Semana do Fiagro

Ibovespa se recupera e fecha em alta de 0,21%, aos 110.580 pontos; Petrobras (PETR4) cai 2,9%

Ibovespa se recupera e fecha em alta de 0,21%, aos 110.580 pontos; Petrobras (PETR4) cai 2,9%
Ibovespa hoje. foto: Pexels.

O Ibovespa virou o sinal após abrir e passar o dia em queda: na reta final do pregão, por volta das 16h40, passou para a trajetória de alta e fechou no positivo, com avanço de 0,21, aos 110.580 pontos. O principal índice da bolsa de valores lidou com a demissão do presidente da Petrobras (PETR4), com a prévia da inflação e a discussão em torno da alíquota do ICMS para energia, combustíveis e transportes.

A ação da Petrobras, empresa que corresponde a 6,86% do Ibovespa, despencou 2,9, negociada a R$ 31,60 com a demissão do presidente da companhia.

Na noite da segunda-feira (23) o presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, foi dispensado após permanecer apenas 40 dias no cargo. O governo de Jair Bolsonaro informou em nota publicada pelo Ministério de Minas e Energia que o executivo será substituído por Caio Mário Paes de Andrade.

Se aprovado, Paes de Andrade será o quarto presidente da Petrobras durante os 41 meses do governo Bolsonaro. Antes de Coelho, que assumiu o cargo em abril, passaram pela cadeira da estatal Roberto Castello Branco e o general Joaquim Silva e Luna. Castello Branco foi indicado para o cargo antes mesmo da posse de Bolsonaro.

Mas no mercado ainda pairam dúvidas sobre o possível novo presidente Paes de Andrade.

“No seu lugar assume Caio Mario Paes de Andrade, auxiliar de Paulo Guedes, mas sem experiência na área de óleo e gás. Será aceito pelo conselho? Atende a Lei das Estatais, na qual o presidente da petroleira precisa entender da área?”, analisou o relatório da Mirae Asset.

Além da demissão do presidente o governo quer mudar o conselho e a diretoria da estatal. A lógica é a seguinte: governo não pode mandar diretamente na decisão da empresa sobre os preços, mas pode mudar o conselho e o presidente, que mudam a diretoria.

Prévia da inflação

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) – considerado uma prévia da inflação oficial do país – ficou em 0,59% em maio, após ter registrado taxa de 1,73% em abril. As informações foram divulgadas nesta terça-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Apesar de ter desacelerado frente a abril, foi o maior índice para meses de maio desde 2016 (0,86%).

O resultado veio um pouco acima do esperado. A mediana das estimativas de 35 consultorias e instituições financeiras ouvidas pelo Valor Data era de 0,45%, com intervalo de 0,29% a 0,70%.

Câmara vota hoje no teto para ICMS

O projeto de lei que estabelece um teto de 17% para o ICMS de combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e transportes deve ser votada hoje na Câmara dos Deputados.

A redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviço (ICMS) é pauta de divergência entre o governo e os estados. Isso porque, os impactos desta medida podem ocorrer em duas frente: nos preços e na arrecadação. O mercado prevê o impacto é da ordem de R$ 15 bilhões ao ano apenas aos Municípios.

Maiores altas e baixas do Ibovespa hoje

  • PRIO3: 3,82% // R$ 27,08
  • RRRP3: 2,29%// R$ 44,82
  • EQTL3: 2,27% // R$ 23,87
  • TAEE11: 2,18% // R$ 41,78
  • ENG11: 1,96% // R$ 45,77

 

  • AZUL4: -7,19% // R$ 20,40
  • EMBR3: -7,09% // R$ 12,16
  • CVCB3: -6,78% // R$ 11,28
  • DXCO3: -5,77% // R$ 10,93
  • AMER3: -5,40% // R$ 22,76

Última cotação

Na última sessão, segunda-feira (23), o Ibovespa encerrou o pregão em alta de 1,71%, aos 110.345 mil pontos.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO