Omega Energia (MEGA3) eleva participação em complexo eólico

Omega Energia (MEGA3) eleva participação em complexo eólico
Omega Geração - Foto: Pixabay

A Omega Energia (MEGA3) anunciou nesta segunda-feira (7) que assinou um acordo para adquirir a totalidade dos direitos e obrigações do complexo de geração eólica Assuruá, na Bahia.

Em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Omega Energia afirmou que vai aumentar a participação nos parques em implantação: Assuruá 4 (211,5 MW de potência) e Assuruá 5 (243,6 MW).

Além disso, vai realizar expansões do complexo, visando acrescentar mais 617,6 MW de capacidade instalada, com potencial de direito a 50% de desconto sobre tarifas de transmissão.

A operação será concretizada por meio da aquisição de debêntures conversíveis de emissão da Assuruá 4 (com conversibilidade equivalente a 20% do capital total) e da Assuruá 5 (conversibilidade equivalente a 40%), por pagamento em espécie de R$ 57.200.208.

Haverá, ainda, a incorporação da sociedade que será titular das debêntures remanescentes, em que serão emitidas mais 14.484.007 novas ações, atribuídas aos atuais debenturistas.

A Omega Energia também vai pagar quatro parcelas anuais de R$ 51,250 milhões, corrigidas pelo CDI, com a intenção de “fazer frente aos prêmios de desenvolvimento relativos aos projetos Assuruá 4, Assuruá 5 e todas as expansões”.

De acordo com a Omega Energia, os projetos Assuruá 4 e Assuruá 5 estão previstos para adicionar aproximadamente R$ 380 milhões ao Ebitda anual, a partir do momento em que estiverem totalmente operacionais, com expectativa para 2023.

Acionistas da Omega Energia aprovam fusão

Os acionistas da Omega Geração (OMGE3) aprovaram, em assembleia geral extraordinária (AGE), a proposta de incorporação da Omega Desenvolvimento que dará origem a uma nova empresa, a Omega Energia (OE).

De acordo o fato relevante, a relação de substituição negociada prevê que os acionistas da Omega Geração recebam 2,263126202252 novas ações ordinárias da Omega Energia para cada ação. Já os acionistas que não aprovaram a fusão possuíam o direito de se retirarem da companhia no prazo de 30 dias contados a partir da publicação da ata da AGE, 28 de janeiro.

Os acionistas que exercerem o direito de retirada da empresa receberão, a titulo de reembolso, o montante de R$ 19,562005009804 por ação, que corresponde ao valor patrimonial das ações da companhia, desconsideradas as ações em tesouraria.

A Omega Energia deve ser listada no Novo Mercado da B3 e pretende ultrapassar 4,5 mil MW em geração renovável operacional até dezembro de 2024. Após a fusão, a Omega geração passará a representar 81,51% e a Omega Desenvolvimento 18,49% da OE.

Cotação

As ações da Omega Energia fecharam o pregão de hoje em queda de 2,08%, cotadas a R$ 10,34.

Victória Anhesini

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO