Proventos

Guedes cogita “associação” entre Banco do Brasil e Bank of America

Guedes cogita “associação” entre Banco do Brasil e Bank of America
Proposta da reforma tributária deve ser levada ao Congresso na terça-feira

O ministro da Economia, Paulo Guedes, falou novamente sobre a possibilidade de uma “associação” entre o Banco do Brasil (BB) e o Bank of America (BofA) Merrill Lynch, na última quinta-feira (16).

“Vamos procurar fazer uma associação entre o Banco do Brasil e o Bank of America. São bancos bons para empréstimos agrícolas. Já fizemos uma nova relação entre Embraer (EMBR3) e Boeing. Vamos construir empresas transnacionais. E ultrapassar as nossas fronteiras na procura de melhores oportunidades econômicas”, afirmou Guedes, em discurso na cidade de Dallas (EUA).

O evento em Dallas foi realizado pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos (EUA). E tinha por objetivo homenagear o presidente da República, Jair Bolsonaro.

Em 7 de novembro de 2018, após a votação do segundo turno da eleição presidencial, Guedes havia dito para o portal “Poder360” que a equipe econômica estudava a fusão do Banco do Brasil (BBAS3) com o Bank of America Merrill Lynch.

Guedes é amigo do presidente do BofA para América Latina, Alexandre Bettamio. Antes de tornar-se ministro, Guedes era conhecido no mercado financeiro por ter sido um dos quatro fundadores do Banco BTG Pactual (BPAC11), além do think-tank Instituto Millenium (RJ).

Reforma da Previdência, quebra de monopólios no petróleo e gás, e integração da América Latina

Confira outros pontos mencionados pelo ministro no breve discurso:

  1. Guedes citou positivamente a possibilidade de um acordo similar entre a Boeing e a Embraer.
  2. O ministro voltou a defender a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da reforma da Previdência, novamente afirmando que o Brasil está em um “buraco negro” causado pelo desequilíbrio das contas públicas.
  3. Acerca da aos mercados de petróleo e gás, o ministro declarou que a “quebra de monopólios” levará à “reindustrialização” da economia brasileira.
  4. Guedes elogiou Jair Bolsonaro, e na opinião do ministro, o presidente “nomeou um gabinete que fala a mesma língua”.
  5. Além disso, o economista liberal afirmou que tem boas relações com  o presidente da Argentina, Mauricio Macri, e o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez.

“Nosso presidente buscará unificar América Latina como uma economia de mercado”, completou Guedes.

Saiba mais – CEO x CEO: Castello Branco diz que “não faz sentido” BR comprar refinarias

Alexandre Bettamio foi cogitado para presidência do Banco do Brasil

Alexandre Bettamio recusou convite para ser CEO do Banco do Brasil durante governo Bolsonaro

O presidente do Bank of America na América Latina teria recusado convite do governo Bolsonaro para liderar o banco estatal. O fato teria ocorrido perto do dia 30 de outubro de 2018, de acordo com o “Estado de S. Paulo”.

Assim, em 5 de novembro do ano passado, Marcelo Augusto Dutra Labuto foi nomeado como CEO. A passagem de cargo deveu-se ao pedido de demissão de Paulo Caffarelli, que passou a ser o presidente-executivo da Cielo (CIEL3).

Portanto, a nomeação de Labuta foi assinada ainda pelo ex-presidente da República, Michel Temer (MDB), e pelo ministro da Fazenda de seu governo, Eduardo Guardia.

Em 7 de janeiro, Rubem Novaes assumiu a presidência do Banco do Brasil, já na gestão Bolsonaro.

Saiba mais – Bank of America surpreende e registra lucro líquido de US$ 7,3 bi no 1º tri

CEO do Banco do Brasil é a favor da privatização do banco

O presidente do BB, Rubem Novaes, declarou o banco seria mais eficiente se fosse privatizado. A fala ocorreu em 14 de fevereiro, em palestra do evento “A Nova Economia Liberal”, na Fundação Getúlio Vargas (FGV).

“Se o BB fosse privatizado, seria mais eficiente e todos ganhariam”. Contudo,  “não está em cogitação hoje nenhuma privatização realmente relevante das estatais”, afirmou Novaes.

Saiba mais – “Não existe estatal eficiente”, afirma secretário especial de Desestatização

Possível privatização do BB DTVM

A possibilidade de privatização da BB DTVM, líder da indústria nacional de fundos de investimento e carteiras administradas, foi divulgada em 2 de dezembro do ano passado.

O “Blog do Lauro Jardim” publicou que a controlada do Banco do Brasil tinha a privatização na agenda econômica de Paulo Guedes.

Rubem Novaes declarou no início de abril ao jornal “O Globo” a intenção de abrir o capital da empresa.

“O meu sonho é que o BB se torne uma grande ‘Corporation‘, mas o país não está preparado para isso”, afirmou Novaes. O CEO do Banco do Brasil também afirmou que vê maior sentido em uma parceria na BB DTVM. Com isso, o negócio ganharia corpo, para então realizar o IPO.

Amanda Gushiken

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO