Renegociações de dívidas com estados podem gerar impacto de R$ 166 bi

Renegociações de dívidas com estados podem gerar impacto de R$ 166 bi

As renegociações de dívidas entre estados e a União podem gerar um impacto de R$ 166 bilhões. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (28) pelo Tesouro Nacional.

O montante contempla as renegociações realizadas ainda pelo governo Temer, entre 2016 e 2018, além do ingresso de outros estados em recuperação fiscal, como o Rio de Janeiro.

Saiba mais: Dívida pública pode alcançar R$ 4,3 trilhões em 2019, diz Tesouro Nacional

Uma nova renúncia fiscal de R$ 95 bilhões está prevista para os anos de 2019 a 2022. Em consequência, a dívida pública pode crescer ou subir em igual proporção.

O calculo feito pelo o Tesouro Nacional também considera as mudanças na lei complementar 148, que alterou o indexador das dívidas estaduais de IGP (Índice Geral de Preços) para IPCA (Inflação Acumulada Atual).

Recentemente, Minas Gerais e Rio Grande do Sul conseguiram, por meio de liminar, que  a União honrasse os empréstimos concedidos aos estados sem contrapartidas (como a retenção do Fundo de Participação dos Estados).

Além disso, o Tesouro Nacional informa que levou em consideração também a possibilidade de Minas Gerais e Rio Grande do Sul entrarem no regime de recuperação fiscal. Assim, essas unidades federativas podem ser isentadas de pagar as dívidas com a União por até três anos.

“Esses estados (MG e RS) têm de apresentar esse plano de ajuste (para ingressar no regime de recuperação fiscal). Minas Gerais está construindo esse plano de ajuste e deve trazer a proposta em fevereiro. A partir daí, tem período de negociação. Rio Grande do Sul possivelmente em algum momento vai apresentar o plano deles”, declarou o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida.

Saiba mais – BC: Em 2018, Brasil recebeu US$ 88,3 bi em investimentos estrangeiros

Mansueto acrescentou ainda que por mais que outros estados, como Goiás, Roraima, Rio Grande do Norte e Mato Grosso, decretem calamidade financeira, eles terão que pagar as dívidas. “Não muda em nada obrigações dos estados com o Tesouro Nacional“, afirmou Mansueto.

Nesta segunda-feira (28) o Tesouro Nacional também divulgou o valor máximo da dívida pública do Brasil. De acordo com órgão, a dívida pode alcançar R$4,3 trilhões em 2019. As renegociações devem gerar impactos na dívida pública nos próximos anos.

Renan Dantas

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO