Siderúrgicas afundam; entenda a queda de Gerdau, CSN e Usiminas

Siderúrgicas afundam; entenda a queda de Gerdau, CSN e Usiminas
Minério de ferro (Foto: Reprodução)

As ações de companhias de siderurgia, incluindo Gerdau (GGBR4), CSN (CSNA3) e Usiminas (USIM5) derreteram no pregão desta terça-feira (19) com o recuo do preço do minério de ferro no exterior como pano de fundo para uma correção após a forte alta nas sessão anteriores.

Hoje os papéis da Gerdau caíram quase 3% na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), a R$ 25,67. A sessão foi ainda mais dura com as ações da CSN e da Usiminas, que lideraram as baixas do Ibovespa afundando 5,71% e 4,71%, respectivamente, para R$ 33,04 e R$ 14,35.

O movimento acompanha a queda no preço do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian, na China. No pregão, os futuros de referência do minério de ferro recuaram 0,52%, para 1.051 iuanes (aproximadamente US$ 157,65 na cotação atual do dólar) por tonelada.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Para o analista da consultoria CRU em Pequim, Richard Lu, a baixa nas margens de aço nos últimos dias “deve motivar algumas siderúrgicas de maior custo a realizar manutenções e consequentemente reduzir o consumo de minério de ferro”, disse à Reuters.

Gerdau, CSN e Usiminas entre as maiores baixas do Ibovespa

  • CSNA3 -5,71% / R$ 33,04
  • USIM5 -4,71% / R$ 14,35
  • HAPV3 -3,12% / R$ 17,37
  • GGBR4 -2,95% / R$ 25,67
  • WEGE3 -2,83% / R$ 89,60

Novo ciclo de alta das commodities?

Nas últimas semanas, os preços da commodities disparam nas bolsas mundiais, impulsionados pela esperança de retomada do ritmo da economia global e por fortes compras vindas da China. E o minério de ferro não escapou da boa onda.

Ebook Gratuito
Baixe agora nosso
Guia de Investimentos para 2021
Confira gratuitamente quais são nossas perspectivas para o ano.

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

Para os analistas do Credit Suisse, o produto deve manter uma média de US$ 130 por tolenada em 2021 (frente à anterior estimativa de US$ 105), de US$ 110 em 2022 (US$ 83) e de US$ 85 em 2023 (US$ 63).

Luis Sales, estrategista-chefe da Guide, afirmou ao Valor Econômico que enxerga hoje um reflexo de “cansaço em relação às últimas altas, principalmente nas ações de commodities”, que incluem os papéis da Gerdau, CSN e Usiminas. Nesse sentido, para o especialista “parece ser mais uma realização em commodities e bancos, o que acabou pesando no índice e traz sentimento geral um pouco negativo”, salientou ao jornal.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião