Petróleo dispara após reunião da Opep+; Brent se aproxima de US$ 70

Os preços do petróleo dispararam após a reunião da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, grupo chamado de Opep+. O cartel manteve sua política de cortes de produção até abril, com algumas exceções, mesmo com a forte valorização da commodity nas últimas semanas.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Analistas esperavam que a Opep+ elevasse o patamar de cortes para conter os preços do petróleo, dado o crescimento da demanda mundial após as reaberturas das economias. Com isso, a posição prudente — mas não excessiva — da organização elevou os ânimos do mercado.

Por volta das 9h desta sexta-feira (5), o barril de petróleo Brent era negociado a US$ 68,57, com uma alta de 2,74%, no maior patamar desde o início de 2020. Em 21 de abril do ano passado, o barril era cotado a US$ 19, agora se aproxima de US$ 70 — patamar que não atinge desde maio de 2019.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Já o West Texas Intermediate (WTI), produzido na principal região petrolífera dos Estados Unidos, sobe 2,54%, para US$ 65,48, negociando no maior patamar dos últimos 14 meses.

A reunião da Opep+ durou menos de três horas, mesmo com a expectativa por novos entraves entre Arábia Saudita e Rússia.

Os sauditas mantiveram a redução voluntária e adicional de um milhão de barris diários no mês que vem. Já os russos, por conta de questões sazonais, foram autorizados a aumentarem a produção diária em 150 mil barris. O mesmo serve para o Cazaquistão.

Alta do petróleo justifica mudança na Petrobras, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, na última quarta-feira (3), que o preço do petróleo no mercado internacional poderia subir nas próximas semanas. Esse fato, para ele, reforça a necessidade de troca do comando da Petrobras (PETR4).

A alta da cotação da commodity pressiona ainda mais o preço dos combustíveis no Brasil. Na esteira da guinada dos preços no mercado internacional nos últimos meses, a Petrobras estabeleceu o aumento dos combustíveis no País, o que culminou na interferência e demissão do presidente Roberto Castello Branco.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/Lead-Magnet-1420x240-4.png

“Falei sobre petróleo e eles acham que o preço ainda não está muito adequado, pode ser que tenhamos uma alta no petróleo nas próximas semanas. Isso complica pra gente e reforça nosso interesse em efetivamente mudar o presidente da Petrobras”, afirmou Bolsonaro.

Na teleconferência dos resultados do quarto trimestre do ano passado, Castello Branco disse que é “surpreendente” que ainda se discuta a paridade de preços com o mercado internacional no Brasil.

O mandatário salientou, contudo, que isso não se trata de uma interferência na empresa, mas que a Petrobras pode trabalhar em conjunto com outros órgãos em medidas de combate a cartéis e adulteração de combustíveis, além da  diversificação do mercado de refino de petróleo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião