Vamos Locação: JSL decide cancelar IPO da locadora

A controladora JSL decidiu cancelar a oferta pública inicial de ações (IPO) da Vamos Locação. A operação foi cancelada depois que os bancos coordenadores analisaram não haver demanda suficiente para o preço que a locadora pedia. As informações foram apuradas pelo “Valor”.

A precificação da Vamos na B3 (Brasil, Bolsa, Balcão) estava prevista para a noite desta segunda-feira (29). Entretanto, com o posicionamento das instituições financeiras, a JSL não aceitou ajustar o preço e decidiu cancelar o IPO.

A demanda alcançou as previsões da Vamos na sexta-feira (26), chegando a R$1,2 bilhão. Contudo, com muitas ordens de varejo, que foram reduzidas em seguida.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Assets locais foram as principais fontes de pressão sobre o valor, uma vez que estavam cautelosas com o desempenho da JSL e Movida. O resultado apresentado pelas empresas do mesmo grupo não atingiram a previsão e causaram receio sobre a Vamos.

Vamos na B3

O código correspondente que a empresa seria negociada na B3 era “VAMO3”. A expectativa da venda de ações da companhia pertencente ao grupo JSL era de alcançar até R$ 1,1 bilhão. O período de reserva dos investidores foi do dia 16 de abril até esta sexta-feira (26). 

Seria dedicado 10% das ações no Initial Public Offering (IPO) a investidores no varejo. Esses deveriam possuir de R$ 3 mil a R$ 1 milhão. A definição do preço da ação seria definida nesta segunda. Contudo, a previsão feita pela Vamos Locação estava entre R$ 17 e R$ 21. O preço médio era de R$ 19.

Ainda que a expectativa fosse alcançar R$ 1,1 bilhão, somente R$ 350 milhões ficariam com a empresa. Outra parte dos recursos seriam utilizados para pagar dividendos aos próprios acionistas. Além disso, outra parte seria destinada à JSL.

Vamos Locação: saiba mais sobre a próxima brasileira a realizar IPO

A locadora tinha potencial em alcançar na bolsa R$ 2,6 bilhões, contanto que, a ação ultrapassasse a faixa indicativa.

Atualmente, a JSL tem participação de 100% na empresa, após o IPO, sua participação seria reduzida até 50,01%, mas o comando ainda seria dela.

IPO da Vamos

O Bradesco BBI era o coordenador-líder, mas outras setes instituições coordenariam a oferta pública, como:

  • BTG Pactual (BPAC11);
  • Banco Santander (SANB3);
  • BofA Merrill Lynch;
  • BB Investimentos;
  • Caixa Econômica Federal (CEF);
  • XP Investimentos;
  • Credit Suisse;
  • e Banco J. Safra.

A oferta teria distribuições primária e secundária de 52,85 milhões de ações ordinárias. O montante equivale a 42,8% de seu capital social. Do total;

  • 26,76 milhões seriam novas ações;
  • e 26,086 milhões pertencem à JSL.

As ações ordinárias de emissão da Vamos serão negociadas no segmento de listagem do Novo Mercado da B3.

Saiba mais – IPO: cinco empresas que podem abrir seu capital na B3 em 2019

Beatriz Oliveira

Compartilhe sua opinião