Raízen (RAIZ4) tem queda de 48% no lucro do 4º trimestre do ano-safra

Raízen (RAIZ4) tem queda de 48% no lucro do 4º trimestre do ano-safra
Raízen - Foto: Divulgação

A Raízen (RAIZ4) teve lucro líquido ajustado de R$ 209,7 milhões em seu quarto trimestre fiscal, o que representa uma queda de 48% do lucro na comparação com o mesmo período do ano safra 2021-2020.

O lucro da Raízen ficou abaixo da estimativa do mercado, compilado pela Refinitv, de R$ 708,2 milhões no período.

Por sua vez, a receita líquida da Raízen totalizou R$ 53,4 bilhões, avanço de 50,1% na comparação anual.

O Ebtida ajustado (lucro antes de juros impostos, depreciação e amortização) somou R$ 1,7 bilhão queda de 30,2% ante  R$ 2,5 bilhões no mesmo período do ano anterior. A empresa espera atingir Ebtida na faixa de R$ 13 a R$ 14 bilhões durante o ano safra 2022/23, iniciado em abril.

A projeção, que é superior aos R$ 10,7 bilhões reportados no ano anterior, é embasada no “aumento dos volumes de venda de todos os produtos”, além de preços melhores para etanol, bioenergia e açúcar.

A Raízen encerrou o trimestre com uma dívida líquida de R$ 13,8 bilhões (-2,4%).  A alavancagem fechou o trimestre em 1,3 vezes a relação “Dívida Líquida/EBITDA dos últimos 12 meses”.

A posição de caixa e equivalentes de caixa alcançou R$ 8,3 bilhões no trimestre, além da disponibilidade de US$ 1 bilhão em linha de crédito rotativa com sindicato de bancos.

Os investimentos da Raízen previstos para o período devem ficar entre 10,5 e 12 bilhões de reais. A maior parte deste valor, cerca de R$ 9 bilhões, deve ser alocado em sua divisão de renováveis e açúcar.

É válido lembrar que a empresa atua em um ecossistema integrado com três segmentos:

  • Renováveis: produção, comercialização, originação e trading de etanol (1G e 2G) e  comercialização, trading e geração de
    bioenergia de fontes renováveis (biomassa, biogás, solar e pequenas centrais hidroelétricas).
  • Açúcar: produção, comercialização, originação e trading de açúcar.
  • Marketing & Serviços: comercialização e distribuição de combustíveis e lubrificantes, operação de mercados de conveniência
    e proximidade no Brasil e refino e distribuição de combustíveis, lubrificantes & especialidades na Argentina e Paraguai.

Última cotação da Raízen

Na última sessão, sexta-feira (13), a Raízen encerrou o pregão em forte queda de 3,90%, negociada a R$ 5,17.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO