baixe  o   esse  material
acesso rápido

    Como investir no exterior? Aprenda a investir em ativos estrangeiros

    O que veremos nesse artigo:

    Fazer investimentos em ativos de fora do país pode ser uma ótima opção para realizar a diversificação de uma carteira de investimentos e para encontrar mais alternativas de rentabilidade. Antes de fazer este tipo de operação, no entanto, é necessário ter algumas noções básicas sobre como investir no exterior.

    Por isso, neste artigo iremos falar um pouco sobre como investir no exterior e também sobre quais são as vantagens de possuir parte dos investimentos fora do Brasil. Assim, será possível entender melhor o porquê de tantos investidores estarem buscando diversificar seus investimentos fora do país.

    Como investir no exterior?

    Como investir no exterior?

    A melhor forma de como investir no exterior é, sem dúvida, abrindo conta em uma corretora de valores americana. Isso porque, diferente do Brasil, as bolsas americanas possuem empresas do mundo inteiro sendo negociadas.

    Por isso, é possível comprar ações de companhias da Europa, da Ásia, da Oceania, enfim, empresas de todo o mundo diretamente das maiores bolsas do mundo, as bolsas americanas NASDAQ e NYSE.

    E além de ações de empresas, há também a possibilidade de adquirir também ETFs (Exchange Traded Funds) de diversos países. Nesse sentido, é possível comprar um ETF de empresas da Turquia ou da Índia diretamente dos EUA.

    Portanto, abrir conta em uma corretora é a melhor forma de investir no exterior. Afinal, dessa forma o investidor tem acesso à ativos e à empresas de todo o mundo de um lugar só, não sendo necessário ter diversas contas em vários países diferentes.

    Para isso, basta ter a conta em uma corretora americana, enviar os dólares para essa conta e, por fim, investir.

    Investindo no exterior no mercado brasileiro

    Além de criar uma conta em uma corretora no exterior, existem outras formas de ter os investimentos internacionais, fora do país. As principais delas são:

    1. Fundos de Investimentos no Exterior

    Investir em Fundos de Investimentos no Exterior, ou seja, em fundos que possuem em sua carteira ativos de fora do país também é outra forma de se investir em ativos de fora do país. Sendo que essa alternativa evita obrigações com o Banco Central ou o Imposto de Renda.

    Na verdade, essas obrigações continuam existindo, mas a gestora do fundo que se responsabiliza pela burocracia e a gestão da carteira. Tal processo propicia mais comodidade e menor custo — já que os investidores, por sua vez, apenas compram cotas desse fundo.

    Vale destacar que todo o investimento em fundos com investimento no exterior é legalizado, devido ao fato de que os fundos no Exterior são obrigados, pela Comissão de Valores Mobiliários, a incluir a observação “investimento no Exterior” em cada título de ativo. Porém, devido às cobranças, é preciso ter cuidado ao avaliar os fundos investidos, já que as taxas de administração, que podem ser altas.

    2. ETFs (Exchange Traded Funds)

    Os Exchange Traded Funds (ETFs) são produtos negociados na bolsa que reúnem um conjunto de ações em um mesmo ativo. Com ele, é possível comprar cotas de fundos como se fossem ações.

    Nesse caso, o investidor compra cotas do ETFs, sendo que este é administrado de forma passiva por uma gestora, que segue uma metodologia de investimentos. Em outras palavras, os ETFs possuem uma gestão passiva, seguindo a distribuição de carteira de um respectivo índice.

    Na Bolsa de Valores do Brasil, existem dois tipos de ETFs para investimento em ações no exterior, sendo eles:

    Estes ETFs negociados na B3 reproduzem os índices de ações S&P 500, que apresentam as 500 maiores empresas listadas na Bolsa dos Estados Unidos. E quanto ao custo, investir em um ETF tem o mesmo custo de comprar uma ação ou fundo imobiliário, considerando na contagem a taxa de corretagem da corretora.

    A diferença é que existe uma taxa cobrada pelas gestoras do ETF para gerenciar todos os investimentos. Contudo, essa taxa é baixa, e fica na faixa de 0,5% ao ano.

    3. BDRs (Brazilian Depositary Receipts)

    Por último, outra forma de investir no exterior é por meio dos BDRs. Sendo que esses ativos são como ações de empresas americanas, porém negociadas na bolsa brasileira, a B3.

    E diferente das ações de empresas negociadas nos Estados Unidos, os BDRs negociados na bolsa brasileira possuem a cotação em reais. Então, a variação de preço desses ativos depende da oscilação de preço da empresa na bolsa americana e também da cotação do dólar.

    Vale destacar que esse investimento é uma boa alternativa para investidores que desejam investir diretamente em ações de empresas americanas específicas, ao contrário do que acontece com os Fundos de Investimento e com os ETFs.

    Por fim, algumas das empresas americanas que possuem BDRs negociados na B3 são:

    • Apple (AAPL34);
    • Google (GOGL34);
    • Microsoft (MSFT34);
    • Facebook (FBOK34);
    • Amazon (AMZO34);
    • Berkshire Hathaway (BERK34).

    Apesar de ser uma excelente alternativa de investimento no exterior, os BDRs só podem ser adquiridos por investidores qualificados. Isto é, investidores com patrimônio acima de 1 milhão de reais.

    Essa regra sem dúvida prejudica muito o mercado de BDRs no Brasil. Além disso, faz com que esses ativos possuam pouca liquidez na bolsa. Por isso, muitas vezes até mesmo investidores qualificados têm dificuldades para comprar e vender posições nesses ativos.

    Por conta dessas dificuldades de investir em BDRs, a melhor forma de investir fora do país é, realmente, abrindo uma conta em corretora no exterior.

    Como abrir conta em corretora no exterior?

    Como abrir conta em corretora no exterior?

    Como pôde ser observado, a melhor maneira de investir no exterior é fazendo isso diretamente. Por isso, é preciso saber como abrir conta em uma corretora no exterior, mais precisamente nos Estados Unidos. Vale mencionar que pessoas têm resistência em relação a isso por conta da língua inglesa.

    Contudo, já adiantamos que essa não é mais uma desculpa para não investir no exterior, visto que diversas corretoras já oferecem plataforma em português. Além disso, o processo de abertura de conta tem sido cada vez mais simples.

    Nesse sentido, atualmente o investidor precisa apenas de uma cópia de seu RG e de um comprovante de endereço para abrir conta em corretora no exterior. Além disso, precisará também de 5 minutos do seu tempo para acessar o site da corretora e preencher os dados de cadastro.

    Por fim, é bom avaliar a lista de corretoras americanas para começar a investir no exterior são:

    1. Avenue

    A Avenue é uma corretora bastante interessante para aqueles que buscam investir em ativos globais. Ou seja, não apenas ativos de empresas americanas, por exemplo. Isso porque a corretora oferece a possibilidade de investimento em diversos ADRs (American Depositary Receipts), que são uma espécie de ação de companhias de outras partes do mundo. Ao todo, são mais de 3400 ativos disponíveis.

    Além disso, a Avenue tem sido uma das opções preferidas pelos brasileiros justamente pelo fato de ela oferecer a plataforma de abertura de conta e de gerenciamento dos investimentos em português, o que pode facilitar muito a vida daqueles que não dominam o inglês.

    Vale destacar também que essa corretora não cobra taxa de manutenção de conta. Aquela que existe apenas para manter a conta abertura. E outro destaque é o fato de ela ainda oferecer uma plataforma integrada às contas para envio de dinheiro do Brasil.

    Por fim, as taxas de corretagem cobradas pela Avenue para a compra de ações e ETFs são:

    • Ordem de até $1.000: $2,50;
    • De $1.000 até $2.000: $5,00;
    • Acima de $2.000: $10,00.

    2. DriveWealth

    Uma segunda opção para abrir conta no exterior é a DriveWealth. Assim como a Avenue, ela também oferece tanto a abertura de conta quanto a plataforma de investimentos em português.

    Contudo, uma desvantagem dessa corretora é que ela não oferece tantas opções de investimento em Small Caps. Ou seja, aquelas empresas pequenas, com baixo valor de mercado. O foco, nesse sentido, é em empresas maiores, com mais de US$ 1 bilhão de capitalização.

    E ao contrário da Avenue, ela não oferece um serviço integrado de envio de dinheiro, sendo isso deve ser realizado por meio de outras plataformas terceirizadas.

    Além disso, a DriveWealth também não cobra taxa de manutenção de contas. E suas taxas de corretagem são:

    • US$ 2,99 por ordem, ou;
    • US$ 0,0125 por ação, o que for maior.

    3. Interactive Brokers

    Outra opção de corretora para investir no exterior é a Interactive Brokers. E ao contrário das corretoras citadas, a Interactive não oferece nenhuma plataforma em português, o que pode, sem dúvida, ser um empecilho para vários investidores.

    Contudo, é preciso destacar que essa corretora oferece uma plataforma de investimento mais completa e tecnológica. Então, ela pode ser mais indicada para aqueles que negociam ações com frequência.

    Além disso, a gama de produtos oferecidos pela Interactive Brokers é bastante ampla. Nela, o investidor tem acesso a todas as ações negociadas na NASDAQ e NYSE, as duas bolsas americanas. Ainda tem acesso a opções, futuros, ETFs, renda fixa, Forex, etc.

    Essa maior variedade de produtos é refletida no preço. Nesse sentido, a corretora pode cobrar até 20 dólares por mês em taxa de manutenção, dependendo do valor a ser enviado para a conta.

    Contudo, esse valor é abatido na taxa de corretagem, que é de $1 dólar por ordem no mercado à vista.

    4. Charles Schwab

    Por fim, outra opção de corretora nos Estados Unidos é a Charles Schwab. Sendo que ela é mais aconselhada para investidores mais experientes, que possuem mais capital para investir no exterior. Isso porque é preciso de no mínimo 25 mil dólares para negociar ativos.

    Além disso, assim como na Interactive Brokers, a plataforma de abertura de conta e de gerenciamento de investimentos é em inglês.

    Apesar disso, a grande vantagem dessa corretora é o fato de ela não possuir taxa de manutenção e nem taxa de corretagem. Por isso, caso o investidor não tenha dificuldades com o inglês e caso esteja planejando investir mais que 25 mil dólares, talvez a Charles Schwab seja a melhor opção.

    Como enviar dinheiro para o exterior?

    Como enviar dinheiro para o exterior?

    Diversos investidores deixam de investir no exterior porque possuem incertezas de como enviar dinheiro para o exterior, em dólar. Contudo, destacamos que esse processo de remessa de dinheiro para a conta em corretora americana é extremamente simples, podendo ser realizado por qualquer investidor.

    As duas principais formas de enviar dinheiro para a corretora no exterior são:

    1. Plataforma da corretora

    A primeira maneira de enviar dinheiro para o exterior é por meio da plataforma de envio de dinheiro do Brasil oferecido pela própria corretora. Nesse caso, a corretora terá um serviço de envio de dinheiro, que normalmente é bastante simples.

    Para isso, o investidor normalmente deve fazer um TED do valor em reais para uma conta no Brasil. Então, depois de um tempo a corretora faz a conversão do dinheiro e credita o valor em dólar na conta do investidor.

    2. Plataformas terceirizadas

    A segunda forma de enviar dinheiro para a corretora no exterior é por meio de plataformas de empresas terceirizadas. Nesse caso, essas empresas que fazem toda a transação, recebendo o valor em reais, fazendo a conversão para dólares e enviando esse dinheiro em dólar diretamente para a conta da corretora.

    Vale destacar, ainda, que as taxas cobradas por essas empresas terceirizadas normalmente são inferiores em relação aos encargos cobrados pelas plataformas próprias das corretoras. Por fim, o processo de envio do dinheiro funciona assim:

    1. Criar uma conta em uma das plataformas de envio de dinheiro para o exterior;
    2. Decidir a quantidade de dólares a ser enviada;
    3. Determinar a conta de destino do dinheiro (a conta da corretora americana);
    4. Fazer um TED (em reais) do valor total de envio para a conta da empresa que fará a transferência aqui no Brasil.

    Então, após realizar o TED, em alguns poucos dias o valor em dólar determinado será recebido diretamente na conta da corretora americana.

    Vantagens de investir no exterior

    Vantagens de investir no exterior

    Para entender melhor o porquê investir fora do país, é preciso conhecer as vantagens de investir no exterior. Nesse sentido, as principais vantagens de investir fora do Brasil são:

    Diversificação

    A primeira grande vantagem de se investir no exterior é a diversificação proporcionada por esse tipo de investimento. Nesse sentido, ela faz com que o investidor não esteja dependente apenas do mercado do seu próprio país.

    Por exemplo, de 2012 até 2016 a bolsa brasileira sofreu bastante, tendo caído mais de 40%. Nesse mesmo período, o dólar saiu da faixa de 1,80 e chegou até quase 4 reais.

    Caso um investidor tivesse investimentos no exterior durante esses anos, ele estaria protegido do bear market brasileiro. Além disso, ganharia também com o dólar, que se valorizou quase 100% no período.

    É por isso que essa diversificação geográfica é tão aconselhável. Uma vez que ela permite que haja uma redução de risco de um portfólio de investimentos.

    Redução de risco

    A redução de risco permita pelo investimento no exterior vem justamente do fato de ele ser uma forma de diversificação geográfica. Nesse sentido, ele ajuda a eliminar parte do risco sistemático dos investimentos, sendo que:

    • Risco sistemático: risco do sistema como um todo, que acabam afetando todas as empresas e tipos de investimentos. Como uma queda no PIB, no consumo, uma recessão, crise política, etc.
    • Risco não sistemático: risco específico de um ativo ou de um conjunto de ativos. Por exemplo, setores que possuem o risco de perderem mercado consumidor, ou setores que podem perder subsídios do governo.

    Como pode ser observado, o risco não sistemático é facilmente diluído ao se investir em empresas de diferentes setores. Por outro lado, o risco sistemático atinge toda a economia, não podendo ser diversificado ao se investir dentro de um só país.

    Contudo, ao investir no exterior, o investidor tem a possibilidade de diversificar esse risco sistêmico. Afinal, ele estará se expondo a uma economia diferente. Então, na hipótese de o Brasil passar por uma recessão, parte dos investimentos estarão preservados, fora do país, expostos a uma outra economia.

    Vale destacar, contudo, que não é possível eliminar todo o risco não sistemático. Afinal, existem períodos em que uma crise econômica podem afetar todo o mundo. Por exemplo, a crise de 2008, que não só afetou os Estados Unidos, mas também o Brasil.

    Exposição à economia mundial

    Outra grande vantagem de se investir no exterior é a possibilidade de se expor a toda economia mundial, e não só à brasileira.

    Isso é importante porque muitas vezes as empresas negociadas na B3, a bolsa brasileira, possuem atuação apenas interna, no Brasil. Ou seja, não são tão impactadas pelo crescimento mundial.

    Contudo, investir em companhias que estão crescendo a nível mundial é bastante interessante. Afinal, dessa forma o investidor consegue se proteger de uma queda do consumo interno e se expor a um mercado consumidor muito maior – o mundial.

    Por exemplo, ao investir em ações como Apple, Facebook, Google e Microsoft, o investidor se expõe a empresas que possuem grandes avenidas de investimento ao redor de todo o mundo, e não só em um único país.

    Além disso, caso os Estados Unidos passe por uma nova crise financeira, como em 2009, essas empresas americanas sofrem menos do que outras que possuem apenas atuação interna. Afinal, elas podem continuar vendendo em outros país ao redor de todo o mundo menos impactados pela crise.

    Potencial de retorno

    Mais uma vantagem de investir no exterior é o potencial de retorno que pode ser encontrado em investimentos nas bolsas americanas.

    Isso porque existem literalmente milhares de ações sendo negociadas em NYSE e Nasdaq. E não só de empresas, americanas, mas do mundo todo.

    Por isso, a possibilidade de se encontrar ativos baratos, sendo negociados com uma Valuation atrativo, normalmente é maior. Isso é ainda mais relevante quando a bolsa brasileira sobe muito. Ou seja, quando existem menos oportunidades por aqui.

    Então, ter a flexibilidade de investir no exterior se torna uma grande vantagem. Afinal, será possível encontrar ativos americanos sendo negociados abaixo do seu valor intrínseco, enquanto os ativos brasileiros estão supervalorizados.

    Variedade de ativos

    Por último, outra grande vantagem de investir no exterior é a variedade de ativos de diferentes setores que podem ser encontrados ao se investir nos Estados Unidos. Enquanto na B3 existem cerca de 400 empresas, nos EUA é possível investir em alguns milhares de ativos diferentes.

    Além disso, investindo fora o investidor tem a possibilidade de investir em grandes empresas com atuação global e que estão em setores ainda não desenvolvidos no Brasil.

    Por exemplo, ao comprar ações da Apple ou da Microsoft, o investidor passa a ter em sua carteira de investimentos companhias fortes no setor de tecnologia. Sendo que, na bolsa brasileira, não temos empresas como essas nesse setor.

    Além do setor de tecnologia, há também o setor de entretenimento, com a Disney e o Netflix, por exemplo. Sendo que também não temos companhias com esse perfil sendo negociada na B3.

    Ou seja, não só é possível ter acesso a uma variedade muito maior de empresas, mas também a setores de companhias que sequer são desenvolvidos no Brasil.

    Tipos de investimentos disponíveis no exterior

    Tipos de investimentos disponíveis no exterior

    Antes de abrir conta em uma corretora americana e começar a investir de fato, é preciso que o investidor conheça algumas das opções disponíveis para investir. Nesse sentido, os principais investimentos no exterior são:

    1. Stocks

    As stocks nada mais são que as ações de empresas negociadas nas bolsas de NASDAQ ou NYSE. Esse termo é utilizado no Brasil para distinguir as ações, que seriam os papéis das companhias negociadas na B3, das empresas de capital aberto americanas.

    Então, algumas das stocks de empresas americanas de capital aberto disponíveis para investir no exterior são:

    • Microsoft;
    • Apple;
    • Amazon;
    • Facebook;
    • Berkshire Hathaway;
    • Johnson & Johnson;
    • Visa;
    • Mastercard;
    • Walt Disney;
    • Coca Cola;
    • McDonald’s;
    • Nike;
    • Colgate;
    • Twitter.

    Como pode ser observado, todas essas são grandes empresas de atuação global e que estão presentes na vida de bilhões de pessoas. Esse tipo de companhia não é possível de encontrada na bolsa brasileira.

    2. Reits

    Outro investimento bastante interessante e que tem atraído bastante a atenção de investidores brasileiros são os REITs (Real Estate Investment Trust), que funcionam de forma parecida com os Fundos Imobiliários brasileiros.

    Nesse sentido, os Reits são um tipo de investimento em empresas negociadas na bolsa que possuem atuação no setor imobiliário. Nesse sentido, é possível encontrar Real Estates, por exemplo, que investem em:

    • Lajes corporativas;
    • Centro de dados;
    • Campos de golf;
    • Residências;
    • Hospitais;
    • Florestas;
    • Indústrias;
    • Cassinos;
    • Hotel.

    Então, os REITs compram imóveis como esses citados acima e os alugam para diversos inquilinos, assim como também acontece nos FIIs. A principal diferença é que esse tipo de investimento no exterior permite alavancagem. Ou seja, as empresas podem pegar empréstimos para adquirir novos imóveis, o que não é permitido nos FIIs brasileiros.

    Essa permissão de alavancagem aumenta os potenciais de ganho de um REIT. Afinal, é possível pegar uma dívida a 3% ao ano e conseguir um Cap Rate de 6% ao alugar o imóvel adquirido com o empréstimo, por exemplo.

    Além disso, outro destaque dos Real Estate Investment Trust é a necessidade de distribuição de 90% do lucro líquido aos acionistas. E é justamente por conta dessa regra que os REITs se tornam excelentes pagadores de dividendos, e o melhor: em dólar.

    Por isso, diversos investidores que procuram gerar renda passiva buscam investir nos Real Estates americanos. Afinal, essa é uma excelente maneira de conseguir uma renda em dólar em um tipo de investimento que foi extremamente rentável ao longo do tempo, tendo superado até mesmo o retorno do S&P 500.

    3. ETFs (Exchange Traded Funds)

    Outra excelente opção de investimento no exterior são os Exchange Traded Funds, os quais inclusive já mencionamos neste artigo como uma opção de investir no exterior diretamente do Brasil. Contudo, ao investir de uma corretora americana, o investidor tem acesso a uma centena de diferentes ETFs que não estão disponíveis na B3.

    Vale destacar que alguns desses ETFs podem fazer muito sentido em uma carteira de investimentos. Por isso, vale a pena considerar esse tipo de investimento no exterior.

    Alguns dos principais ETFs negociados na bolsa americana são:

    1. VOO

    O VOO é um Exchange Traded Fund disponível para investir no exterior que é administrado por uma das maiores gestoras americanas, a Vanguard.

    Destaca-se que esse ETF tem o objetivo de replicar o desempenho das 500 maiores empresas americanas em valor de mercado. Ou seja, aquelas listadas no S&P 500.

    A grande vantagem de investir nesse ETF nos EUA ao invés de investir no ETF do S&P aqui no Brasil (IVVB11 ou SPXI11) é a taxa de administração. Nesse sentido, enquanto esse encargo é de 0,24% aqui, no VOO essa taxa é de 0,04%.

    Por fim, o valor unitário desse ETF americano está na faixa dos 300 dólares.

    2. VNQ

    Outro ETF disponível para investimento no exterior é o VNQ. Também administrado pela Vanguard, esse ETF busca replicar o índice de REITs (Real Estate Investment Trusts) dos Estados Unidos, que são ativos imobiliários americanos.

    Nesse sentido, o VNQ pode ser uma excelente opção para aqueles que procuram diversificar seu patrimônio investido nos Reits. Por fim, o valor unitário desse ETF ronda a casa dos 100 dólares.

    3. NOBL

    Em terceiro lugar está o NOBL, outro grande ETF americano administrado pela gestora ProShares. Esse ETF possui o objetivo de refletir o desempenho do índice Dividends Aristocrats, que é o índice que reflete a performance das companhias americanas que elevaram a distribuição de dividendos em todos os últimos 25 anos.

    Vale ressaltar que, atualmente, apenas cerca de 50 empresas são englobadas nesse critério e que fazem parte do NOBL. Além disso, todas essas companhias possuem peso igual dentro do ETF e do índice.

    Por fim, destaca-se que a taxa de administração desse ETF é de 0,35% e que suas cotas são negociadas abaixo dos 100 dólares.

    4. URTH

    Por último, está o ETF URTH, que é administrado pela gestora iShares. Esse ETF busca replicar o desempenho do índice MSCI World. Sendo que esse índice reflete, por sua vez, a performance das maiores companhias de capital aberto do mundo dos países desenvolvidos.

    Por isso, esse ETF é uma excelente opção para aqueles que buscam realizar uma diversificação geográfica dos seus investimentos. Afinal, o URTH está diretamente ligado à empresas das maiores companhias do mundo de diversos países, como França, Reino Unido, Japão, EUA, Canadá e China.

    Vale a pena investir no exterior?

    Vale a pena investir no exterior?

    Como pôde ser observado ao longo deste artigo, o investimento no exterior possui uma série de vantagens que fazem sentido para qualquer investidor.  Mas será que vale a pena investir no exterior?

    Como vimos, investir fora gera maior diversificação para os investimentos, reduzindo eventuais risco. Afinal, dessa forma o investidor fica menos refém da economia do seu próprio país.

    Além disso, investir fora também pode possibilitar até mesmo maiores ganhos financeiros em relação aos investimentos no Brasil. Afinal, o investidor pode ganhar de dois lados: na valorização do ativo estrangeiro e na apreciação do dólar. Isso é fundamental, visto que historicamente o dólar, a moeda mais forte do mundo, se valorizou em relação ao real.

    Por fim, outra grande vantagem de investir fora do país é a possibilidade de investir em excelentes empresas que possuem atuação global e que, muitas vezes, são de setores que sequer temos empresas na B3, como o setor de entretenimento e de tecnologia.

    Conclusão sobre investimento no exterior

    Dificilmente podemos afirmar que determinado investimento vale a pena ou não. Afinal, isso depende do tipo de perfil do investidor e de uma série de análises profundas com relação a um ativo.

    Contudo, ao contrário dos outros investimentos, é possível dizer que investir no exterior é algo que vale a pena para todo mundo. Afinal, a diversificação geográfica é algo fundamental para qualquer um.

    Além disso, por conta do histórico de apreciação do dólar em relação ao real, realizar investimentos fora se torna válido para todos. Assim, os investidores conseguem se proteger de eventuais depreciações e crises do Real.

    E então, conseguiu entender melhor sobre como investir no exterior? Deixe abaixo as suas dúvidas e comentários sobre o artigo.

    Perguntas Frequentes sobre como Investir no Exterior
    Como investir no exterior?

    Para investir no exterior, o investidor possui quatro principais opções. A melhor delas é abrir conta em uma corretora fora do país. Além disso, é possível investir no exterior através de fundos de investimentos, ETFs (Exchange Traded Funds) e BDRs (Brazilian Depositary Receipts).

    O que é investimento internacional?

    O investimento internacional é quando um investidor aplica seu dinheiro em investimentos fora do seu país. Por exemplo, um brasileiro que compra ações de empresas americanas está realizando um investimento internacional.

    Onde comprar ações de empresas americanas?

    O investidor possui duas formas de comprar ações de empresas americanas. A primeira delas é abrindo conta no exterior e comprando as ações diretamente na bolsa dos Estados Unidos. A segunda forma é comprando BDRs (Brazilian Depositary Receipts), na própria bolsa brasileira.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *