Acesso Rápido

    Investimento Global: saiba como investir em empresas do mundo todo

    Investimento Global: saiba como investir em empresas do mundo todo

    Em períodos de apreciação do dólar norte-americano e de maior inflação doméstica, muitos investidores procuram fazer um investimento global. Afinal, dessa forma é possível se expor a moedas fortes e se proteger de pressões inflacionárias.

    Mas o que seria e como fazer, de fato, um investimento global? Será que é realmente tão simples assim realizar aportes em ativos fora do país e conseguir atingir uma diversificação geográfica na carteira de investimentos?

    O que é um investimento global?

    O investimento global é todo aquele que se expõe ao mercado internacional, com ativos no exterior, gerando uma diversificação geográfica na carteira. Dessa forma, esse investidor é capaz de reduzir sua exposição ao risco doméstico do seu país.

    No caso do mercado brasileiro, não há como deixar de dizer que o investidor que aloca recursos no Brasil está correndo riscos mais elevados. Afinal de contas, o país conta com um cenário político e econômico historicamente bastante incerto e instável.

    Nesse sentido, os investidores brasileiros estão acostumados com diversos eventos e cenários que acabam, de algum modo ou de outro, afetando seus investimentos, como:

    • Inflação elevada;
    • Incerteza jurídica;
    • Escândalos de corrupção;
    • Trocas constantes de poder;
    • Mudanças em políticas fiscais constantes;
    • Aumentos expressivos da taxa básica de juros.

    Todos esses eventos históricos do país fazem com que o investimento na economia brasileira seja considerada mais arriscada em relação a de outros países, como dos Estados Unidos. Neste país, por exemplo, a maior liberdade econômica faz com que os eventos políticos tenham menor impacto nas atividades das empresas — ao contrário do Brasil.

    Levando isso em conta, muitos investidores passam a considerar manter investimentos no exterior. Dessa forma, não só há uma maior diversificação, mas também uma segurança e proteção mais elevada com o patrimônio construído.

    A boa notícia é que atualmente ficou muito mais fácil se tornar um investidor global e ter investimentos internacionais. Com isso, mesmo aqueles com poucos recursos financeiros já conseguem se expor a ativos no exterior, nos tipos de investimentos globais.

    Tipos de investimento global

    investimento global

    Sabendo da possibilidade de mesmo com poucos recursos manter investimentos fora do país, muitos investidores ficam com uma dúvida importante. Isto é, mas quais seriam os principais tipos de investimento global disponíveis no mercado.

    Vale destacar, nesse sentido, que a maior parte dos produtos de investimentos no exterior também existem no Brasil. O que difere, obviamente, é a exposição ao mercado de cada país.

    Para compreender melhor, abaixo as principais opções de investimento no exterior para o investidor global:

    Stocks

    A primeira forma de ter um investimento global é por meio das chamadas “stocks”, nome em inglês para as ações de empresas. Ou seja, assim como é possível comprar papéis de companhias na bolsa brasileira, a B3 (Brasil, Bolsa, Balcão), também é possível adquirir fora do país ações de empresas estrangeiras.

    Para isso, o investidor deve acessar alguma bolsa de fora do país, como a NASDAQ ou a NYSE (Bolsa de Nova York). Nela, diversas empresas norte-americanas, europeias e asiáticas possuem capital aberto, dando a chance de qualquer investidor se tornar sócio.

    Entre essas empresas estão, por exemplo:

    • Coca Cola Company;
    • Apple;
    • Disney;
    • Berkshire Hathaway;
    • Alibaba;
    • Microsoft;
    • Bank of America.

    Sendo sócio dessas empresas estrangeiras, o investidor é capaz de diversificar seus investimentos em moedas internacionais. Afinal de contas, essas companhias possuem receita e auferem resultados majoritariamente em dólar. É por isto também que a distribuição de dividendos ocorre na moeda norte-americana.

    Reits

    Além das stocks, outra forma de investir em ativos internacionais e de ter um investimento global é por meio dos Reits (Real Estate Investment Trust). Sendo conhecido como os “primos” dos fundos imobiliários, eles permitem o acesso do investidor ao mercado imobiliário norte-americano.

    Isso porque os Reits são empresas imobiliárias, possuindo diversos tipos de imóveis nos Estados Unidos, como:

    • Shoppings centers;
    • Galpões logísticos;
    • Campos de golf;
    • Hotéis e resorts;
    • Cemitérios;
    • Lajes corporativas;
    • Reservas florestais;
    • Data centers.

    Possuindo essas propriedades, os Reits alugam os imóveis para terceiros e auferem renda imobiliária nessa atividade. E com o resultado obtido, distribuem os dividendos para seus acionistas, como para alguém que faz investimento global.

    ETFs (Exchange Traded Funds)

    Outra forma de possuir um investimento global é por meio dos ETFs (Exchange Traded Funds). Basicamente, essa é uma forma mais simples e prática do investidor se expor a ativos internacionais.

    Isso porque os ETFs funcionam como fundos de investimento com gestão passiva. Ou seja, o investidor adquire cotas de um ativo que possui uma metodologia pré-estabelecida de investimento. Por exemplo, investir nas 500 maiores empresas com capital aberto nos EUA.

    A grande vantagem desse tipo de investimento internacional é que o investidor não precisa se preocupar em acompanhar individualmente seus ativos. Afinal, a carteira de investimentos dos ETFs internacionais costuma ser bastante diversificada e o próprio gestor do fundo se encarrega de ajustar as posições do fundo em relação à metodologia de investimento.

    Alguns dos principais ETFs internacionais e suas metodologias de investimento são:

    • VNQ: investe nos principais Reits do mercado imobiliário;
    • QQQ: investe nos ativos do índice Nasdaq 100, das empresas de tecnologia;
    • DVY: investe em ativos com alto índice de distribuição de dividendos;
    • MCHI: investe em ativos do mercado acionário chinês.

    BDRs

    Por fim, há uma última alternativa para aqueles que desejam fazer um investimento global, que é por meio dos BDRs (Brazilian Depositary Receipt). Esta é uma forma, inclusive, mais simples de iniciar os investimentos internacionais.

    Isso porque os BDRs são como recibos de empresas do mercado internacional que são negociados na bolsa brasileira, na B3. Por isso, o investidor de BDRs não precisa abrir conta no exterior e acessar às bolsas de valores norte-americanas para conseguir realizar seus investimentos globais.

    Afinal de contas, será possível adquirir, em reais e através desses recibos, uma espécie de ação dessas empresas estrangeiras. A desvantagem, contudo, é que existem algumas taxas, como retenção de 5% dos dividendos, e também uma limitação do número de ativos disponíveis em forma de BDR.

    Como fazer investimentos internacionais?

    investimento global

    Depois de conhecer as opções de investimento no exterior, o investidor global pode se questionar como fazer os investimentos internacionais. Ou seja, sobre como, na prática, conseguir investir neste tipo de ativo.

    Abaixo, portanto, o passo a passo de como fazer investimentos internacionais diretamente no exterior e se tornar um verdadeiro investidor internacional:

    Abrir conta em uma corretora americana

    O primeiro passo para se tornar um investidor global é abrir conta em uma corretora americana. Isso porque de uma corretora dos Estados Unidos o investidor terá um acesso mais fácil e completo às mais diversas opções de investimentos do exterior.

    Apesar de parecer algo complicado, é preciso ressaltar que a abertura de conta em corretoras nos EUA pode ser inclusive mais simples do que em empresas do Brasil. O procedimento costuma ser rápido e é totalmente online e gratuito.

    Além disso, destaca-se ainda que existem diversas corretoras que oferecem uma plataforma de investimentos criada para o público brasileiro. Assim, o investidor terá uma interface completa no português, o que facilita ainda mais a abertura da conta e a gestão dos ativos.

    Fazer a remessa dos recursos

    Depois de abrir a conta na corretora, o próximo passo para se tornar um investidor global é fazer a remessa dos recursos para o exterior. Em outras palavras, será preciso transformar o dinheiro em real para dólar norte-americano.

    Para isso, o investidor poderá utilizar a plataforma própria da corretora de conversão de moeda, ou então alguma plataforma terceirizada de remessa internacional. Neste procedimento, as taxas e os spreads são bem menores em comparação com as casas de câmbio e bancos comerciais.

    Investir e aguardar

    Por fim, depois de abrir conta fora do país, de fazer a remessa dos recursos, o último passo é finalmente investir nos ativos desejados e aguardar. Afinal de contas, o verdadeiro resultado do investimento global virá com inexorável passar do tempo e com os efeitos dos juros compostos.

    E então, conseguiu entender melhor o que é e como fazer um investimento global? Deixe abaixo suas dúvidas e comentários sobre esse assunto.

    Alberto Amparo
    Compartilhe sua opinião
    1 comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Rafael Ferreira de Lima 13 de outubro de 2021

      Sou iniciante mas quero indicações de uma carteira com 40% de ações internacionais, 30% de ações nacionais, 15% fundos imobiliários e manter 15% do meu patrimônio em caixa ou em algum investimento que eu possa utilizar o dinheiro para uma possível emergência sem ficar no prejuízo.

      Responder