Serviços operam 7,1% abaixo do pico de novembro, segundo dados do IBGE

Serviços operam 7,1% abaixo do pico de novembro, segundo dados do IBGE
O índice de difusão, que mostra o porcentual de serviços com crescimento em relação ao mesmo mês do ano anterior, passou de 76,5% - Foto: Pixabay

O setor de serviços vem mostrando recuperação nos últimos meses, mas ainda operava em agosto 7,1% abaixo do ponto mais alto registrado em novembro de 2014, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (14).

Os dados de serviços do IBGE integram a Pesquisa Mensal de Serviços da instituição.

Os Serviços prestados às famílias estavam 27,1% abaixo do pico de outubro de 2013, enquanto os serviços de informação e comunicação operavam no patamar mais elevado da série histórica.

Já os profissionais, administrativos e complementares estavam 20,6% abaixo do ápice de junho de 2013, e os Transportes funcionavam 6,4% aquém do pico de fevereiro de 2014.

O segmento de “Outros” estava 3,4% abaixo do auge de agosto de 2011.

Serviços acumulam ganho de 6,5% em cinco meses de avanços

O avanço de 0,5% na passagem de julho para agosto fez o setor acumular um ganho de 6,5% em cinco meses seguidos de crescimento, segundo os dados da Pesquisa Mensal.

Com o resultado, o setor opera 4,6% acima do nível pré-pandemia, de fevereiro de 2020, e alcança o patamar mais elevado desde novembro de 2015.

Quatro das cinco atividades têm alta em agosto ante julho, diz IBGE

Quatro das cinco atividades de serviços registraram avanços na passagem de julho para agosto, segundo os mesmos dados do IBGE.

Na média global, o volume subiu 0,5% em agosto ante julho.

As expansões ocorreram em informação e comunicação (1,2%), transportes (1,1%), serviços prestados às famílias (4,1%) e outros serviços (1,5%).

O único resultado negativo foi o de profissionais, administrativos e complementares (-0,4%).

Comparação interanual

Todas as cinco atividades do setor registraram avanços em agosto de 2021 em relação a agosto de 2020, segundo o IBGE. O volume do setor de serviços teve uma alta de 16,7%, o sexto resultado positivo consecutivo.

O destaque foi o avanço no setor de transportes, auxiliares aos transportes e correio (19,6%). O segundo maior impacto foi o dos de informação e comunicação (13,6%), seguido pelos profissionais, administrativos e complementares (12,7%).

Os demais avanços ocorreram nos serviços prestados às famílias (42,2%) e em outros serviços (11,7%).

Difusão

O índice de difusão – que mostra o porcentual de serviços com crescimento em relação ao mesmo mês do ano anterior – passou de 76,5% em julho para 80,7% em agosto.

Com informações do Estadão Conteúdo

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Comece 2022 investindo nos melhores FIIS

Baixar agora!