Oren Pinsky

Análise do cenário de Venture Capital em 2021 e perspectivas para 2022

Mercados públicos receptivos impulsionaram o aumento dos investimentos em todas as etapas do VC e 2021 somou US$ 330 bilhões investidos em Venture Capital

2021 foi um ano recorde para o mercado de Venture Capital. Os mercados públicos receptivos impulsionaram o aumento dos investimentos em todas as etapas do VC e 2021 somou US$ 330 bilhões investidos em VC (nos EUA, que é um bom proxy para todo o mundo), quase o dobro dos números de 2020 (US $ 167 bilhões). O aumento foi tanto no número de negócios quanto no investimento por negócio. E o investimento em VC, que antes era quase exclusivo de fundos, viu muitos recém-chegados na forma de family offices, fundos de PE e fundos de hedge investindo na classe de ativos.

Novos fundos foram formados e a quantidade de financiamento disponível para a indústria globalmente mais que dobrou no ano. Esse novo influxo de dinheiro disponível foi atendido por um aumento da oferta de empresas que tentavam interromper cada fragmento de todas as tecnologias de alavancagem do setor. Ouvimos de praticamente todos os GPs que conhecemos que em 2021 houve uma melhoria notável na qualidade das equipes que executam as startups: tornar-se um empreendedor ou trabalhar para uma startup foi em 2021 a escolha de carreira preferida de muitos jovens profissionais que ficaram encantados com as perspectivas de fama e fortuna.

No entanto, esse aumento da oferta de startups claramente não foi suficiente para acomodar o aumento da demanda e, como resultado, as avaliações aumentaram em todos os aspectos – a heurística de acordo da série A dos anos anteriores foi em 2021 usada para rodadas de sementes. Testemunhamos empresas pulando de sementes à série B, e outros excessos que refletem como a indústria não soube lidar com o excesso de dinheiro que atraiu. Em 2021, o ambiente macroeconômico e a falta de alternativas de investimento de maior rendimento levaram a grandes fundos levantados por empresas como Tiger e Softbank. Para acomodar esse influxo, eles implantaram capital em um ritmo sem precedentes, em termos sem precedentes – avaliações muito altas e direitos ou governança mínimos.

Muitas empresas, inclusive algumas do nosso portfólio, preocupadas com a duração da pandemia, se beneficiaram disso e encheram seus cofres de caixa em condições favoráveis. Essas altas avaliações tornaram-se o “novo normal” – e pagar 100 vezes as vendas de uma empresa que estava perdendo dinheiro tornou-se aceitável para muitos investidores respeitáveis. Embora essas tendências tenham ocorrido em todo o mundo, muitas regiões e muitos setores tiveram suas próprias idiossincrasias. A Europa, por exemplo, viu em 2021 o renascimento do Venture Capital. Para que um ecossistema de inovação prospere, ele precisa de uma massa crítica de empreendedores, investidores e aceitação do mercado de soluções tecnológicas.

Em 2021, testemunhamos um aumento acentuado no número de unicórnios (que se traduz em investidores felizes e empreendedores ricos e executivos em ascensão, que investem parte de suas fortunas de volta ao ecossistema), muitos novos e interessantes gestores de fundos e muitos investidores americanos na instalação de sedes europeias. Investimos recursos significativos no mapeamento do ecossistema europeu.

A China enviou alguns sinais mistos ao mercado de capital de risco. Enquanto esse ecossistema continuou muito dinâmico, o governo surpreendeu a todos ao regular certos setores e lançar uma sombra de dúvida sobre o que faria a seguir. Isso impediu a cadeia gigante chinesa de fintechs de financiar IPOs, mas também proibiu aulas particulares com fins lucrativos e parou de proibir videogames (banindo consoles e restringindo o uso de videogames para menores). Compreendemos com nossos GPs chineses no Cathay a lógica desses movimentos (em um país que quer ser visto como o campeão da igualdade de oportunidades, a tutoria com fins lucrativos – que beneficia os alunos dos ricos – não tem lugar).

Mas a incerteza de que esses movimentos são enormes e torna a questão de “onde o governo interferirá a seguir” muito difícil de responder. Mapeamos o ecossistema de fundos chinês e executamos a devida diligência em alguns dos principais fundos de nível 1, mas decidimos limitar nossa exposição à região. Os fundos Crypto VC se separam das casas tradicionais de VC. Muitos gestores de fundos de capital de risco tradicionais incluíram investimentos em criptomoedas em seus portfólios.

No entanto, a maioria dessas casas realmente não adotou a criptomoeda e praticamente todos os seus investimentos são em “infraestrutura” de criptomoeda – ou os pilares que apoiariam uma economia de criptomoeda.

Esses são investimentos em criptomoedas menos arriscados e refletem, em nossa opinião, a falta de compreensão de criptomoedas pela maioria desses gestores – uma avaliação que foi reforçada por dezenas de entrevistas que fizemos com eles. Por outro lado, muitos fundos somente de criptomoedas surgiram em todas as geografias, e as primeiras safras desses fundos têm tido um desempenho muito bom.

É uma área onde estamos gastando mais tempo e recursos. O amor dos mercados públicos pela tecnologia também foi bastante volátil em 2021. O ano começou com um número recorde de empresas abrindo o capital – por meio de IPOs tradicionais ou via SPACs – e terminou com múltiplos de mercado para empresas de tecnologia se deteriorando e um congelamento completo de IPOs. Muitas das empresas que fizeram IPO durante o ano perderam valor relevante durante esses 12 meses. Mudanças nas condições macroeconômicas certamente impactaram o apetite dos mercados públicos por ações de tecnologia. Vimos grandes volumes de atividades em VC em muitos ecossistemas em todo o mundo, mas os EUA ainda lideram como o local mais ativo para o setor. A Europa e a Ásia continuam a crescer. A América Latina representa 2,5% da indústria global de VC.

Em 2022, já estamos vendo um clima diferente no VC do que vimos nos dois anos anteriores desde o início do fundo (mas não diferente de outros ‘invernos’ de VC – a indústria é cíclica). Megarounds com avaliações exorbitantes deixaram de existir e os gestores de fundos têm alertado suas empresas de portfólio para administrar o caixa como se fosse um recurso escasso, e não como tem sido nos anos anteriores.

A maioria das empresas que abriram capital nos últimos anos não estão tendo um bom desempenho, o que efetivamente fecha os mercados públicos para novas empresas e pressiona as avaliações privadas – por que um investidor pagaria múltiplos mais altos por uma empresa privada do que por uma empresa que cresce tanto quanto o privado e já é público? Muitos gestores de fundos não têm experiência em operar neste novo ambiente.

O processo de “desaprender” pode ser doloroso, surpreendente e perturbador para muitos…” Acreditamos que escolhemos gestores de fundos que podem prosperar nos desafios do futuro e continuaremos a monitorá-los e a trabalhar em estreita colaboração com eles. Especificamente, acreditamos que eles devem trabalhar com seus portfólios nos seguintes tópicos:

  • Caixa: educar e monitorar continuamente as empresas de seu portfólio sobre a disciplina de caixa. O fluxo de caixa e a redução da queima são fundamentais para viver nos próximos meses incertos. As empresas com economia unitária desfavorável terão o desafio de levantar rodadas adicionais e devem se concentrar em ajustá-las em vez de crescimento.
  • Liquidez: acreditamos que os eventos de liquidez serão escassos nos próximos 6-12 meses; As janelas de IPO e SPAC estão efetivamente fechadas e as empresas não devem contar com esses eventos em seus planos de curto prazo.
  • Recursos Humanos: com possíveis rodadas de baixa no horizonte, o valor da remuneração baseada em ações provavelmente diminuirá e, como tal, o moral dos funcionários poderá sofrer.
  • M&A: com mais empresas falindo, certamente haverá oportunidades de aquisições tanto de market share, tecnologia e talento. As empresas (em estágios de crescimento) devem considerar procurar essas possibilidades. Embora o fluxo de notícias dos mercados públicos e da imprensa seja certamente deprimente, não é a primeira vez que vemos correções no mercado de capital de risco e aprendemos que em cenários como esse surgem oportunidades de criação de valor

Acreditamos que surgirão muitas oportunidades para investir em empresas com avaliações ajustadas que podem se valorizar significativamente. Além disso, acreditamos que haverá oportunidades nos mercados secundários tanto para participações em LP, quanto para investimentos diretos em empresas e planejamos estar atentos a essas oportunidades.

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Mais dos Colunistas
Rafael Rios Economia compartilhada está mudando a forma como nos relacionamos e investimos

Tenho acompanhado de perto como setores tradicionais da economia, do mercado financeiro à indústria do turismo, vêm sendo profundamente impactados pelo avanço da econo...

Rafael Rios
Wataru Ueda A importância dos fundos de investimento para fomentar inovação

Não se produz inovação do nada. Não basta uma ideia brilhante e muita disposição. Seja público ou privado, o capital sempre é necessário para estimular a inovação. No ...

Wataru Ueda

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO