Proventos bilionários

Itaúsa (ITSA4) e Votorantim compram fatia de 14,8% da CCR (CCRO3) por R$ 4,1 bilhões

Itaúsa (ITSA4) e Votorantim compram fatia de 14,8% da CCR (CCRO3) por R$ 4,1 bilhões
Foto: Di

A Itaúsa (ITSA4) informou nesta terça-feira (5) que assinou contrato em conjunto com a Votorantim para a aquisição da totalidade das ações da Andrade Gutierrez na CCR (CCRO3).

Em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Itaúsa detalhou que a Andrade Gutierrez possuía 300.149.836 ações da CCR, valor equivalente a 14,86% do seu capital social, totalizando um investimento de R$ 4,1 bilhões.

O oferta será de R$ 13,75 por ação, representando um prêmio de 5% sobre o preço de fechamento do mais recente pregão.

A Itaúsa vai adquirir, desse montante, 208.669.918 ações, ou seja, 10,33% do capital total, investimento de R$ 2,9 bilhões. “O investimento da Itaúsa será financiado por meio da combinação de recursos próprios e de terceiros, não sendo esperados efeitos relevantes da transação no resultado da Itaúsa neste exercício social“, diz a nota.

Assim como os demais acionistas controladores da CCR, a holding terá o direito de indicar o mesmo número de conselheiros de administração, assim como indicar um integrante para os comitês de Gente e ESG, Compliance e Riscos, Resultados e Finanças e Novos Negócios.

O fechamento do negócio está sujeito à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Por fim, a Itaúsa destaca que o investimento feito está atrelado aos fundamentos da estratégica de alocação eficiente de capital da companhia, “que considera empresas líderes em seus setores de atuação, a relação risco/retorno atrativa, o potencial de crescimento e impacto positivo para a sociedade, bem como parceiros estratégicos com experiência comprovada no setor de atuação e governança que permitirá à Itaúsa o exercício de influência e compartilhamento de melhores práticas ESG”, afirma a empresa, em nota.

Itaúsa (ITSA4) está descontada e pagará mais dividendos, diz UBS-BB

Em revisão de cenário recente, o UBS cortou o preço-alvo da Itaúsa (ITSA4) ao incorporar as novas mudanças que contemplam a participação na XP Inc, destacando uma visão ainda positiva para as ações da holding. O preço-alvo para os analistas agora é de R$ 12 – ante R$ 13 na revisão anterior.

O UBS ainda enxerga a compra de ações da Itaúsa como a melhor forma de o investidor ficar exposto ao Itaú (ITUB4), dado que a holding controla o banco.

“Continuamos a ver ITSA4 como a ‘melhor veículo’ para ganhar exposição ao Itaú Unibanco, já que a holding negocia com desconto de 23,8% em relação ao valor patrimonial líquido de ITUB4. Esse patamar fica acima da média dos últimos doze meses (22,7%) e dos últimos dez anos (21,9%)”, diz o UBS.

“Acreditamos que parte dessa dinâmica de descolamento da média em últimos meses foi causado pelas expectativas mais fracas sobre o potencial de dividendos para distribuição relativa ao Itaú (devido à posição de capital abaixo do esperado), a impacto negativo da alta Selic sobre as dívidas da Itaúsa (R$ 5,2 bilhões no 1T22, debêntures atreladas à taxa de política monetária) e maior diversificação com o possível aquisição de participação na CCR”, seguem os analistas.

Sobre os dividendos da Itaúsa, a casa segue com perspectiva positiva, enxergando uma possível alta do dividend yield (DY) ainda nese ano.

Com o desconto de quase 24% em relação ao Itaú Unibanco, a previsão é de alta nas ações – cotadas em atuais R$ 8,89 – e de maior pagamento de dividendos em relação ao seu controlado.

Cotações

A ação da Itaúsa fechou em alta de 0,12%, a R$ 8,26. No ano, acumula perdas de 8,43%. A CCR encerrou o dia em queda de 1,23%, a R$ 12,04, e no ano, sobe 5,24%.

Victória Anhesini

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO