Petróleo acumula alta de 5,6% na semana, com oferta reduzida e dólar fraco

O petróleo avançou nesta sexta-feira (29) e acumulou ganhos no acumulado desta semana. A commodity foi beneficiada pela perspectiva de oferta global apertada, após relatos de que a Organização de Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) produziu menos que o esperado em junho.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/1420x240-Banner-Home.png

Além disso, o enfraquecimento do dólar ante a maioria de seus pares globais e dados fortes de consumo dos EUA também apoiaram os contratos.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do petróleo WTI para setembro fechou em alta de 2,28% (US$ 2,20) hoje e 4,14% na semana, a US$ 98,62.

O barril de petróleo Brent subiu 2,10% (US$ 2,14) nesta sexta e acumulou ganho semanal de 5,68% na Intercontinental Exchange (ICE), a US$ 103,97.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Planilha-controle-de-gastos.png

A alta do petróleo de hoje chegou a bater 5% em Nova York, com o WTI voltando ao patamar de US$ 100 por barril pela primeira vez desde a semana passada, movido pela alta de 1,1% nos gastos com consumo e de 0,6% na renda pessoal de americanos em junho, número que sugeriu demanda ainda forte nos EUA, apesar do aumento recente de juros pelo Federal Reserve (Fed).

Os principais drivers do dia, no entanto, foram o enfraquecimento do dólar ante moedas rivais como o iene e o euro, além de preocupações quanto à oferta global da commodity energética.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Segundo a agência de notícias russa Interfax, com base em fonte, os países integrantes da Opep+ produziram 2,84 milhões de barris por dia (bpd) a menos do que o planejado para o mês de junho.

“Sem grandes sinais de destruição da demanda por combustível” e com o mercado persistentemente apertado, “o petróleo parece que em breve encontrará um lar acima da marca de US$ 100 o barril”, prevê Edward Moya, analista da Oanda, em comentário enviado a clientes.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Ainda no noticiário do setor, a Rússia e a Arábia Saudita disseram estar comprometidas com a estabilidade do mercado da commodity, segundo comunicado do governo russo.

O presidente da França, Emmanuel Macron, pretende ainda pressionar o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman sobre a produção de petróleo do país.

(Com informações do Estadão Conteúdo)

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Victória Anhesini

Compartilhe sua opinião

Receba atualizações diárias sobre o mercado diretamente no seu celular

WhatsApp Suno