PROVENTOS

Patrocinado por:

Pix já foi utilizado por 73% dos usuários de smartphones, aponta pesquisa

Pix já foi utilizado por 73% dos usuários de smartphones, aponta pesquisa
Foto: Agência Brasil

Em cinco meses de operação, o Pix já foi utilizado por 73% dos brasileiros que possuem smartphone, superando a popularidade do pagamento por aproximação. Os dados são da pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box.

Na distribuição por faixa etária, os jovens predominam, considerando que são 78% dos que possuem entre 16 e 29 anos que já usaram o método de pagamento. Contudo, o Pix teve aderência de 55% nas pessoas com 50 anos ou mais.

O método de pagamento é mais popular dentre os usuários de iOS (89%) ante os usuários de Android (72%), juntamente com uma maior predominância de utilização nas classes A e B (81%) em face das classes C, D e E (71%).

Sob a perspectiva empresarial, o método deve sanar um gargalo deixado pelo boleto bancário. Atualmente, quem não possui cartão de crédito tende a comprar via boleto, que possui um tempo de liquidação de dois dias úteis.

Com o boleto gerado, o produto fica reservado no estoque. Contudo, caso o comprador deixe o boleto vencer e desista da compra, o lojista perde tempo e dinheiro.

Pix terá nova funcionalidade e deve rivalizar com cartão de crédito

No fim de abril, o Banco Central aprovou uma mudança no Pix, permitindo o pagamento com vencimentos. A funcionalidade deve estar disponível já no próximo dia 14 de maio, permitindo as cobranças com vencimento futuro.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O novo regramento “estabelece que as instituições participantes do Pix, que não conseguirem proporcionar a experiência completa de pagamento (leitura do QR Code e pagamento em data futura) no período de 14 de maio a 30 de junho, terão que, no mínimo, possibilitar a leitura e o pagamento na data da leitura do QR Code, com todos os encargos e abatimentos calculados corretamente”, diz a nota do BC.

Após a mudança, com a possibilidade de postergar a cobrança por parte do usuário, há um maior potencial do Pix nos próximos meses, com indicativo de uma aderência ainda maior por parte dos usuários.

“A tendência, portanto, é que a participação do Pix nas compras do mobile-commerce (m-commerce) aumente de maneira significativa na próxima edição desta pesquisa, rivalizando com o cartão de crédito”, diz a pesquisa da Panorama Mobile Time/Opinion Box.

M-commerce cresce na pandemia, puxado por aderência ao cashback

O documento, de 21 páginas, também demonstra que um a cada quatro brasileiros com um smartphone já contrataram um empréstimo por aplicativo. Além disso, 15% do mesmo montante já contratou um seguro na mesma modalidade.

Isso reflete a alta do m-commerce, mercado via dispositivos móveis, que cresceu durante a pandemia de covid-19, responsável pela aceleração de processos de digitalização.

“Foi constatado na presente edição e na anterior o forte impacto da pandemia, que levou muita gente a experimentar pela primeira vez as compras via app. Essa é uma tendência irreversível, em razão da digitalização dos comerciantes e da sociedade como um todo”, diz o documento.

A funcionalidade preferida do brasileiro dentro dessa modalidade é o cashback, mencionado por praticamente a metade (49%) dos usuários de m-commerce. Há seis meses, o recurso era citado por 42% dos usuários.

Atrás do cashback, as funcionalidades mais importantes em um app de m-commerce são:

  1. Compra online com retirada na loja física – 40%
  2. Pagamento simplificado em “um clique” – 35%
  3. Recomendações personalizadas: 34%
  4. Atendimento por bate-papo online: 31%
  5. Integração com apps bancários: 29%
  6. Navegação gratuita: 28%
  7. Captura dos dados do cartão pela câmera: 12%

Os dados, desde a aderência do Pix ao comportamento do m-commerce, levam em consideração uma análise de 2.028 brasileiros que possuem smartphone, entrevistados pela Panorama Mobile/Opinion Box entre 10 e 19 de março. A  pesquisa tem validade estatística, com margem de erro de 2,2 pontos percentuais e grau de confiança de 95%.

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião