Fundos de investimentos sofrem desconto do come-cotas hoje

Fundos de investimentos sofrem desconto do come-cotas hoje
Fundos de investimento sofrem come-cotas hoje

Quem investe em alguns tipos de fundos de investimentos sofre o desconto do come-cotas hoje. O come-cotas é o Imposto de Renda semestral sobre os ganhos auferidos nos fundos, recolhido duas vezes ano ano: no último dia útil de maio e de novembro. A data da cobrança não depende da data em que o investimento foi feito.

A cobrança do Imposto de Renda pelo come-cotas é feita diretamente sobre alguns fundos. Ou seja, o imposto não é coletado quando o dinheiro é resgatado, mas de forma automática no sistema. O investidor naão precisa fazer nenhum tipo de declaração. Desta forma, o come-cotas é uma forma de antecipação do recolhimento do imposto que fica retido na fonte.

Com isso, o governo toma para si um determinado número de cotas, em valor equivalente ao imposto que deve ser pago. A alíquota incide sobre o rendimento, e não sobre o montante total investido.

O come-cotas incide sobre os fundos de Renda Fixa, Fundo Cambiais, Fundos Multimercados e Fundos DI.

Já os Fundos de Investimento Imobiliário, fundos de ações, de previdência e de debêntures incentivadas não sofrem a tributação.

Cálculo do come-cotas

A tributação dos fundos de investimento ocorrem de forma regressiva. Quanto mais tempo o recurso fica alocado no fundo, menor a alíquota do imposto. Em fundos de curto prazo, a taxa é de 22,5% para aplicações de até 180 dias e de 20,0% para aplicações com mais de 180 dias.

Já para fundos de longo prazo, a alíquota segue as seguintes regras:

  • 22,5% para aplicações de até 180 dias;
  • 20,0% para aplicações entre 180 dias a 360 dias;
  • 17,5% para aplicações entre 360 dias a 720 dias;
  • 15,0% para aplicações acima de 720 dias.

No entanto, o come-cotas é cobrado segundo a menor alíquota de cada tipo de fundo. Ou seja, os fundos de curto prazo terão come-cotas hoje de 20% sobre o rendimento obtido no semestre, enquanto os fundos de longo prazo terão 15% sobre o rendimento obtido no semestre.

Natalia Gómez

Compartilhe sua opinião