Bia Moraes

Conta de luz nas alturas? Três dicas práticas para economizar

Para economizar energia elétrica no nosso cotidiano, é interessante conhecer, minimamente, como se estrutura o sistema elétrico brasileiro.

Em 2021, o Brasil entrou em uma crise hídrica que levou a um aumento significativo da conta de energia elétrica, e isso vem pesando no bolso, na inflação e no custo de vida de maneira geral.

Para entender a atual situação energética do país e saber como podemos economizar energia elétrica no nosso cotidiano, é interessante conhecer, minimamente, como se estrutura o sistema elétrico brasileiro. A conta de energia elétrica pode variar de acordo com a bandeira vigente, que é determinada pelo governo e depende das condições de abastecimento de energia no país. Tudo isso pode gerar um acréscimo ao valor final dessa conta.

Esse valor a mais é determinado pela bandeira, que pode ser verde, amarela, vermelha patamar 1 e vermelha patamar 2. A cada bandeira, a conta de luz vai ficando mais cara.

Em 29 de junho de 2021, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) fez um reajuste de 52% no valor da bandeira vermelha 2, passando de R$ 6,24 para R$ 9,49 por 100 kWh. Hoje, a conta de luz já está na bandeira tarifária mais alta e, segundo a Aneel, até abril de ano que vem, as coisas ainda podem piorar, quando poderá ser cobrado um valor de R$ 14,20 por 100kW/h.

Como isso afeta outras contas pessoais

O aumento do custo da energia acaba causando um efeito dominó nas nossas finanças, uma verdadeira reação em cadeia.

A energia ajuda na formação de preços de diversos produtos e serviços, assim como os combustíveis. Isso ocorre porque todas as empresas repassam esse aumento no custo de energia aos seus consumidores por meio de seus preços.

Por consequência, os alimentos ficam mais caros, matéria prima fica mais cara, o que aumenta a inflação e diminui o nosso poder de compra em geral.

Porém, apesar dessa situação impactar diretamente nossas finanças pessoais, existem maneiras para conseguirmos economizar no curto prazo. Listei três dicas práticas que podem ajudar nesse período:

1 – Atenção ao comprar eletrodomésticos
Antes de comprar um eletrodoméstico, é importante prestar atenção às etiquetas do Inmetro, que servem para indicar aos consumidores a classificação do aparelho de acordo com a sua eficiência elétrica, e, portanto, quais equipamentos consomem menos energia elétrica.

Ele informa, com letras de A a G, a eficiência energética, sendo a letra A a mais eficiente e a G a menos, ou seja, dê preferência aos eletrodomésticos com classificação A.

2 – Quando o ar-condicionado estiver ligado, evite a luz do sol
A luz solar faz com que a temperatura do ambiente aumente enquanto o ar-condicionado busca fazer exatamente o contrário. Nesse cenário, o aparelho precisa trabalhar mais e por consequência gasta mais energia. Por isso, cortinas podem ajudar.

Além disso, uma curiosidade a respeito dos aparelhos deste tipo de aparelho é que, quando programados para funcionar com temperaturas menores que 23°, eles consomem mais energia. Então nada de climinha de montanha se quiser economizar.

3 – Não deixe que o seu tempo de banho ultrapasse 15 minutos
Quinze minutos é tempo suficiente para tomar banho, segundo especialistas. Mais do que isso, você gasta seu tempo de maneira ineficaz, além de gastar mais energia e dinheiro.

A dica é: se gosta de tomar banho ouvindo música, crie uma playlist com mais ou menos 5 músicas. Ao final dela, saiba que é hora de desligar o chuveiro.

São pequenos hábitos como esses que, aos poucos, fazem a diferença nas contas do fim do mês. Eu acredito mesmo que a educação financeira passa muito por atitudes que você toma hoje e que impactam no futuro.

Estabelecer limites de consumo e criar um planejamento financeiro são dois aspectos fundamentais para otimizar a receita mensal. E eu te convido a começar a experimentar esse processo. Vamos juntos?

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Bia Moraes
Mais dos Colunistas
Gian Kojikovski A crise energética e a migração para a fontes renováveis

O Brasil enfrenta uma crise hídrica e estamos sentindo os problemas no bolso. Desde junho deste ano – início da estação de seca nas principais bacias hidrográfic...

Gian Kojikovski
Vinicius Torres Crise hídrica de mal a pior: para além do setor energético

Assim como os reservatórios hídricos, o Ibovespa foi impactado recentemente pelas más notícias sobre a crise energética, o que respingou sobre Taesa (TAEE11), EDP Bras...

Vinicius Torres

Compartilhe sua opinião