Acesso Rápido

    Radar do Mercado: Oi (OIBR3) consegue aprovação de aditamento referente ao plano de recuperação judicial

    A reestruturação da Oi prevê a segregação de suas áreas em unidades de negócio para posterior alienação. No fim do processo, a Oi será uma empresa de infraestrutura, prestando serviços para companhias de telecomunicações. Seu maior ativo será, então, a rede de fibra ótica.

    Apesar das divergências – que se prolongaram durante aproximadamente 12 horas com os bancos –, a companhia conseguiu angariar o apoio necessário para iniciar uma reestruturação ampla de seus negócios. A partir dela, a empresa deixará o setor de telefonia e internet móveis, passando a atuar como uma empresa de infraestrutura de fibra ótica.

    Com a mudança do plano, que estava vigente desde 2017, a empresa viabiliza a venda de ativos, como redes móveis, torres, data centers e parte da rede de fibra ótica, levantando mais de R$ 22 bilhões.

    E-book: Investindo em Dividendos

    Baixe gratuitamente o nosso ebook e descubra como viver de renda investindo em empresas pagadores de dividendos!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    O dinheiro será usado para fazer o pagamento antecipado de dívidas, com cortes dos valores na faixa de 50% a 55%, além de sustentar os investimentos futuros.

    O principal ativo são as redes móveis, que já receberam proposta de R$ 16,5 bilhões do consórcio formado pelas companhias Vivo, Claro e Tim. Elas pretendem dividir entre si as redes e os clientes da Oi.

    Caso a venda se concretize, a Oi pretende reduzir endividamentos e encerrar sua recuperação judicial em maio de 2022.

    A Oi pretende se tornar uma empresa focada em fibra ótica, prestando serviços de banda larga ao público em geral e oferecendo suas redes de forma neutra às demais operadoras de 4G e 5G.

    A Oi tem a maior rede de fibra do Brasil e uma das maiores do mundo, com 388 mil quilômetros de cobertura, e deseja levar a rede para 32 milhões de clientes até 2024.

    Tags
    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    2 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Cirilo 10 de setembro de 2020

      Já estou começando a acreditar que a Oi vai conseguir sair dessa, hein?!

      Responder
      • Suno Research 11 de setembro de 2020

        Olá, Cirilo! Tudo bem?
        Estamos todos curiosos para saber como essa história vai terminar.
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder