AGENDA

Telefônica Brasil (VIVT3) aprova pagamento de R$ 630 mi em JCP

Telefônica Brasil (VIVT3) aprova pagamento de R$ 630 mi em JCP
Vivo. Foto: Reprodução Facebook

O conselho de administração da Telefônica Brasil (VIVT3), dona da Vivo, aprovou em reunião nesta quinta-feira (17) o pagamento de juros sobre capital próprio (JCP) no montante bruto de R$ 630 milhões. O valor bruto por ação será de R$ 0,37390025008.

Com a retenção de imposto de renda na fonte, à alíquota de 15%, a cifra total cairá para R$ 535,5 milhões, enquanto o valor por papel da Telefônica Brasil ficará em R$ 0,31781521257.

O crédito será realizado de forma individualizada a cada acionista, com base na posição acionária em 30 de junho, a data-corte. A partir de julho, as ações serão consideradas “ex-juros”.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O pagamento do provento será efetuado até 31 de julho de 2022. A data ainda será definida pela diretoria da Telefônica Brasil.

ProventoData da DeclaraçãoPosição acionáriaValor Bruto por AçãoIR Retido na Fonte (15%)Valor Líquido por Ação
Juros Sobre Capital Próprio17/06/202130/06/20210,373900250080,056085037510,31781521257

Os valores poderão sofrer ajustes até 30 de junho, em razão de eventuais aquisições de ações no âmbito do programa de recompra em curso.

Os juros serão imputados ao dividendo mínimo obrigatório do exercício social de 2021.

Acionistas imunes ou isentos do imposto de renda deverão fazer prova da condição até o dia 5 de julho deste ano junto ao Departamento de Ações e Custódia do Banco Bradesco.

Fitch reafirma rating ‘AAA(bra)’ para Telefônica Brasil

Na semana passada, a agência de classificação de risco Fitch Ratings reafirmou o rating de escala nacional em longo prazo para a Telefônica Brasil em “AAA(bra)”, com perspectiva estável.

A nota de crédito reflete o “modelo de negócio sólido” da companhia, sustentado pela posição de liderança no mercado brasileiro e o perfil financeiro conservador, com liquidez robusta.

A agência espera que a Telefônica Brasil continue tendo forte desempenho operacional nos próximos três anos, em meio ao avanço da base pós-paga e do serviço de internet banda larga.

(Com Estadão Conteúdo)

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião