5 fundos imobiliários que mais pagaram dividendos em maio, BB (BBAS3) desiste de vender BB Americas: veja as notícias mais lidas da semana

O destaque da semana foi a lista de Fundos Imobiliários (FIIs) que mais pagaram rendimentos no mês de maio.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/06/Lead-Magnet-1420x240-3.png

Repercutiu ainda a notícia de que o Banco do Brasil (BBAS3) desistiu de vender o BB Americas, sua filial que atua nos Estados Unidos. O banco deve incorporar os clientes da instituição.

Voltando aos cobiçados rendimentos, a lista de empresas que pagaram dividendos na última semana também foi direto para a relação das mais lidas.

Outra notícia que disparou de cliques entre os leitores: o Maxi Renda FII (MXRF11), fundo imobiliário mais popular do Brasil, vê um cenário desafiador à frente — e explica por quê.

Por fim, uma mudança chamou atenção:  Nubank (NUBR33) viu suas ações em forte alta do início ao fim do pregão desta quinta, após várias quedas intensas durante todo o mês de maio. Seria o sinal de uma retomada?

Veja abaixo o resumo das principais notícias da semana. Acesse os links para ler o texto completo. Bom final de semana!

Veja os 5 FIIs que mais pagaram dividendos em maio

Os Fundos Imobiliários (FIIs) são investimentos geradores de renda. Além da possibilidade de rentabilidade e ganho de capital, os FIIs são excelentes em prover rendimentos todos os meses aos seus investidores. No mês de maio, alguns fundos se destacaram entre os maiores pagadores de dividendos, entre eles está o Hectare CE FII (HCTR11).

A gestora do fundo comentou em relatório divulgado no mês passado que o HCTR11 teve R$ 27,8 milhões de lucro contábil acumulado. Deste modo, o resultado do mês de maio foi impactado, entre outros fatores, pelo aumento da correção monetária com o aumento do IPCA.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Planilha-controle-de-gastos.png

Banco do Brasil (BBAS3) desiste de vender BB Americas e ação desaba mais de 3%

O Banco do Brasil (BBAS3) desistiu de vender o BB Americas, sua filial que atua nos Estados Unidos, e deve incorporar os clientes da instituição. A informação foi anunciada pelo colunista do jornal O Globo, Lauro Jardim, nesta segunda-feira (30).

Após a notícia, por volta das 17h, as ações do Banco do Brasil tinham forte queda de 3,2%, negociadas a R$ 35,85. Ainda de acordo com o colunista, 12 mil clientes da divisão deverão ser incorporados, à medida em que a divisão for encorpada.

O Banco do Brasil Americas é uma instituição financeira americana sediada na Flórida e foi constituída em 2012, como sucessor o EuroBank.

A visão é do banco é de que o valor que seria obtido com o desinvestimento é baixo frente à importância da unidade que serve de suporte a clientes brasileiros no exterior.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Banco do Brasil (BBAS3), Taesa (TAEE11): Veja as datas de corte e quem vai pagar dividendos na semana

O plano é fechar o mês com mais dinheiro na conta? Então se prepare: entre os últimos dias de maio e a primeira semana de junho, algumas empresas importantes pagarão dividendos e juros sobre capital próprio (JCP) aos seus investidores. 

Um dos principais destaques da semana será o pagamento do Banco do Brasil (BBAS3), que entregará cerca de R$ 0,15 de dividendos e aproximadamente R$ 0,51 de juros sobre capital próprio por ação. Outra companhia que fará distribuição é a Taesa (TAEE11), com cerca de R$ 2,32 por ação e dividend yield de 5,16%. Ao todo, serão 7 empresas que distribuirão proventos aos acionistas.

Para garantir distribuições futuras, atenção para as datas de corte de empresas como Itaúsa (ITSA4), Itaú (ITUB4), Bradesco (BBDC3) e Bradesco (BBDC4) nesta semana. Veja o calendário completo no fim do texto.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

MXRF11 vê cenário difícil e pressão nas margens dos projetos; veja previsões do FII

A gestão do Maxi Renda FII (MXRF11), fundo imobiliário mais popular do Brasil, vê um cenário desafiador à frente, com aumento nos custos de insumos e terrenos, em meio à realidade macroeconômica mais desafiadora.

Segundo relatório gerencial do MXRF11 divulgado nesta segunda-feira (30), estas condições dificultam o repasse de custos e geram margens mais achatadas nos projetos analisados.

“Com o nível atual de juros e inflação da economia brasileira, aliado aos cenários de maior volatilidade local e global, a gestão entende que portfólios de mais baixo risco estão melhor posicionados para atravessar o cenário atual e com retorno ao investidor ainda bastante interessante”, afirmou o relatório.

Sinal de retomada? Ação do Nubank (NUBR33) salta 15%; entenda por quê

Nubank (NUBR33) viu suas ações em forte alta do início ao fim do pregão desta quinta-feira (2), após várias quedas intensas durante todo o mês de maio.

Hoje, a ação do Nubank negociadas na Nasdaq encerraram o dia com ganhos de 15,93%, a US$ 4,44.

Já o BDR do Nubank negociado na B3 (B3SA3) fechou com valorização de 13,64%, a R$ 3,50.

De acordo com Alexandre Achui, head da Mesa Private de ações e sócio da BRA, os ativos do roxinho dispararam devido ao fluxo de rotação setorial, decorrente da saída de ações de bancos tradicionais e commodities, com entrada nas ações de tecnologia mais descontadas.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Victória Anhesini

Compartilhe sua opinião