China sancionará norte-americanos em retaliação a Hong Kong

China sancionará norte-americanos em retaliação a Hong Kong
Senador da Flórida, Marco Rubio, será sancionado pela China

A China informou, nesta segunda-feira (10), que irá sancionar 11 cidadãos norte-americanos. A decisão do governo chinês foi tomada após os Estados Unidos sancionarem autoridades chinesas e de Hong Kong, na última sexta-feira (7), sob a acusação de restrição às liberdades civis na cidade semiautônoma.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Dentre os que serão sancionados pela China estão os senadores do Partido Republicano, Marco Rubio, Ted Cruz, Tom Cotton, Pat Toomey e Josh Hawley, além do deputado Chris Smith e integrantes de organizações não governamentais.

“Em resposta a esses comportamentos errados dos EUA, a China decidiu impor sanções a indivíduos que se comportaram de forma flagrante em questões relacionadas a Hong Kong”, afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, em um comunicado à imprensa. O ministério, no entanto, não especificou quais seriam as sanções aplicadas.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Os senadores Marco Rubio e Ted Cruz e o deputado Chris Smith já haviam sido sancionados pelas autoridades chinesas em julho. O movimento ocorreu em retaliação a punições estadunidenses a cidadõs chineses devido às acusações sobre o tratamento dado por Pequim à minoria muçulmana Uighur, na província de Xinjiang.

Tensão entre China e Estados Unidos

As sanções dos Estados Unidos para os principais funcionários de Hong Kong e às principais autoridades chinesas, na última sexta-feira, tiveram como alvo Carrie Lam, a presidente-executiva de Hong Kong, nomeada por Pequim, e diversos funcionários atuais e ex-funcionários responsáveis ​​por implementar a decisão de Pequim de exercer maior controle sobre a ex-colônia britânica.

“Os Estados Unidos estão ao lado do povo de Hong Kong e usaremos nossas ferramentas e autoridades para atacar aqueles que estão impossibilitando sua autonomia”, disse o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, em um comunicado.

Em 27 de maio, o congresso da China aprovou por 2.878 votos à favor e um contra, com seis abstenções, a lei que proíbe subversão, secessão, terrorismo e interferência estrangeira em Hong Kong. Para Donald Trump, a decisão viola as liberdades essenciais da cidade semi-autônoma, que protagoniza protestos pró-democracia desde o início de 2019. Trump já havia assinado um projeto de lei, no fim do ano passado, que expressa o apoio dos Estados Unidos aos manifestantes da cidade.

As tensões entre China e Estados Unidos se acentuaram nos últimos meses devido não somente a Hong Kong, mas também em razão da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O governo estadunidense acusa Pequim de ter omitido as informações sobre a doença ainda em seu início, fazendo com que o vírus se alastrasse no planeta. Trump também rompeu as relações do país com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Além disso, a guerra comercial entre as duas maiores potências do planeta, em vigor desde meados de 2018, pode ser intensificada em função das últimas tensões. Nesta semana, representantes comerciais da China e dos Estados Unidos irão se reunir para discutir acerca do acordo comercial preliminar assinado em janeiro.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião