Ibovespa: ação do Méliuz (CASH3) dispara e lidera altas; entenda os motivos

Ibovespa: ação do Méliuz (CASH3) dispara e lidera altas; entenda os motivos
Méliuz. Foto: Reprodução Facebook

A ação do Méliuz (CASH3) disparou no pregão desta terça-feira (14) e liderou as maiores altas do Ibovespa hoje, dando continuidade ao rali registrado nos últimos dias. Foi a quarta alta seguida.

Por volta de 16h05, o papel mostrava valorização de 13,45% e chegava aos R$ 7,59. O Méliuz realizou recentemente um split na proporção de 1 para 6, sem alteração do valor do capital social. Não houve sobras decorrentes de frações devido ao desdobramento de ações.

Na visão de Luis Sales, analista da Guide Investimentos, a operação teve impacto neutra: não influencia os fundamentos da empresa de cashback. Os papéis, no entanto, passaram a ter mais liquidez na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), explicou.

De todo modo, o split coincidiu com uma série de avanços apresentados pela ação do Méliuz. Desde a última quinta-feira (9), o papel esteve entre as as maiores altas do Ibovespa.

Na semana passada, a companhia registrou uma valorização de 0,5%, pressionada pelos eventos decorrentes do 7 de Setembro, os quais derrubaram o ativo no dia seguinte.

Mas as ações devolveram parte das perdas na quinta-feira, com uma alta de 5,19%, e se recuperaram, com um ganho de 8,41%, na sexta-feira (10). A cotação do Méliuz não ficou parada. Ontem, o papel capitaneou os ganhos do Ibovespa e subiu 12,82%.

Relatório de agosto do BTG reiterava compra

No final de agosto, antes do desdobramento de ações, o BTG Pactual (BPAC11) reiterou a visão otimista para a Méliuz (CASH3) apesar do balanço financeiro fraco de segundo trimestre da empresa de cashback. Na visão do banco de investimentos, o crescimento da companhia não está rápido, mas aponta para uma perspectiva promissora, no caminho certo.

Em relatório  assinado por Eduardo Rosman, Ricardo Buchpiguel e Thiago Paura, o BTG retificou sua recomendação de compra para a Méliuz e aumento o preço-alvo da ação CASH3 de R$ 40,40 para R$ 60 em 12 meses.

Entre os pontos que os analistas consideraram para reavaliar a posição na Méliuz, destacam três:

  • a oferta complementar de ações (follow-on) mais recente;
  • aquisição da Acesso, que será aprovada no final do quarto trimestre;
  • e o resultado do segundo trimestre, que o BTG levou em consideração os comentários da gestão sobre investimentos em pessoal.

O banco de investimentos analisa que era esperado no pós-follow-on uma expectativa maior na Méliuz, o que levou ao desapontamento com os resultados do segundo trimestre de 2021.

 

Ibovespa: ação do Méliuz (CASH3) salta 13% e lidera maiores altas
Desempenho da ação do Méliuz. Foto: Reprodução Status Invest

Méliuz passa a integrar carteira teórica do Ibovespa

A B3 (B3SA3) remanejou a carteira teórica do Ibovespa na última segunda-feira (6), quando a empresa passou a integrar o índice acionário.

Vejas as ações novatas na carteira do índice, incluindo do Méliuz:

Com a adição do Méliuz e dos demais seis papéis, o Ibovespa conta agora com 91 ativos de 84 empresas. Os cinco papéis que apresentaram o maior peso na composição do Ibovespa foram: Vale (VALE3) com 14,4%, Itaú Unibanco (ITUB4) com 6,1%, Petrobras (PETR4) com 5,2% e Bradesco (BBDC4) com 4,5%.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião

Receba os destaques que irão movimentar o cenário econômico antes da abertura do mercado.

Inscreva-se