Camila Nasser

Como promover maior diversidade no perfil dos fundadores de unicórnios?

A Defiance Capital fez uma análise de todos os novos unicórnios criados no período entre 2013 e 2023, nos Estados Unidos e no Reino Unido. Um dos principais objetivos do estudo é conseguir entender o ‘DNA’ desses negócios.

A Defiance Capital fez uma análise de todos os novos unicórnios criados no período entre 2013 e 2023, nos Estados Unidos e no Reino Unido. A amostra constatou a criação de 845 unicórnios e 2.018 fundadores. Um dos principais objetivos do estudo é conseguir entender o ‘DNA’ desses negócios.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Cerca de 70% dos unicórnios têm fundadores underdog, ou seja, que se enquadram nas seguintes categorias: imigrantes, mulheres e pessoas negras. Em 2023, 17% dos unicórnios teriam pelo menos uma mulher entre o time fundador – o que é pouco, mas ainda sim um avanço em comparação aos anos anteriores.

E apesar dos underdogs representarem a maior parte dos fundadores de unicórnios, quando trata-se de aporte de fundos de Venture Capital, apenas 21% dos unicórnios fundados por imigrantes ou mulheres receberam aporte dos 10 principais VCs.

Enquanto isso, unicórnios fundados pelo típico arquétipo do empreendedor homem, branco, nativo e graduado em uma Ivy league, apesar de representar apenas 11% do total dos fundadores de unicórnios, ainda é o perfil com o maior acesso a capital.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Investindo-no-exterior.png

E quando falamos de acesso a capital, outro dado relevante que a pesquisa traz é sobre o papel dos fundos de Venture Capital na criação dos negócios. De acordo com a Defiance Capital, fundos menos conhecidos de VC têm tanta chance de investir no novo unicórnio quanto os mais carimbados.

Excluindo YC, que aportou em 10% dos unicórnios, e SV Angel, com 6.4%, nenhum outro fundo chegou a aportar em mais de 2.8% (Sequoia) dos unicórnios. O que isso significa para o cenário atual?

O fato é que nos estágios mais embrionários dos negócios e investimentos, fundos novos ou menos conhecidos têm chances semelhantes a fundos já estabelecidos de ter um unicórnio dentro do portfólio, principalmente porque surgem como novas possibilidades de negócios e podem gerar interesse em investidores.

Aqui no Brasil, o contexto é bem diferente. Afinal, temos menos acesso a capital e uma alta dependência na rede de contatos para rodadas futuras, e por essa razão, presumimos que o resultado seria diferente e que os principais fundos seed devem concentrar o maior número de unicórnios.

Ainda assim, os dados trazidos pela Defiance Capital podem ser a porta para os diálogos com o mercado de Venture Capital, promovendo maior diversidade no perfil dos fundadores, e em especial um entendimento de que não existe uma receita do bolo ou um único caminho a seguir (ou fundo a captar) que levará o negócio ao sucesso.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Camila Nasser
Mais dos Colunistas
Hilton Menezes Multi Corporate Venture Capital: o “M”do CVC

O conceito de Multi Corporate Venture Capital (MCVC) está emergindo como uma poderosa estratégia de investimento colaborativo, em que múltiplas corporações unem forças...

Hilton Menezes
Luiz Gustavo Neves Como está a temperatura do Venture Capital?

O momento atual do Venture Capital ainda é desafiador e a captação de recursos com investidores institucionais passa por uma fase, digamos, complexa. Mas, felizmente, ...

Luiz Gustavo Neves

Compartilhe sua opinião