ETF do Metaverso: composto por NFTs, NFTS11 será negociado na B3 (B3SA3)

Com a chegada do Metaverso, as corretoras já iniciam a corrida de ativos vinculados à realidade virtual, como o fundo da XP lançado no fim de janeiro.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

Dessa vez, a novidade é o ETF do Metaverso, lançado pela Investo e relativamente acessível – com R$ 100 de cota mínima.  O ETF é composto por criptomoedas que compõem o índice de mercado de criptomoedas do Metaverso, o MVIS CryptoCompare Media & Entertainment Leaders, administrado pela MV Index Solutions (MVIS).

O NFTS11 possui uma taxa de administração anual de 0,75%, tributado como um ETF de renda variável – ou seja, há pagamento de 15% sobre o ganho de capital na venda das cotas.

O produto ainda está em período de reserva e seguirá nesta situação até o dia 29 de março, quando será disponibilizado para os investidores da B3 (B3SA3).

“A Investo traz o NFTS11 ao mercado para ajudar o brasileiro que deseja investir no mercado de criptomoedas ligadas às NFTs, e fazer esse investimento de forma segura, com toda a transparência e segurança que um ETF permite. Dessa forma, o investidor brasileiro pode participar no potencial de investimento que as criptomoedas e as NFTs trazem, utilizando sua corretora de preferência, com um produto regulado pela CVM e Anbima. Ou seja, um produto que pode ser comprado e vendido com a segurança da negociação em Bolsa, como a B3”, explica Cauê Mançanares, CEO da Investo.

A Investo é primeira gestora independente e especializada em ETFs do Brasil. Mira especificamente as NFTs do universo digital, investindo nas principais criptomoedas do setor de mídia e entretenimento localizadas nas principais plataformas do Metaverso.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Entre as principais criptomoedas listadas no índice estão a Decentraland, The Sandbox, Axie Infinity Shards, Gala, Basic Attention Token, Chiliz e Enjin Coin.

“Vivemos em uma geração em que os mundos virtuais estão gerando uma riqueza para os usuários que passam cada vez mais tempo interagindo em plataformas digitais, e o brasileiro também merece participar dessa riqueza que é criada. É justamente isso que o NFTS11 possibilita – facilitar o investimento em ativos dos mundos virtuais, aproximando os investidores de um mundo com alto potencial”, afirma frisa o CEO.

As cotas possuem liquidez e negociação em bolsa, já que os ETFs são negociados na bolsa de valores, possuindo liquidez de bolsa (D+2) e a solidez do ambiente de negociação da B3.

Conheça também o ‘Fundo do Metaverso’

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião