Julio Hegedus Netto

Cenário político segue defensivo

Mudança no tom de Bolsonaro tira mercado de posição cautelosa

Nem a mudança de tom do presidente Jair Bolsonaro, divulgando uma “Carta à Nação, respeitando os poderes, parece ter sido suficiente para tirar o mercado de uma postura mais cautelosa e defensiva. A desconfiança maior recai sobre a duração desta trégua, na relação do presidente com o STF. Neste contexto, como ficam as pautas econômicas? As manifestações do dia 12, da oposição, sem Partido dos Trabalhadores (PT), se mostraram um fiasco. O PT, em cima da hora, resolveu não participar, pois sabiam que estas seriam um FIASCO, na boa, com ele ou sem ele.

Na semana passada, o mercado fechou em baixa. A bolsa de valores encerrou a semana recuando 2,3%, e o dólar em alta (+1,6%, R$ 5,26). No mercado de juro, as taxas curtas e médias recuaram um pouco, mas as longas operaram em alta. A justificar a queda nas curtas, as vendas de varejo acima do esperado e algum desanuviamento de ambiente. É de se esperar, no entanto, no Comitê de Políticas Monetárias (Copom) deste mês, uma “puxada” mais forte da Selic, acima de 1 ponto percentual, talvez a 6,5%, atualmente em 5,25%, pelas pressões inflacionárias e a “desancoragem das expectativas”.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, segue na sua cruzada pelo avanço da agenda econômica no Congresso. Duas pautas o mobilizam: o debate em torno dos precatórios e a obtenção de recursos para tocar o “Auxílio Brasil”. Já parece consenso os R$ 300 por família, faltando agora a obtenção de recursos. Na semana, Guedes e equipe se reúnem com Arthur Lira, Rodrigo Pacheco e Luiz Fux para tratar desta agenda. Por outro lado, Guedes reconhece que a inflação se encontra num patamar acima do esperado. Na semana passada, o IPCA veio mais alto, em 12 meses a 9,68%, impactado pela “bandeira da crise hídrica” e os reajustes de alimentos e combustíveis.

Por outro lado, uma boa notícia veio das vendas do varejo de julho, avançando 1,2%, recorde para a série histórica. Foi o quarto mês seguido de alta. No ano, as vendas acumulam 6,6% e em 12 meses 5,9%. Estejamos atentos, no entanto, à inflação ascendente, que tende a corroer o poder de compra dos consumidores.

Retornando à arena política, é importante uma leitura mais isenta sobre o “recuo” do presidente Bolsonaro nos embates com os ministros do STF. Sem dúvida que foi um recuo estratégico, até pela sua sobrevivência, visto que se não agisse desta forma, estaria estimulando o STF a ir em frente nas pressões sobre o Congresso para o pedido de impeachment. Há uma ilusão de que ele deve mudar de foco, com a ajuda do ex-presidente Michel Temer. Será que isso se confirma? Poucos acreditam nesta tese. Nesta semana saberemos melhor.

Por outro lado, como disse Paulo Guedes, sua pauta está na mesa, principalmente, pelas negociações sobre os precatórios, o que permitirá amealhar recursos para o “Auxílio Brasil”. A reforma tributária, de Arthur Lira, por enquanto, está em cima do telhado.

EUA

Os democratas se mobilizam para sustentar seus faraônicos programas de estímulo econômico. Devem propor no Congresso um aumento de alíquota de imposto corporativo a 26,5%. Proposta é elevar a taxa de negócios, atualmente, de 21%, para algo em torno de 26% a 28%. O problema é que esta pesada taxação sobre as empresas devem inibir novos investimentos. Como fica? Inflação na veia, dado um salto do consumo, diante de uma capacidade produtiva limitada? Com a palavra os luminares do Congresso em Washington DC.

MERCADOS

Os mercados asiáticos não se mostram robustos neste início de semana, diante da perspectiva de um crescimento mais lento da economia global, por mais uma onda da pandemia de covid-19. Nos EUA, as ações recuaram na semana passada, no maio recuo desde junho, devido à cautela dos investidores sobre os desafios da reabertura econômica, com a cepa Delta.

No Brasil, o mercado fechou a semana PASSADA ainda na defensiva, desconfiado por esta mudança de postura do presidente. É a segunda semana negativa seguida para o índice da bolsa paulistano, ainda mais depois da sessão do dia 08. Na semana, o Ibovespa recua 2,3%, perdendo 3,8% no mês e quase 4,0% no ano. Na sexta-feira, recuou 0,93%, a 114.285 pontos. Já o dólar fechou o dia em alta ante o real, +0,76%, a R$ 5,267.

O que se tem de evidência é que o ingresso de recursos externos à bolsa paulistana perde ímpeto, dado o clima político institucional. No dia 09 de setembro, foram R$ 643 milhões de retiradas de recursos EXTERNOS da B3. Ver figura a seguir.

Fluxo de investimento da B3
Fluxo de investimento da B3

Nesta madrugada (05h05), dia 13/09, na Ásia os mercados operaram em SUAVE RECUPERAÇÃO. Nikkei avançando 0,22%, a 30.447 pontos; KOSPI, na Coreia do Sul, +0,07%, a 3.127 pontos; Shanghai, +0,33%, a 3.715 pontos, e Hang Seng, -1,66%, a 25.772 pontos.

Nesta madrugada do dia 13/09, na Europa (04h05), nos futuros os mercados operavam em ALTA. DAX (Alemanha) avançando 0,57%, a 15.698 pontos; FTSE 100 (Reino Unido), +0,52%, a 7.065 pontos; CAC 40 (França), +0,48%, a 6.695 pontos, e EuroStoxx50, +0,48%, a 4.190 pontos.

Nos EUA, as bolsas de NY no mercado futuro, operavam às 05h05, dia 13/09, da seguinte forma: Dow Jones avançando 0,48%, a 34.773 pontos, S&P 500, +0,44%, a 4.477 pontos, e Nasdaq 0,34%, a 15.493 pontos. No mercado de Treasuries, US 2Y avançando 1,80%, a 0,2209, US 10Y -0,50%, a 1,334 e US 30Y, -0,65%, a 1,921. No DXY, o dólar avançava 0,24%, a 92,793. Petróleo WTI, a US$ 70,22 (+0,72%) e Petróleo Brent US$ 73,43 (+0,70%).

Na agenda da semana, estejamos atentos aos dados de inflação nos EUA (CPI) na terça-feira, a produção industrial na quarta-feira e as vendas de varejo na quinta-feira. Na China, também temos as vendas de varejo e a produção industrial na terça-feira. No Brasil, atenção com os dados de serviço de julho, do IBGE, na terça-feira, e o IBC, índice de atividade do BACEN, na quarta-feira. Estes dados serviram de parâmetro para as reuniões dos bancos centrais americano e brasileiro na semana seguinte. Esta semana é de silêncio com os diretores dos Fed REGIONAIS não podendo emitir opinião.

Agenda Semanal 
2ª feira (13)Pesquisa Focus (Brasil); Balanço Orçamentário Federal, Dados fiscais (EUA).
3ª feira (14)Produção Industrial (Japão); Taxa de Desemprego (Reino Unido); Crescimento do Setor de Serviços (Jul, IBGE) (Brasil); Rendimento Real (EUA); IPC (Ago) (EUA); Leilão TN: NTN-B (Brasil); Produção Industrial (China).
4ª feira (15)IPP Bens Intermediários (Reino Unido); IPC (Agosto) (Reino Unido); Produção Industrial (Ago) (Euro); IBC-Br (Ago) (Brasil); Venc opções sobre Ibovespa (Brasil); Preços Bens Importados (EUA); Preços Bens Exportados (EUA); Índice Empire State Ativ Industrial (EUA);   Produção Industrial (EUA); Estoques de Petróleo em Cushing; Confiança do Consumidor Reuters/Ipsos (Ago) (Brasil); Fluxo Cambial Estrangeiro (Brasil); Balança Comercial (Ago) (Japão).
5ª feira (16)Balança Comercial (Ago, Euro); Núcleo de Vendas no Varejo (EUA); Vendas no Varejo (Ago, EUA); Índ Ativ Indust. Fed Filadélfia (Ago, EUA); Pedidos Iniciais por Seguro-Desemprego (EUA); Leilão TN: LFT, NTN-F, LTN (BRASIL).
6ª feira (17)Núcleo e Vendas no Varejo (Ago, Reino Unido); IPC (Ago, Euro); Exercício de Opções – Séries I e U (Brasil); Confiança do Consumidor Michigan  (EUA); Contagem Sondas Baker Hughes

Julio Hegedus Netto

Compartilhe sua opinião

Receba os destaques que irão movimentar o cenário econômico antes da abertura do mercado.

Inscreva-se