Acesso Rápido

    Radar do Mercado: EDP (ENBR3) divulga resultado trimestral e anual

    Radar do Mercado: EDP (ENBR3) divulga resultado trimestral e anual

    Nesta terça-feira, 21 de janeiro, a EDP (ENBR3) divulgou seus resultados do quarto trimestre e do ano de 2019. Os primeiros resultados são relativos à distribuição, que foram positivos no cenário trimestral e anual, com aumentos de 1,7% e 2,3%, respectivamente.

    Conforme notificado, apesar da contração industrial, o resultado positivo se deu pela estabilidade econômica proveniente dos baixos níveis de inflação e taxa de juros. O aumento também foi impulsionado pelo maior número de dias médios faturados e pelas condições climáticas.

    Ao analisar a divisão do consumo por classe, observa-se que os setores comercial, industrial e residencial representam a maioria do consumo, conforme mostrado a seguir.

    Em São Paulo, houve aumento no volume de energia distribuída, de 2,7% no trimestre, alavancado por esses três setores de maior contribuição. Já o resultado anual também foi positivo, com avanço de 1,6%.

    Por outro lado, no Espírito Santo, o resultado trimestral foi estável, com contribuições positivas nos setores residencial, comercial e rural, balanceados pelo resultado negativo para a classe industrial. Assim como em São Paulo, o resultado anual também foi positivo, com avanço de 3,5%.

    A análise dos resultados no que tange à geração de energia revela substancial aumento na participação das usinas hídricas, conforme apresentado a seguir.

    De acordo com o documento, o aumento percebido se deve às estratégias da companhia, de gestão integrada de portfólio da geração e da comercialização. Com isso, foi possível o aumento de acordos bilaterais com a comercializadora, estratégia de sazonalização, hedge e gestão de caixa.

    No que diz respeito à geração térmica, a disponibilidade média da usina foi de 95,2%, acima da Disponibilidade de Referência de 83,75%. A imagem a seguir mostra como foi a distribuição da disponibilidade das unidades.

    Por fim, os resultados da comercialização foram negativos, com queda de 5,4% no trimestre e 22,1% no ano. A situação se explica, conforme o comunicado, pelo aumento do risco de crédito associado aos eventos que marcaram o mercado ao longo do ano, em conjunto com a maior volatilidade dos preços. No trimestre, a explicação vem da postergação atípica do período úmido e das estratégias de gestão propostas.

    Tags
    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    1 comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Júlio Côrtes 22 de janeiro de 2020

      Tenho muito a agradecer a todos da Suno, em especial ao Tiago, sem evidentemente, não desmerecer o quadro da equipe por um todo. De fato, muita colaboração tem-se observado nos ensinamentos do mercado financeiro como um todo, bem como as respectivas notícias que nos traz auxiliando nas tomadas de decisões. Mais uma vez obrigado.

      Responder