AGENDA

Radar: Banco do Brasil (BBAS3) e Itaúsa (ITSA4) divulgam alta no lucro e pagam dividendos; Unidas (LCAM3) anuncia aquisição

Radar: Banco do Brasil (BBAS3) e Itaúsa (ITSA4) divulgam alta no lucro e pagam dividendos; Unidas (LCAM3) anuncia aquisição
Banco do Brasil (BBAS3). Foto: Marcelo Camargo Agência Brasil

O lucro líquido ajustado do Banco do Brasil (BBAS3) somou R$ 5,1 bilhões no terceiro trimestre desse ano, um incremento de 47,6% em relação ao ganho apurado no mesmo período no ano passado.

Já o lucro contábil do Banco do Brasil totalizou R$ 4,6 bilhões, com alta anualizada de 49,4%. O resultado ficou 9,07% acima das estimativas de cinco casas (BTG Pactual, Bank of American, Bradesco BBI, Citi e Safra) consultadas pelo Prévias Broadcast. No acumulado dos nove meses de 2021, o lucro líquido ajustado do Banco do Brasil somou R$ 15,1 bilhões, expansão de 48% ante o mesmo período do ano passado.

O Retorno sobre Patrimônio Líquido Anualizado (ROE) encerrou o período em 14,3%. O Índice de Basileia atingiu 19,34%, sendo 13,17% de capital principal.

As receitas de prestação de serviços registraram crescimento de 2,2% em relação a 2020, chegando a R$ 7,4 bilhões no trimestre.

Já a A carteira de crédito ampliada da estatal alcançou R$ 814,2 bilhões em setembro, uma evolução de 6,2% na comparação com junho e 11,4% comparado ao mesmo período do ano anterior.

Além do balanço do Banco do Brasil, veja outras empresas que ficaram no radar nessa segunda-feira:

Banco do Brasil (BBAS3) distribuirá R$ 1,1 bilhão em JCP

  • O Banco do Brasil (BBAS3) aprovou a distribuição de R$ 1,1 bilhão em  de Juros sobre Capital Próprio (JCP). O valor unitário será de R$ 0,39.
  • O JCP do Banco do Brasil será pago no dia 30 de novembro.
  • Serão considerados para o recebimento do valor os investidores com ações do BB até o final do pregão do dia 22.
  • A partir do dia seguinte, 23, as ações serão negociadas como “ex-JCP”.
  • Haverá retenção de imposto de renda na fonte a alíquota de 15% sobre o valor nominal de acordo com a legislação vigente.

Itaúsa (ITSA4) lucra R$ 2,3 bilhões no 3T21, alta de 32%

  • A Itaúsa (ITSA4) divulgou nesta segunda-feira (8) os resultados obtidos no terceiro trimestre de 2021. O lucro líquido alcançou R$ 2,7 bilhões no período, alta de 32%
  • O lucro líquido recorrente foi de R$ 2,7 bilhões, avanço de 35%.
  • O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) sobre o PL Médio atingiu 18% no acumulado do ano, aumento de 9,7 pontos porcentuais na comparação anual. O ROE recorrente, por sua vez, foi de 17,7%, crescimento de 6,5 pontos porcentuais.
  • O ativo total da holding somou R$ 70,712 bilhões no trimestre, 21,8% superior ao do mesmo período do ano passado. O patrimônio líquido fechou setembro em R$ 62,6 bilhões, 14,9% maior do que em igual intervalo de 2020.
  • O setor financeiro teve desempenho total de R$ 2,6 bilhões, avanço de 40% em relação ao terceiro trimestre de 2020. O setor não financeiro da Itaúsa somou R$ 167 milhões, alta de 13% em relação ao mesmo período do ano anterior.
  • A companhia registrou crescimento de 1.584% no endividamento líquido em seu balanço patrimonial, atingindo R$ 4,024 bilhões.
  • O resultado financeiro foi de R$ 73 milhões de despesas, aumento de R$ 70 milhões em comparação ao terceiro trimestre do ano passado.
  • Segundo a Itaúsa, o valor se justifica, principalmente, em razão “das novas debêntures emitidas para financiar as aquisições de participação acionária na Copa Energia e na Aegea Saneamento, além de maiores despesas com juros em decorrência da maior taxa básica de juros no período, parcialmente compensado pela maior rentabilidade do caixa”.
  • As despesas administrativas totalizaram R$ 37 milhões no terceiro trimestre, crescimento de 12% em relação ao mesmo período do ano anterior, principalmente em função de despesas relacionadas à campanha institucional de posicionamento da marca Itaúsa ocorrida no período.

Itaúsa (ITSA4) substitui dividendos por JCP

  • A Itaúsa (ITSA4) aprovou o pagamento de JCP complementares, no valor de R$ 0,15472 por ação.
  • Esses Juros sobre Capital Próprio da Itaúsa serão pagos até o dia 29 de abril de 2020 ao valor de R$ 0,131512 por ação, após a retenção de 15% de imposto de renda na fonte.
  • Apenas os investidores que tiverem uma ou mais ações da Itaúsa ao final do pregão de 23 de novembro deste ano terão direito de receber os proventos.
  • O conselho da holding também decidiu pagar, nos dias 3 de janeiro e 1 de abril de 2022, R$ 0,0235295 por ação em JCP, em substituição aos dividendos dos terceiro e quarto trimestre desse ano. O valor líquido desses juros sobre o capital próprio é R$ 0,02 por papel.
  • Os investidores que receberão os proventos no dia 3 de janeiro são aqueles que forem acionistas da Itaúsa ao final do dia 30 de novembro deste ano.
  • Já os que receberão o JCP a ser pago em abril são aqueles que tiverem papéis ao final do próximo dia 13 de dezembro.

Petrobras (PETR4) investe R$ 26 bilhões em contratos no RJ

  • A Petrobras (PETR4) firmou contratos no total de R$ 26 bilhões com mais de 2,6 mil empresas no estado do Rio de Janeiro.
  • Além disso, 70% dos seus investimentos em pesquisa e desenvolvimento são realizados no Estado.
  • Em comunicado, a empresa destacou que em 2020 investiu R$ 42 milhões em projetos socioambientais.
  • Em Itaboraí, está sendo construído o Projeto Integrado Rota 3, que disponibilizará mais uma rota de escoamento para o gás natural do pré-sal.
  • Este projeto contempla a construção de uma Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) no Polo GasLub, com capacidade de processar até 21 milhões de m³ por dia, e a construção de um gasoduto de 355 km de extensão interligando as unidades de produção do pré-sal até a UPGN.
  • A rota é formada por 307 km de trecho marítimo, já construídos, e 48 km de trecho terrestre.
  • Atualmente a Petrobras já dispõe das Rotas 1 e 2, respectivamente, em Caraguatatuba (SP) e Macaé (RJ) para escoar o gás produzido nos campos marítimos.

Porto Seguro (PSSA3) e Cosan (CSAN3) criam joint venture de mobilidade

  • A Cosan (CSAN3) e a Porto Seguro Serviços, controlada da Porto Seguro (PSSA3), fecharam nesta segunda-feira (8) um acordo de associação de investimento para constituir uma joint venture que atuará em soluções de mobilidade.
  • A joint venture se chamará Mobitech e promete oferecer serviços como modelos de assinatura de veículo e gestão de frotas para empresas. O capital social da nova companhia será detido em iguais participações de 50% pela Cosan e pela Porto Seguro.
  • A associação entre as duas empresas será efetivada com um aporte de capital na Mobitech pela Cosan, por meio de sua estrutura de fundos de investimentos, no valor de aproximadamente R$ 300 milhões, além da contribuição, pela Porto Seguro, do negócio Carro Fácil.
  • Em fato relevante arquivado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Cosan explicou que também serão constituídos acordos operacionais e comerciais entre a Mobitech e as empresas e parceiros dos ecossistemas de ambos os sócios.
  • A joint venture contará com estrutura de gestão independente e governança corporativa própria.

3tentos (TTEN3) lucra R$ 97,9 milhões no 3T21, alta de 1,4%

  • O lucro líquido da 3tentos (TTEN3) no terceiro trimestre deste ano somou R$ 97,9 milhões, valor 1,4% maior do que o ganho de R$ 96,613 milhões apurado um ano antes.
  • No acumulado do ano até o final de setembro, o lucro da 3tentos alcançou 263,2 milhões, um incremento de 56,2% em comparação com o mesmo período do ano passado.
  • O Ebitda (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da companhia somou R$ 147,6 milhões no trimestre, alta de 33,1% na comparação anual.
  • Contudo, a margem Ebitda ajustada caiu 4,5 pontos percentuais, para 8,5%.
  • Já a receita da companhia no penúltimo trimestre do ano chegou a R$ 1,729 bilhão, o que representa uma alta de 102,6% em comparação com a receita de R$ 853,626 milhões anotada no terceiro trimestre de 2020.

Bradespar (BRAP4) vai pagar R$ 2,3 bilhões em dividendos; veja os valores por ação

  • A Bradespar (BRAP4) fará o pagamento de dividendos no valor total de R$ 2,3 bilhões, com o valor unitário de R$ 5,4 por ação ordinária e R$ 6,04 por ação preferencial.
  • A aprovação dos dividendos segue a proposta feita no dia 29 de outubro.
  • Terão direito de recebimento dos dividendos da Bradespar os investidores donos de ações da companhia até o fechamento do pregão do dia 16 de dezembro.
  • A partir do dia seguinte, 17, os papéis da empresa serão negociados como “ex-dividendos”.
  • O pagamento está previsto para acontecer no dia 29 do mesmo mês, não havendo retenção de Imposto de Renda na Fonte.
  • O montante total a ser distribuído pela companhia foi apurado com base no balanço do Bradespar levantado no dia 30 de junho deste ano, e refere-se à antecipação da destinação do resultado do exercício de 2021.

Unidas (LCAM3) compra Sofit, companhia de sistemas para gestão de frotas

  • A Unidas (LCAM3) comprou, por meio de sua subsidiária Agile, a Sofit, empresa que atua com sistemas online para gestão de frotas. O valor da operação não foi revelado.
  • De acordo com a Unidas, a aquisição reforça o foco da companhia em colocar o cliente no centro da sua estratégia, agora com a entrega de soluções de gestão de frotas, seja para veículos alugados ou não.
  • A Sofit atua com sistemas online para gestão de frotas, comercializando tecnologia de ponta e adaptada para atender variados processos de operações de frotas no Brasil. No mercado há mais de 10 anos, a Sofit possui uma carteira com mais de 500 clientes, com frotas de até 3.000 veículos.
  • A aquisição será implementada, pela Agile, com ações representativas de 100% do capital social da Sofit, e será paga pela Agile, sendo uma parcela em dinheiro e outra mediante a entrega de ações da companhia de titularidade da Agile — portanto, sem qualquer diluição de acionistas da Unidas.

Braskem (BRKM5) fecha parceria para dois projetos internacionais focados em sustentabilidade

  • A Braskem (BRKM5) assinou um memorando de entendimento com a Lummus Technology para o licenciamento conjunto da tecnologia de eteno verde (conversão de etanol em eteno) de dois projetos em diferentes regiões do mundo.
  • O primeiro projeto em parceria com a Lummus Technology está em desenvolvimento na América do Norte e o segundo, em análise na Tailândia.
  • Em paralelo as empresas estão discutindo um acordo de longo prazo para que a Lummus licencie a tecnologia de eteno verde da Braskem como forma de acelerar o uso de matérias primas renováveis pelo setor químico em todo o mundo.
  • A petroquímica destaca que a medida estaria “contribuindo para o combate às mudanças climáticas através da conversão do carbono capturado da atmosfera em plástico.

Direcional (DIRR3) avança 65,2% no lucro do 3T21, com aumento de vendas

  • A Direcional (DIRR3) anotou lucro líquido de R$ 47,184 milhões, o que equivale a uma alta de 65,2% ante igual período do ano passado.
  • O lucro da Direcional foi o maior patamar desde o fim de 2014. A melhora nos resultados é reflexo da expansão dos lançamentos e das vendas ao longo dos últimos trimestres, com diluição de custos.
  • A companhia destacou que tem mantido a disciplina na parte operacional, bem como a política de elevação no preço final dos imóveis para compensar o aumento nos custos de construção – fatores que ajudaram a sustentar as margens.
  • Também pesou favoravelmente a diversificação no mix de projetos, com maior participação de empreendimentos da Riva, braço de negócios voltado ao segmento de média renda, complementando a atividade da Direcional, mais focada na Casa Verde e Amarela (CVA).
  • O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado somou R$ 100,666 milhões, avanço de 36,3% na mesma base de comparação anual. A margem do Ebitda ajustado subiu 2,5 pontos porcentuais, para 22,2%. A margem bruta oscilou 0,2 ponto porcentual para cima, chegando a 35,8%.
  • A receita líquida totalizou R$ 453,362 milhões, crescimento de 20,7%.
  • O resultado financeiro gerou uma despesa de R$ 19,676 milhões, piora de 148,5%. Essa piora veio das duas elevações do CDI no período, passando de 4,25% para 6,25% ao ano, o que impactou a remuneração do caixa e as despesas financeiras. Outro fator que pesou foram os desdobramentos relacionados aos swaps para proteção da flutuação do IPCA.
  • A dívida líquida da Direcional foi a R$ 266,238 milhões no fim do terceiro trimestre de 2021, crescimento de 14 vezes em relação a um ano antes, quando era de apenas R$ 18,6 milhões. A alavancagem (medida pela relação entre dívida líquida e patrimônio líquido) nesse período subiu de 1,3% para 19,6%. A incorporadora encerrou o trimestre com R$ 934,763 milhões em caixa, queda de 14,5% na comparação anual.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião

Comece 2022 investindo nos melhores Fundos Imobiliários

Baixar agora!