Com aporte do Softbank, startup Gabriel compra plataforma que alerta sobre crimes em tempo real

A Gabriel, startup de segurança que recebeu aporte de R$ 66 milhões liderado pelo Softbank em outubro, anunciou sua primeira aquisição (com valor não divulgado): a Retina Vision, uma plataforma que ensina câmeras de segurança a ler placas, detectar veículos furtados e transmitir alertas em tempo real.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

O sistema de inteligência artificial começa a ser implementado nas capitais paulista e carioca ao longo do primeiro semestre, sem custo adicional para os clientes da Gabriel. O bairro do Leblon, no Rio de Janeiro, será o primeiro a receber a novidade. A plataforma da Retina, desenvolvida por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), foi testada em nove estados brasileiros, com acurácia de 98%.

Compatível com mais de 6 mil tipos de câmeras de segurança, usa técnicas de deep learning e identifica os caracteres individualmente, e não a partir de padrões sequenciais. A tecnologia permite cruzar informações coletadas com bancos de dados de automóveis roubados para identificar delitos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Gabriel já auxiliou a polícia em mais de 340 investigações

A sinergia tecnológica e de equipe motivaram a compra, de acordo com o CEO e fundador da Gabriel, Erick Coser. “A Retina Vision tem um time muito eficiente e compatível com o nosso, enquanto busca resolver as mesmas dores que nós”, afirma. Segundo ele, a arquitetura de software utilizada pela empresa se assemelha ao da startup, reduzindo os custos e facilitando a implementação.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Ao identificar a ocorrência de um crime, a Gabriel compartilha rapidamente as imagens com as autoridades policiais. A infraestrutura de monitoramento da startup já auxiliou a polícia em mais de 340 investigações, ajudando a inocentar pessoas e a deter assaltantes em série, golpistas de cartão de crédito e quadrilhas especializadas em invasão de condomínio.

A aquisição é a primeira de uma sequência de operações desse tipo prevista pela empresa. Segundo Coser, após o investimento do Softbank e da chegada a São Paulo, a startup vai priorizar a expansão dos negócios em frentes variadas, ao longo de 2022. “Para este ano, queremos escalar nossas operações, ampliando o número de câmeras e de bairros em que atuamos. Além disso, vamos fortalecer ainda mais nosso time de tecnologia”, diz.

Com Estadão Conteúdo

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2021/09/960x136-1-1.png

Bruno Galvão

Compartilhe sua opinião