CVM multa Jonas Jaimovick e JJ Invest em R$ 500 mil

CVM multa Jonas Jaimovick e JJ Invest em R$ 500 mil
CVM propõe mudanças no formulário de referência

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) informou nesta terça-feira (1), que multou o dono da JJ Invest, Jonas Jaimovick, bem como a companhia, em R$ 500 mil. Assim, cada um deverá pagar R$ 250 mil.

A decisão da CVM veio após a JJ Invest não ter comunicado à IdeiasNet sobre a alienação de participação acionária relevante no capital social da companhia de investimentos, “em infração ao artigo 12, caput, §1º e §4º da Instrução CVM nº 358/2002”, aponta o comunicado.

Nesse sentido, o documento destaca que os acusados reduziram sua participação acionária na Ideiasnet dos patamares de 15%, em 09 de janeiro de 2019, e de 5%, em 14 de janeiro de 2019, sem informar à IdeiasNet sobre as negociações.

O relator do caso, Henrique Machado, apontou que as negociações realizadas por Jaimovick e pela JJ Invest foram equivalentes a 54,7% do total de negócios realizados entre 09 e 14 de janeiro de do ano passado e causaram a queda de 22% na cotação das ações da IdeiasNet, de acordo com o documento.

“Nesse contexto, os demais investidores negociaram sem saber o motivo da tendência de queda observada no valor das ações da Ideiasnet, o que comprometeu a estabilidade das negociações realizadas naquele período, exigindo a atuação do autorregulado”.

Polícia prende dono da JJ Invest

Vale lembrar que Jonas Jaimovick havia sido preso no dia 9 de novembro por agentes da Delegacia de Defraudações do Rio de Janeiro. Ele é apontado como responsável por operar o maior esquema de pirâmide financeira ativo no país, segundo informações do G1.

Ele foi preso na zona Oeste do Rio de Janeiro. A estimativa da polícia é de que o prejuízo de investidores no esquema chegue a R$ 170 milhões. De acordo com a reportagem, pelo menos 3 mil pessoas teriam sofrido prejuízos, sendo que algumas teriam perdido R$ 1 milhão.

Ele ainda responde, somente no Rio de Janeiro, a mais 30 inquéritos. Também há processos contra Jaimovick em São Paulo, Maranhão, Recife e Ceará, e ações na esfera cível pedindo ressarcimento ao próprio Jonas e à JJ Invest, apurou o G1.

A JJ Invest ganhou visibilidade depois de atuar como patrocinadora de times de futebol. A investigação aponta que artistas e ex-jogadores também teriam investido na pirâmide. Os suspeitos ofereciam lucro mensal de 10% a 15% para captar clientes.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião