Dólar encerra em alta de 0,698%, cotado em R$ 5,4527

Dólar encerra em alta de 0,698%, cotado em R$ 5,4527
Na última sessão, quinta-feira (3), o dólar encerrou em queda de 1,2569%, a R$ 5,29.

O dólar encerrou nesta quarta-feira (12) em alta de 0,698%, negociado a R$ 5,4527 na venda.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

dólar hoje também abriu em leve alta, enquanto o mercado estava atento ao cenário político brasileiro.

Durante o dia, os investidores ficaram atentos à pretensão da China de  incluir as ações dos Estados Unidos sobre os aplicativos TikTok e Wechat nas discussões da implementação da fase 1 do acordo na guerra comercial entre os países.

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

Além disso, confira as principais notícias que movimentaram o mercado nessa quarta-feira:

  • Selic: mais um corte de juros, se houver, deve ser pequeno, diz Campos Neto
  • China quer incluir TikTok e WeChat em guerra comercial com EUA
  • PIB do Reino Unido cai 20,4% no 2º trimestre e entra em recessão
  • Última cotação do dólar

Campos Neto

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, reforçou que “devido a questões prudenciais e de estabilidade financeira, o espaço remanescente para utilização da política monetária, se houver, deve ser pequeno”. A autoridade monetária já havia salientado isso na decisão sobre o mais recente corte na taxa básica de juros (Selic).

Na teleconferência do evento “Diálogos do Conhecimento”, Campos Neto salientou que “consequentemente, eventuais ajustes futuros no atual grau de estímulo ocorreriam com gradualismo adicional e dependerão da percepção sobre a trajetória fiscal, assim como de novas informações que alterem a atual avaliação do Copom sobre a inflação prospectiva”.

Além disso, o presidente da autoridade monetária central sinalizou que existe uma “recuperação parcial da atividade”, explicando que os setores da economia que foram mais afetados pelo isolamento social, adotado para enfrentar o novo coronavírus (Covid-19), continuam desanimados no País.

China e EUA

A China pretende incluir as ações dos Estados Unidos sobre os aplicativos TikTok e Wechat nas discussões da implementação da fase 1 do acordo na guerra comercial entre os países. Segundo informações da agência de notícias “Bloomberg”, representantes dos países devem se encontrar nos próximos dias, quando os chineses apresentarão seus questionamentos acerca da repressão de Washington sobre as empresas asiáticas.

Em janeiro, China e Estados Unidos chegaram a um entendimento sobre a primeira fase do acordo; a guerra comercial entre os países ocorre desde meados de 2018. Para tanto, a China prometeu comprar mais de US$ 200 bilhões em produtos dos Estados Unidos em um período de dois anos.

Desde então, as tensões entre os países foram intensificadas, sobretudo pelo surgimento da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) — a qual os norte-americanos responsabilizam os chineses –, a nova lei de segurança nacional em Hong Kong e as ofensivas estadunidenses sobre a atuação de redes sociais em território nacional.

PIB do Reino Unido

O Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido registrou uma queda significativa de 20,4% no segundo semestre. De acordo com o Escritório Nacional de Estatísticas (ONS), essa recessão é devido aos efeitos da pandemia do novo coronavírus na economia britânica.

No primeiro trimestre o Reino Unido registrou queda de 2,2% do PIB, portanto, foram dois períodos consecutivos de baixa, o que caracteriza tecnicamente uma recessão econômica. Trata-se da pior recessão econômica, desde o início dos cálculos trimestrais da ONS, em 1955.

No mês de abril, quando os britânicos estavam confinados, a atividade econômica foi paralisada. Por esse motivo, os dados apresentam melhora em maio, quando o PIB avançou 2,4%, e 8,7% em junho, com a reabertura do comércio.

Última cotação do dólar

Na sessão da última terça-feira, o dólar encerrou o pregão em queda de 0,91%, negociado a R$ 5,415 na venda.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião