Camila Nasser

No Venture Capital brasileiro falta o “Made in Brazil”

Precisamos parar com a síndrome de vira-lata, e fomentar um ecossistema de Venture Capital que de fato dialoga com o contexto do país

A indústria de Venture Capital brasileira se consolidou nos últimos anos como um espelho do que ocorre nos Estados Unidos, especialmente no Vale do Silício. Desde o próprio nome do mercado – VC -, que no Brasil seria o Capital de Risco – até jargões como “valuation” para se referir a valor do negócio, “founder” para se referir aos fundadores, e os diferentes estágios de aporte “pre-seed to Series F”, o mercado brasileiro incorporou a dinâmica americana para investimento em startups (opa, mais um termo gringo) com a tese de multiplicação de várias vezes o capital investido.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/06/Lead-Magnet-1420x240-3.png

Mas o Brasil não é os Estados Unidos (obviamente, Sherlock Holmes) e precisamos entender as diferenças e nuances de ambos os países para a consolidação de um mercado sólido e independente.

Nos EUA, o investidor tem um relacionamento especial com o capital: as baixas taxas de juros aproximam os investidores do mercado de ações: mais de 55% da população americana investe na bolsa e uma pesquisa realizada pelo Bank of America apontou que 80% dos jovens investidores estavam olhando para investimentos alternativos.

Do lado do empreendedorismo, este artigo sobre como o Vale do Silício foi formado narra com riqueza de detalhes o fomento à inovação enraizado na cultura das Universidades americanas, com apoio de capital governamental e filantrópico para tal. Somado à maior segurança regulatória, temos um ambiente propício para, de um lado, empreendedores inovarem em novos mercados e, por outro lado, investidores se arriscarem a financiar tais inovações.

Aqui no Brasil, nosso mercado de capital de risco está em outro patamar: lidamos com taxas altíssimas de juros e inseguranças regulatórias e tributárias. Estamos começando a desenvolver a educação empreendedora dentro de algumas universidades, porém, sem os endowments e apoio a pesquisas que os gringos têm.

De acordo com um levantamento da ACE, o ecossistema brasileiro precisaria de, ao menos, 15 vezes mais investimento nos estágios iniciais para alcançar o mercado americano. E enquanto 43% das empresas listadas nas bolsas americanas foram investidas por VC, no Brasil a taxa é menor que 2%.

Por que, então, replicamos o modelo americano para o nosso capital de risco?

Valuations

Imitamos os valores de captação e precificação de startups americanas, apesar de não termos o mesmo mercado endereçável e potencial de crescimento/retorno.

Crescimento dos negócios

A metodologia de blitzscaling (crescimento a qualquer custo) do Vale do Silício, que leva startups a captarem cheques gordos, não pode ser o padrão brasileiro – nossa oferta de capital é mais escassa, e portanto as startups precisam de premissas de crescimento mais sólidas, que dependam menos de capital externo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Investindo-no-exterior.png

Vias de saídas

Se 98% das empresas que passam pelo VC no país não abrem o capital na bolsa, as teses de saída (exits) dos investidores precisam ser readequadas, junto com as premissas de rodadas futuras.

Perfil dos empreendedores

Importamos dos norte-americanos a premissa de que os melhores empreendedores virão das universidades mais renomadas, ou de experiências prévias em bancos ou consultorias. O pedigree de ter estudado em faculdades Ivy League como Harvard, MIT e Columbia exclui mais de 99% da população brasileira, e cria uma bolha de oportunidades que não condiz com a realidade local

O Brasil é o lar de mais de 203 milhões de pessoas, mais de 20 milhões de empresas. Somos a nona maior economia do mundo, país do Pix e da mais importante floresta tropical. Precisamos parar com a síndrome de vira-lata, e fomentar um ecossistema de Venture Capital que de fato dialoga com o contexto do país.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Camila Nasser
Mais dos Colunistas
Hilton Menezes Multi Corporate Venture Capital: o “M”do CVC

O conceito de Multi Corporate Venture Capital (MCVC) está emergindo como uma poderosa estratégia de investimento colaborativo, em que múltiplas corporações unem forças...

Hilton Menezes
Camila Nasser Como promover maior diversidade no perfil dos fundadores de unicórnios?

A Defiance Capital fez uma análise de todos os novos unicórnios criados no período entre 2013 e 2023, nos Estados Unidos e no Reino Unido. A amostra constatou a criaçã...

Camila Nasser

Compartilhe sua opinião