KKR quer comprar Telecom Italia, dona da Tim (TIMS3), por US$ 12 bilhões

KKR quer comprar Telecom Italia, dona da Tim (TIMS3), por US$ 12 bilhões
Mercado irá digerir movimento de aquisição da detentora da Tim no pregão desta segunda (22), após as companhias ter alta com decisão do STF - Foto: Divulgação/ANSA

A KKR, fundo de private equity, fez uma proposta de € 10,79 bilhões (US$ 12,17 bilhões no câmbio atual) pela Telecom Italia, atual dona da Tim (TIMS3). Apesar da queda da bolsa de Milão, os papéis da companhia de telecomunicações sobem 27% na manhã desta segunda (22).

A proposta não vinculante pela dona da Tim foi feita no fim do domingo (21).

A oferta de compra representaria um prêmio de 45% para as ações da Telecom, em comparação com o fechamento da sexta (19), e incluiria a retirada dela das negociações na bolsa, fechando o capital.

O indicativo de interesse é condicionado a um período de quatro semanas de diligência nos números da empresa e ao aval de órgãos do governo italiano. A Telecom Italia está sujeita a poderes especiais do governo italiano, a fim de garantir a segurança nacional.

O UBS destaca que o governo do premiê Mario Draghi tem uma “cultura forte de mercado” e vê espaço para um acordo.

A KKR já possui 37,5% de participação na FiberCop, o que permitiria ao grupo investir em cobertura de fibra em áreas nas quais a Itália tem serviço limitado.

A francesa Vivendi, porém, tem 23,75% da Telecom Italia e poderia resistir ao negócio, advertem alguns analistas.

O fechamento da operação de compra fica condicionado a um período de “due diligence” (auditoria de um investimento para confirmar dados e registros financeiros) de quatro semanas e à aprovação do governo italiano, que tem poder de veto na compra.

O conselho de administração da companhia brasileira, contudo, ainda não deu nenhuma indicação se aprovaria a venda.

Ações da Tim subiram com STF

As ações da Tim, por sua vez, sobem 3,6% no acumulado dos últimos cinco pregões, no mesmo sentido do que as demais companhias de telecomunicações. Cada papel ordinário fica cotado a R$ 13,48 na bolsa brasileira.

Isso ocorre em decorrência de uma votação do Supremo Tribunal Federal (STF) que ruma para a diminuição do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para o setor. Você pode ler mais sobre o tema aqui.

No pregão desta segunda (22) o mercado deve digerir as novidades sobre a oferta feita pela KKR à detentora da Tim.

Com informações do Estadão Conteúdo

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO