o banco central americano quis dizer que alta no CPI não foi gestada pelo excesso de demanda e assim sendo, a autoridade monetária não teria como remediá-la via alta nos juros. O mercado financeiro não engoliu a explicação e ainda se demonstra incomodado e temeroso pelo fim do ciclo de baixa dos juros nos EUA.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Na leitura dos analistas, um pouco adversa da do Fed, leva em conta que a inflação do Tio Sam advém também, e não somente dos gargalos das cadeiras produtivas globais, de uma demanda com forte apetite por absorver a liquidez abundante de recursos jogados do helicóptero sobre a economia americana oriunda da política de subsídios à pandemia. Se de fato a avaliação do mercado esteja correta, essa não seria uma apenas uma “inflaçãozinha”, que se persistir obrigará a autoridade monetária americana a aumentar os juros até o nível capaz de contê-la. E aí que vem o calcanhar de Aquiles de todo o mundo: juros mais altos significam que o valor da moeda norte-americana ficará mais caro, o que obviamente impacta toda a economia mundial, ancorada em contratos em dólar.

Aí, com o dólar mais alto, o primeiro impacto seria direto sobre a retomada da economia no próprio EUA, a qual se previa bastante benigna, poderia por acabar mais minguada. E com a roda da economia americana rodando mais devagar, implicaria outras rodas desacelerando o passo. O segundo impacto recairia sobre o próprio mercado financeiro: juros mais altos estimulariam a pleito por títulos de renda fixa, com migração da renda variável para os cofres do Tesouro, o que não é nada vantajoso para a empresa com negócios nos mercados de capitais. Por fim, com a enxugada no volume de recursos no mercado, seria inevitável alguma nova rodada de valorização do dólar, o que não é desejado por muita gente mundo afora.

Aqui, nos cantões tupiniquins, os efeitos imediatos do dólar mais fortalecido seriam sentidos com mais peso no bolso do cidadão comum, seja no preço das viagens ao exterior, seja no repasse dos custos de produção de cadeias dependentes de insumos importados. O sabor amargo do “pass-through cambial”, bastante presente em nossas vidas nos últimos meses, é algo que nem nossos produtores nem nós consumidores almejamos engolir mais. Já sentimos na pele e efetivamente nos nossos bolsos o efeito prático da depreciação da nossa moeda frente ao dólar: alta nos preços dos alimentos, dos combustíveis, do gás de cozinha, muito em função da redução na oferta doméstica em detrimento ao melhor retorno oferecido pelas exportações. E obviamente, mais inflação doméstica a ameaçar uma possível desancoragem de expectativas, o que transforma efetivamente a alta de preços em um monstro indesejável e um pesadelo para quem já viveu isso no passado.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

E quem pensa que os exportadores seriam os únicos a sorrir com a alta do dólar se enganam, isso não se aplica para todos os exportadores. Para quem vive da exportação de bens manufaturados, a alta precisaria ser mais prolongada para que o aumento rendesse mais negócios e mais produtos vendidos no exterior. Isso porque a exportação de produtos que não são commodities envolve fatores como design, qualidade, serviços conexos, venda, contratos mais longos. Não se troca de fornecedor tão rapidamente.

Inflação diz respeito a dinheiro, mexe com os bolsos dos agentes econômicos, atiça os medos mais profundos de perda e dificulta vislumbrar e planejar o futuro. Oremos para que o Fed esteja 100% certo em sua tese, no qual essa inflação é apenas uma inflaçãozinha e não se transformará em algo efetivamente assustador.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Simone Pasianotto
Mais dos Colunistas
Luiz Grubert Inflação, um inimigo sorrateiro

Quando falamos sobre investimentos, um dos primeiros conceitos que todo investidor deveria buscar entender é o conceito de inflação. A inflação nada mais é do que a pe...

Luiz Grubert
Piter Carvalho Começou o rali de fim de ano da Bolsa?

Será que já começou o rali de final de ano na Bolsa de Valores? Sim, e não precisou esperar dia 25 de dezembro para ele começar. Ano passado, por exemplo, ele começou ...

Piter Carvalho

Compartilhe sua opinião