Grana na conta

Cielo recua 0,7% em seu índice de vendas no varejo brasileiro

As vendas no varejo brasileiro recuraram cerca de 0,7% em março comparado ao mesmo período no ano anterior. De acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) que acompanha 1,4 milhão de pontos de vendas credenciados à empresa, esse foi o pior resultado em meses.

Entretanto, o ICVA registou alta de 4% na receita de vendas, em comparação com o mesmo período do ano de 2018. Os dados divulgados nesta segunda-feira (15) explica o motivo das quedas nas vendas do varejo da Cielo. O mês de março foi impactado negativamente pelo calendário.

“O resultado de março chama atenção, mas é bem menos negativo do que parece. Os grandes destaques deste mês foram o Carnaval, jogando as vendas para baixo na comparação com o mesmo período do ano passado, e a inflação que acelerou,” comenta o diretor de Inteligência da Cielo, Gabriel Mariotto.

Além disso, Mariotto, destacou que mesmo desconsiderando esses efeitos, o resultado continua mais fraco do que o dos últimos meses de 2018 e início de 2019.

Lucro líquido

No dia 29 de janeiro deste ano, a Cielo anunciou um lucro líquido de R$ 724,1 milhões no último semestre do ano anterior. Entretanto, o montante foi 30,6% inferior ao do ano de 2018, que o lucro se encontrava em torno de R$ 1,043 bilhão.

Esse foi o primeiro registro de queda em seu lucro anual, desde 2009 quando abriu capital na bolsa de valores. No acumulado de 2018, a empresa obteve uma receita de R$ 3,286 bilhões. Este número equivale a uma baixa de 19% em relação ao ano anterior, onde somou R$ 4,056 bilhões.

Saiba Mais: Bradesco não vai fechar capital da Cielo, afirma presidente do banco

A Cielo (CIEL3) é controlada pelo Bradesco (BBDC4) e Banco do Brasil (BBAS3).

De acordo com a empresa, o último ano foi repleto de desafios e com mudanças relevantes. As dificuldades enfrentadas pela Cielo:

  • Mercado de meios de pagamentos competitivo;
  • processo de abertura do segmento;
  • e novas regulamentações.

Saiba Mais: Com queda de 30,6%, Cielo tem lucro líquido de R$ 724,11 mi em 2018

“Entendendo ser esse momento de se reafirmar como a líder da indústria, preservando sua posição de liderança nos segmentos em que já atua e procurando conquistá-la em segmentos pouco explorado pela Companhia, a Cielo adotou postura mais arrojada e agressiva, no sentido de capturar parte relevante do crescimento de um mercado que possui enorme potencial”, afirma Cielo.

Sinais Positivos

Conforme a empresa, a venda de 483 mil maquinhas da Stelo, em seu primeiro ano de operação, já apontam sinais positivos dessas inciativas. A Stelo opera como subsidiária integral da Cielo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/Lead-Magnet-1420x240-3.png

Última Cotação

Nesta segunda-feira (15), as ações da Cielo (CIEL3) estava em alta de 1,41%  com cotação de R$9,38.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião