Gabriel Diniz Junqueira

Agrishow 2022: Insights sobre o Setor Agro

A edição deste ano é a primeira após 2 anos de pandemia e uma experiência única para conhecer as principais inovações no manejo rural e tendências do setor

De 25 a 29 de abril, a cidade de Ribeirão Preto (SP) sediou a 27ª Edição da Agrishow, uma das maiores feiras agrícolas do mundo. A edição deste ano é a primeira após 2 anos de pandemia e uma experiência única para conhecer as principais inovações no manejo rural e tendências do setor. Tive a possibilidade de visitar a Feira na quinta feira dia 28 e com isso tomei algumas anotações importantes sobre o agronegócio que podem ser úteis para a performance dos investidores nele interessados.

O primeiro ponto a destacar é o número elevado de visitantes e a pujança vista. Praticamente todas as principais marcas de produtos agro estavam expondo para visitantes de todos os cantos do Brasil que andavam pelos mais de 520.000 metros quadrados da Feira. Em conversa com as principais marcas de maquinário agrícola, utilitários e outros, pude perceber que o sentimento geral é de otimismo e recorde de vendas, quando comparado ao último ano de Feira, 2019.

O setor de maquinários agrícolas nos mostrou uma realidade que também já era esperada pela desestabilização das cadeias logísticas vista na pandemia: excesso de demanda para uma oferta restrita. Muitos agricultores impulsionados pelas altas margens obtidas na safra passada buscam investir em sua atividade para alcançar melhores produtividades, porém a oferta de maquinário como colheitadeiras, plantadeiras e outros está baixa com pouquíssimas máquinas para pronta entrega e preços bem elevados (aumentos de mais de 100% em relação a 2019).

O mesmo efeito pode ser visto com as empresas de utilitários ligados ao agro, mas com um detalhe importante: por se tratar de um ativo que não necessariamente aumenta a produtividade/lucratividade do produtor, a demanda acaba ficando mais controlada e equalizando com a oferta.

Um destaque importante a ser dado é o setor de biotecnologia. Conversamos com uma das principais empresas no setor e esta mostrou números muito fortes. Isso demonstra que o agricultor não somente está atento às novas tendências de manejo mais sustentável como está buscando insistentemente essas soluções para a sua lavoura. Soluções que conversam com o meio ambiente são essenciais para o pleno desenvolvimento da atividade rural.

Por fim, um dos pontos críticos levantados na Feira é a situação dos juros no país. Praticamente todos os negócios fechados na Agrishow são a prazo e a função dos bancos é essencial. O que foi visto na Feira é uma atuação muito forte destes para facilitar o acesso a capital pelo produtor e com isso vale destacar a atuação agressiva da Caixa Econômica Federal. Outro ponto levantado nesse âmbito é o aumento de poder de compra do agro nos últimos anos. Presenciamos um verdadeiro rally nos preços das commodities com custos ainda defasados. Isso aumentou significativamente a geração de caixa e assim abrindo espaço para investimentos na atividade mesmo em um cenário desafiador de crédito.

Para finalizar, a visão para o setor é bastante construtiva no curto/médio prazos, porém vale destacar que as margens na próxima safra devem apresentar uma compressão uma vez que os custos estão aumentando e o preço das commodities se estabilizou. O investidor que estiver interessado no setor agrícola deve estudar com carinho as oportunidades no mercado para a tomada de decisão!

Agrishow 2022

Agro é Top, Agro é Pop, FIAGRO é Agro!

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Gabriel Diniz Junqueira

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO