Semana do ESG

Petrobras (PETR4): turbulência política pode impactar ainda mais as ações da companhia?

Petrobras (PETR4): turbulência política pode impactar ainda mais as ações da companhia?
Petrobras. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Maior empresa em valor de mercado na Bolsa de Valores brasileira, a Petrobras (PETR4) sempre viu suas ações com espaço garantido na carteira de investidores. No primeiro trimestre de 2022, a companhia obteve lucro líquido recorde de R$ 44,5 bilhões. Mas a turbulência política derrubou papéis da Petrobras nos últimos dias. As ações chegaram a cair 6% em um só pregão no Ibovespa e acumulam baixa de 12% em junho. O mês agitado no noticiário e nos bastidores da empresa incluiu mais uma troca de CEOs, renúncia de presidente, pressão contra o reajuste de preços dos combustíveis, com ameaça de interferência do Executivo, propostas para aumentar taxação sobre lucros e a tentativa de instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a companhia.

Mas, com resultados como o lucro recorde do 1T22, a estatal mantém um histórico de boa pagadora de dividendos. Levantamento feito por Einar Rivero, da Economatica, feito com as 25 empresas do setor de petróleo com valor de mercado superior a US$ 10 bilhões e ações listadas em Bolsas da América Latina e EUA ou com ADR (American Depositary Receipts) em Nova York, mostra que a Petrobras é a líder na remuneração do investidor. O chamado “dividend yield” da ação preferencial da Petrobras em 12 meses chega a 40,97%.

“É uma ação extremamente barata olhando qualquer métrica de ‘valuation’, incluindo múltiplos históricos e pares internacionais”, diz o head de renda variável da AF, Leandro Saliba.

Se a companhia brasileira distribui um bom patamar de proventos e está barata na Bolsa, por que, então, o mercado parece receoso com as ações? A resposta é o risco político. A política de preços mantida pela Petrobras, vinculada à variação do barril de petróleo no mercado internacional, entrou na mira do presidente Jair Bolsonaro e de aliados no Congresso, que acusam a empresa de ter lucros exorbitantes às custas de seguidos reajustes de preços dos combustíveis.

A empresa caminha para ter o seu quarto presidente desde o início do atual governo, e há um movimento para mudar a composição da diretoria e do conselho de administração para o governo ter influência na definição dos preços.

PETR4: desempenho nos últimos 30 dias. Gráfico: Status Invest

Apesar da questão política, Petrobras está subindo 12% no ano, enquanto o Ibovespa cai 6%

“Mesmo com toda essa questão política que está acontecendo agora, no ano a Petrobras está subindo 12%, enquanto o Ibovespa está caindo 6%. Mas tem de acompanhar muito a eleição e o risco de mudar a gestão da empresa”, diz Saliba.

Para Heitor de Nicola, assessor de renda variável da Acqua Vero, antes de comprar Petrobras o investidor precisa analisar o cenário tentando separar o que é apenas ruído daquilo que pode, efetivamente, alterar o rumo da empresa.

“Se, de fato, for decidida uma mudança na política de preços, isso alteraria a tese de investimentos da empresa. Mas apenas esse ruído político no fim do dia não muda o que a Petrobras faz e tem planejado para os próximos anos. E, portanto, não altera a tese do investidor.” A Acqua Vero é um escritório do BTG Pactual, onde a recomendação para Petrobras segue neutra.

Mas há quem veja o cenário com mais otimismo. Na Ativa Investimentos, o analista Ilan Arbetman explica que, dado o nível de preços atual das ações da companhia e as perspectivas de uma continuidade na alta do petróleo no mercado exterior, valeria a pena montar posições na Petrobras.

Na Warren, a recomendação também é de compra, visto que, por mais que a discussão política tenha impactos, a companhia deve seguir com bons resultados. E, inclusive, tem margens para o caso de alguma das medidas do governo ser aprovada. “Por exemplo, caso alterem a CSLL e a empresa tenha a tributação dobrada. Sairia de 9% para 18%, o que teria um impacto de cerca de US$ 2 bilhões nos dividendos pagos pela Petrobras. Ainda assim, a empresa pagaria dividendos de dois dígitos”, destaca Frederico Nobre, líder da área de análise da casa.

Com informações do Estadão Conteúdo

Marco Antônio Lopes

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO