Veja quais foram as small caps que mais desvalorizaram em julho

Veja quais foram as small caps que mais desvalorizaram em julho
Algumas small caps ainda sentem o impacto da pandemia de covid-19 e caíram forte em julho

Em julho, o principal índice acionário da bolsa brasileira, o Ibovespa, enquanto as ações listadas no SMLL, índice que replica a carteira teórica de small caps da B3, registrou um alta de 9,5%, impulsionado pelas expectativas de retomada da economia e pela liquidez decorrente da taxa Selic a 2,5% ao ano.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Mas, nem tudo são rosas. Não foram todas as empresas de menor capitalização de mercado que performaram bem no período e nem todas as small caps conseguiram retornar ao seu patamar pré-pandemia.

Mais, a crise do novo coronavírus aliada às preocupações dos investidores quanto ao resultados dessas companhias colocaram suas papéis para um nível ainda mais baixo do que o registrado do mês anterior.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Segundo o analista da SUNO Research, Rodrigo Weinberg, os destaque fica com a AES Tietê (TIET11), em virtude de o mercado não ter gostado de que “a Eneva (ENEV3) acabou perdendo a disputa para comprar a participação do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social] e as ações da geradora haviam se valorizado por essa razão. Agora, a AES Corp. passou a controlar de fato a AES Tiete”.

Nesse sentido, salientando que esta matéria não é uma recomendação de investimento, veja quais foram as small caps que mais se desvalorizam em julho.

Dommo Energia

A primeira que aparece no ranking é a Dommo Energia (DMMO11), antiga OGX do empresário brasileiro Eike Batista. A companhia do setor de exploração de petróleo atua nos campos de Tubarão Martelo e de Tubarão Azul, além de possuir operações na Bacia de Santos.

O fundador da EBX chegou a ser um o homem mais rico do Brasil e o sétimo mais rico do mundo. O executivo, no entanto, foi acusado de manipular o mercado de capitais no caso de sua empresa petrolífera. Batista enganou os investidores sobre a capacidade de operação da OGX, estimada na época em “de bilhões de barris de petróleo potencialmente extraíveis em poços, ainda em fase de perfuração (…) de áreas do pré-sal localizadas na Bacia de Campos e de Santos”.

A fraude, todavia, foi descoberta e as ações da companhia, que chegou a ser mais negociada do que a Petrobras (PETR4) e Vale (VALE3), foram parar na casa dos R$ 0,20. A OGX, então, mudou para Dommo Energia após um processo de recuperação judicial. Mais recentemente, a companhia vem acumulando quedas após realizar um grupamento de ações.

Cotada na base de centavos, a Dommo Energia registrou a maior queda no mês de julho, de 14,6%.

Grupo SBF

O Grupo SBF (CNTO3), dono das lojas Centauro, não teve resultado muito diferente. Embora a varejista já tenha recuperado parte de seu valor de mercado, a empresa ainda enfrenta um ambiente árido com as medidas de isolamento social e de restrição à circulação.

A companhia apresentou lucro líquido de R$ 8,1 milhões no primeiro trimestre deste anorevertendo o prejuízo de R$ 4,1 milhões registrado no primeiro trimestre de 2019.

Apesar disso, as ações da companhia, que chegaram a negociar suas ações acima dos R$ 50,00, estão cotadas a R$ 30,48. E, em julho, a controladora da Centauro anotou uma forte queda de 11%.

Tecnisa

Se por um lado a Tecnisa (TCSA3) se cravou como a empresa com maior valorização entre as small caps no mês de junho, hoje a situação já é bem diferente para a companhia do mercado imobiliário.

Uma das primeiras construtoras a abrir capital na bolsa de valores de São Paulo, a empresa iniciou suas atividades por meio de seu escritório de engenharia por mais de uma década e é conhecida por ter vencido diversos prêmios de atendimento ao cliente.

Fortemente afetada pela crise do novo coronavírus, a Tecnisa parecia estar em caminho de retomada e de recuperação de parte de sua valor. Contudo, julho foi duro para a empresa, que registrou uma baixa significativa de 9,4%.

BK Brasil

Como a Tecnisa, o BK Brasil (BKBR3) também estava presente na lista de junho, porém do outro lado da moeda. O máster-franqueado da Burger King apresentou uma das cinco maiores desvalorizações entre as small caps pela segunda vez consecutiva.

A rede de restaurantes vem enfrentando problemas com a pandemia do novo coronavírus, que obrigou a companhia a fechar temporariamente cerca de 60% de seus restaurantes. Além disso, com muitas localizadas em shoppings o BK Brasil sofreu com a ainda mais suspensão das atividades.

Apesar dos sinais de estabilização da epidemia no Brasil e de medidas de flexibilização da quarentena, a empresa continuo em forte queda em julho, desvalorizando 7,9%.

Copasa

Desde o final de maio até o fim de junho, a Companhia de Saneamento de Minas Gerais, Copasa, (CSMG3) vinha mostrando uma forte alta, acompanhando as expectativas com a aprovação do novo marco legal do saneamento básico.

Em julho, no entanto, a bonança da empresa mineira do segmento de água e saneamento encontrou seu fim. As ações da estatal, que chegaram a valer R$ 62,45 no seu pico em junho, caíram forte no mês passado, para R$ 54,55. Com isso, ainda que em quinto lugar, a Copasa entrou na lista de maiores desvalorizações entre as small caps, registrando uma queda acumulada de 6,3% em julho.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião