Patrocinado por:

Dólar dispara 1% após salto da inflação dos Estados Unidos

Dólar dispara 1% após salto da inflação dos Estados Unidos
Dólar. Foto: Pixabay

O dólar avança 1% na tarde desta quarta-feira (12) após o salto da inflação dos Estados Unidos que está no radar do investidor.

Por volta das 15h30, o dólar subia 1,05%, negociado a R$ 5,27. O índice de preços ao consumidor (CPI) dos EUA saltou 4,2% em abril em relação ao ano anterior, ante 2,6% no ano encerrado em março. Esse é o nível mais alto em 12 meses, desde 2008.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O CPI mede o que os consumidores pagam por bens e serviços, incluindo roupas, mantimentos, refeições em restaurantes, atividades recreativas e veículos. Os preços de automóveis usados subiram 10% em abril em comparação com o mês anterior – o maior aumento mensal já registrado. Este item foi responsável por mais de um terço do aumento total do índice, disse o Departamento do Trabalho.

Em uma coletiva de imprensa, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou que o avanço do indicador é resultado da transição que o país vive, da crise gerada pela pandemia de covid-19 para a retomada econômica.

Segundo Psaki, o governo do presidente dos EUA, Joe Bidense preparou para essa alta da inflação. “Continuamos consistentemente monitorando a inflação”, garantiu.

O argumento da Casa Branca de que a alta dos preços é transitória é o mesmo usado pela maioria dos dirigentes do Federal Reserve, o banco central norte-americano.

Fed diz que pode intervir se a inflação continuar a avançar

Apesar das falas da equipe de Biden, o vice-presidente do Fed, Richard Clarida afirmou em entrevista que, embora espere que a alta recente na inflação nos Estados Unidos seja fruto de fatores transitórios, reagirá aos dados conforme eles sejam divulgados.

Durante evento virtual da National Association for Business Economics (Nabe), o dirigente disse que ficará “bastante atento” às várias medidas de expectativas de inflação no médio prazo e que, caso elas sofram uma desancoragem, existe o compromisso do banco central de usar os instrumentos disponíveis para acertar o rumo dos preços rumo à meta de longo prazo de 2%.

Os dados sobre a inflação da principal economia podem levar a uma alta nos juros (Treasuries) lá fora e influenciar a cotação da moeda brasileira.

Última cotação do dólar

Na última sessão, terça-feira (11), o dólar encerrou o pregão em queda de 0,18%, negociado a $ 5,22.

Tags
Poliana Santos

Compartilhe sua opinião