Rafael Fonseca

Galpões Last Mile: o maior potencial de valorização no setor logístico

A busca de grandes varejistas por galpões logísticos próximos aos principais centros de consumo do país aumentou

O aumento da penetração do e-commerce no varejo brasileiro, impulsionado desde o início da pandemia de 6% para 11%, acelerou a busca de grandes varejistas por galpões logísticos próximos aos principais centros de consumo do país. Somente no último ano, as maiores empresas de e-commerce do Brasil amentaram em 50% sua área de armazenagem.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-Banner-Home-1.png

O custo do frete e a velocidade de entrega são os principais fatores de conversão e fidelização do cliente online. Ao mesmo tempo, o valor de locação de um centro de
distribuição representa apenas uma pequena parcela do custo total da operação logística de um varejista. Nos EUA, por exemplo, a locação de galpões representa apenas de 5% do custo total da operação.

Dado a importância estratégica da proximidade com o consumidor final, os galpões Last Mile (como são chamados em inglês), em vez de serem negociados a um prêmio em relação as locações de galpões tradicionais, já começaram a ser negociados nos EUA tendo como referência as locações de escritórios, usualmente muito mais
valorizados.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

No Brasil, a oferta de galpões Last Mile ainda é muito restrita. Com o aumento recente da demanda, a vacância de galpões próximos dos grandes centros de consumo se reduziu de forma muito mais rápida do que a média do mercado.

Na cidade de São Paulo, por exemplo, a vacância em propriedades de alto padrão é estimada em 6%, enquanto a média em Cajamar, considerado um mercado premium, é de 12% e no estado é de 13%.

Em Contagem, município próximo ao centro de Belo Horizonte e o principal mercado logístico do estado, a vacância atual é estimada abaixo de 2%, enquanto a região metropolitana de Belo Horizonte é de 9% e em Betim é de 17%.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2020/08/62893415-minicurso-fundos-imobiliários.png

Somado ao grande desequilíbrio entre oferta e demanda nesses principais mercados, o custo de construção avançou mais de 40% no último ano, fazendo com que os novos galpões venham a praticar valores de locação muito acima do mercado atual. Sem contar com o custo do capital, que também vem subindo por conta do aumento da Selic.

Apesar das perspectivas positivas, esse tipo de investimento não admite erros. É preciso uma equipe altamente especializada e experiente para desenvolver e gerir
galpões eficientes e inovadores nesse mercado.

E os grandes ocupantes estão cada vez mais seletivos na escolha do seu parceiro imobiliário. É por essas e outras que é muito importante escolher as melhores apostas de fundos imobiliários desse segmento.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Rafael Fonseca
Mais dos Colunistas
Fabio Louzada Fundos imobiliários: por que investir neles agora?

Recentemente, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) reduziu a taxa básica de juros, a Selic, para 10,75%. Esse é o menor patamar da taxa básica de ju...

Fabio Louzada
Juan Macedo Não seja um banana, diversifique

O título bem-humorado é consequência de uma reflexão sobre o uso no português da palavra “banana” como um substantivo que significa “pessoa sem energia” e “palerma”. T...

Juan Macedo

Compartilhe sua opinião