URGENTE

Dólar fecha em queda de 0,51%, com anúncio de leilão extra no BC e inflação dos EUA

Dólar fecha em queda de 0,51%, com anúncio de leilão extra no BC e inflação dos EUA
Dólar. Foto: Pixabay

O dólar encerrou as negociações desta quarta-feira (13) em queda de 0,51%, frente ao real, valendo R$ 5,509 na venda.

O dólar hoje operava em alta, mas passou a cair após o Banco Central anunciar leilão extra de swap cambial, com venda de todos os 20 mil contratos ofertados, conforme destaca Marcelle Gutierrez, da mesa RV BTG Pactual digital.

Os investidores também ficaram de olho na divulgação do Departamento do Trabalho dos EUA sobre a inflação aos consumidores (CPI, na sigla em inglês). Em setembro, os preços gerais aumentaram 0,4%, somando 5,4% nos últimos 12 meses. A leitura veio acima da expectativa de economistas, que projetavam alta de 0,3% para o indicador.

A leitura vem depois do relatório de empregos de sexta-feira (8) mostrar que foram criadas apenas 194 mil vagas nos EUA no mês passado, leitura bem abaixo das expectativas.

Movimentação do dólar hoje

O dólar americano abriu a sessão de hoje estável nos primeiros negócios pós feriado local. O mercado aguardava a divulgação do índice de inflação ao consumidor (CPI) americano de setembro e a ata da ultima reunião de política monetária do Federal Reserve.

No decorrer do dia, o dólar passou a subir, após o Congresso americano aprovar o aumento do teto da dívida até dezembro e os dados de inflação ao consumidor virem mais fortes do que o esperado.

Notícias que movimentaram o dólar

Além disso, veja algumas notícias que movimentaram o dólar durante a sessão de hoje:

  • Alguns dirigentes do Fed levantaram possibilidade de elevar juros em 2022 nos EUA
  • Fed vê inflação elevada e tapering poderia começar no meio de novembro
  • Fluxo cambial total no ano até 8 de outubro é positivo em US$ 17,855 bi, diz BC

Juros nos EUA podem subir, dizem dirigentes do Fed

Alguns dirigentes presentes na última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) levantaram a possibilidade de a entidade elevar a sua taxa de juros no fim de 2022, segundo informa a ata do encontro, divulgada nesta quarta-feira. Conforme estes banqueiros centrais, as metas de inflação e emprego do Fed podem ser atingidas neste período.

A entidade considera que as condições financeiras seguem acomodatícias, e vários membros do Fomc expressaram preocupação com o nível elevado de acomodação monetária, segundo a ata.

As autoridades do Fed ainda estimaram que as compras de bônus realizadas pelo Fed podem não ser eficientes para lidar com os problemas na oferta enfrentados atualmente pela economia americana.

Inflação nos EUA continua alta

A inflação dos EUA segue elevada, mas reflete em grande parte fatores transitórios, segundo a avaliação de dirigentes do Federal Reserve  registrada na ata da última reunião de política monetária do Fomc. De acordo com o documento, os banqueiros centrais preveem que os preços sigam altos pelos próximos meses, antes de moderarem.

A ata também afirma que os dirigentes notaram que os gargalos na cadeia de suprimentos e no mercado de trabalho americano acentuaram, e alguns membros do Fomc expressaram preocupação com a possibilidade de que as leituras mais elevadas de inflação possam contaminar as expectativas de longo prazo de consumidores e empresários.

Algumas empresas consultadas pelo Fed antes da reunião de setembro da entidade afirmaram que esperam uma resolução dos gargalos apenas em 2022, enquanto a dificuldade em contratar novos funcionários tem levado companhias a reduzir a carga horária e sua produção.

Fluxo cambial: positivo em US$ 17,855 bilhões

O fluxo cambial do ano até 8 de outubro ficou positivo em US$ 17,855 bilhões, informou nesta quarta-feira o Banco Central. Em igual período do ano passado, o resultado era negativo em US$ 18,264 bilhões.

A saída líquida pelo canal financeiro neste ano até 8 de outubro foi de US$ 1,282 bilhão. O resultado é fruto de aportes no valor de US$ 408,066 bilhões e de retiradas no total de US$ 409,348 bilhões. O segmento reúne os investimentos estrangeiros diretos e em carteira, remessas de lucro e pagamento de juros, entre outras operações.

No comércio exterior, o saldo anual acumulado até 8 de outubro ficou positivo em US$ 19,137 bilhões, com importações de US$ 162,345 bilhões e exportações de US$ 181,482 bilhões. Nas exportações estão incluídos US$ 23,498 bilhões em Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC), US$ 44,095 bilhões em Pagamento Antecipado (PA) e US$ 113,889 bilhões em outras entradas.

Cotação do dólar nesta segunda (11)

Na última sessão, segunda-feira (11), o dólar encerrou as negociações em alta de 0,38% frente ao real, valendo R$ 5,53 na venda.

Com informações do Estadão Conteúdo

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião