Americanas (AMER3) fecha acordo com parte de credores; saiba mais

Em fato relevante na manhã desta segunda-feira (27), a Americanas (AMER3) informou ter firmado acordo vinculante de suporte ao plano de recuperação judicial com credores titulares de mais de 35% da dívida da companhia.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-2-1.png

A Americanas explicou que protocolará junto à Justiça do Rio de Janeiro um aditamento do plano de recuperação judicial (PRJ).

Além dos credores apoiadores que assinaram o plano de recuperação judicial da Americanas, outros credores que têm participado das negociações recentes já indicaram interesse, de forma não-vinculante, em apoiar o plano, e estão conduzindo processos internos de aprovação para também aderirem ao negócio.

O plano proposto, que agora será votado em uma assembleia geral de credores marcada (AGC) para 19 de dezembro, prevê a capitalização de R$ 24 bilhões, sendo R$ 12 bilhões pelos acionistas de referência da Americanas – Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sucupira – e outros R$ 12 bilhões em conversão de dívida concursal por parte dos credores.

A Americanas acredita que terá a adesão de mais de 50% dos credores ao PSA (Plan Support Agreement) até a realização da AGC.

“Este acordo é um marco importante de nosso processo de recuperação judicial e um significativo progresso da Americanas no caminho para a nossa meta de emergir como uma empresa mais forte, mais competitiva, preservando a importante atividade econômica que representa e os milhares de empregos diretos e indiretos gerados em todo o país”, comentou Leonardo Coelho, CEO da varejista.

Principais termos do plano de recuperação judicial da Americanas

O aditamento ao plano de recuperação judicial da Americanas apresenta evolução de alguns dos termos do plano divulgado em março.

Entre eles, está a priorização do pagamento de credores que aceitem receber até R$ 12 mil à vista em cota única, logo após a aprovação do plano, além de alternativas especiais para os credores fornecedores da classe 3.

Além disso, serão reservados R$ 8,7 bilhões para pagamento de credores financeiros da Americanas, através de leilão reverso (R$ 2 bilhões) ou pagamento antecipado de créditos com desconto (R$ 6,7 bilhões).

O PSA da Americanas firmado com os credores traz também como condição precedente que a companhia obtenha, até a data da AGC, a aprovação do conselho de administração para que o PRJ aditado estipule o preço por ação da capitalização.

Caso sejam obtidas todas as aprovações necessárias, e, tendo em vista que a cada três ações emitidas no aumento de capital será conferido um bônus de subscrição com preço de exercício a valor simbólico (R$ 0,01), o preço de emissão de cada ação corresponderá a 1,33 vez ao preço médio de mercado por volume negociado nos últimos 60 dias até a véspera da data da assembleia.

Nesta negociação com os credores, a Americanas conseguiu assegurar, ainda, uma linha de fianças bancárias no valor de R$ 1,5 bilhão, disponível por dois anos após a homologação do plano ou enquanto a companhia estiver em supervisão judicial.

Os credores financeiros da Americanas que oferecerem esse seguro fiança terão acesso prioritário a uma parcela de R$ 1,5 bilhão do pagamento antecipado dos R$ 6,7 bilhões previsto no PRJ.

Após a execução do plano aditado, a dívida bruta da Americanas será de R$ 1,875 bilhão.

Americanas (AMER3) anuncia prejuízo líquido de R$ 12,9 bilhões em 2022 e lucro milionário de 2021 vira perda bilionária

Após quatro adiamentos, a Americanas apresentou os resultados de 2022 e republicou os de 2021. O último balanço divulgado pela varejista foi o do terceiro trimestre de 2022, em novembro do ano passado.

Em 2022, a varejista teve um prejuízo líquido de R$ 12,9 bilhões e corrigiu a última linha de seu balanço em 2021: a Americanas reportou um prejuízo líquido de R$ 6,2 bilhões, ante lucro líquido R$ 544 milhões divulgado anteriormente.

Assim, a perda líquida da Americanas aumentou 107% entre 2021 e 2022.

Já o lucro bruto da Americanas em 2022 foi de aproximadamente R$ 5,0 bilhões e a margem bruta atingiu a marca de 19,5% da receita líquida, “impactada pelo real custo de mercadorias vendidas, que já não contava com a fraude de lançamentos de contratos fictícios de verba de propaganda cooperada (VPC) que reduziam o custo”, explicou. “Outro impacto relevante foi a provisão de obsolescência de estoques no valor de R$ 744 milhões, que teve contrapartida na linha de custos de mercadoria vendida”.

receita líquida consolidada da Americanas atingiu a marca de R$ 25,8 bilhões em 2022, com o varejo digital e o físico como unidades de negócio de maior representatividade (aproximadamente 87%). O valor é 14,6% superior aos R$ 22,521 bilhões reportados um ano antes.

Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) recorrente da Americanas ficou negativo em R$ 2,927 bilhões em 2022. O capital de giro da Americanas ficou em R$ 2,5 bilhões, com uma piora de R$ 1,2 bilhão na comparação anual, “com a redução dos recebíveis não sendo suficiente para compensar a redução do financiamento dos estoques”, disse.

Ao fim do ano passado, a dívida líquida da Americanas era de R$ 26,3 bilhões. No final de 2021, a dívida líquida real da companhia era de R$ 13,9 bilhões, ante caixa líquido de R$ 1,73 bilhão divulgado originalmente.

O resultado financeiro da Americanas foi negativo em R$ 5,23 bilhões no ano passado, “já considerando as despesas de juros dos contratos de risco sacado e contratos de capital de giro devidamente contabilizados”. A Americanas informou, também, que tinha um endividamento de curto prazo de R$ 37 bilhões ao final de 2022.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Números da Americanas em 2021

A Americanas encerrou o ano de 2021 com um prejuízo líquido de R$ 6,237 bilhões, ante lucro líquido de R$ 544 milhões anunciado anteriormente. Já o Ebitda recorrente da Americanas ficou em R$ 1,780 bilhão, representando uma correção negativa de R$ 4,077 bilhões em relação ao Ebitda de R$ 2,3 bilhões anunciado anteriormente.

receita líquida da Americanas em 2021 ficou em R$ 22,521 bilhões, uma revisão negativa de R$ 175 milhões comparado aos R$ 22,696 bilhões reportados anteriormente.

O resultado de caixa líquido da Americanas de R$ 1,738 bilhão no balanço de 2021 anterior foi revisado em R$ 15,583 bilhões, passando a uma dívida líquida de R$ 13,945 bilhões, conforme os ajustes apresentados.

De acordo com a Americanas, “o perfil de endividamento teve uma mudança relevante em consequência dos ajustes da fraude. Os contratos de risco sacado e de empréstimo de capital de giro, indevidamente contabilizados na conta de fornecedores, foram reclassificados para endividamento, o que resultou em um aumento de R$ 15,6 bilhões na dívida bruta da companhia”.

A companhia explicou ainda que houve a necessidade de reclassificação de todas as dívidas de longo prazo para curto prazo, em decorrência dos efeitos dos demais ajustes, passando, mesmo as mais longas, a serem exigíveis em curto prazo.

No comunicado, a Americanas afirmou que foi vítima de “fraude sofisticada”, baseada na “manipulação dolosa” de seus controles internos por parte de sua antiga gestão, o que tornou o refazimento das demonstrações financeiras extremamente desafiador, complexo e extenso, requerendo trabalho minucioso e rigoroso.

A empresa informou que não vai revisar os resultados anuais antes de 2021 e de antes do primeiro trimestre de 2022.

Projeções da Americanas para 2025

A Americanas também divulgou projeções para 2025, considerando uma eventual aprovação do plano de recuperação judicial, atualmente negociado com os principais credores da empresa.

Segundo a varejista, a expectativa para 2025 é de Ebitda de mais de R$ 2,2 bilhões, com um alavancagem medida pela relação dívida líquida/Ebitda de menos de 0,75 vez.

Além disso, espera atingir uma dívida bruta financeira entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão, e que o patrimônio da Americanas volte a ficar positivo.

“A projeção aqui divulgada é baseada nas expectativas da companhia sobre o futuro dos negócios. Essas expectativas dependem, substancialmente, de fatores alheios à vontade da companhia, tais como condições de mercado, desempenho da economia brasileira, do setor e dos mercados internacionais”, disse a Americanas.

mer

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Giovanni Porfírio Jacomino

Compartilhe sua opinião