Casas Bahia (BHIA3), Copel (CPLE6) e MRV (MRVE3) aquecem o mercado nesta sexta-feira; veja mais destaques

A informação de que o Grupo Casas Bahia (BHIA3) assinou termos e condições para alongamento de dívidas de R$1,5 bi é um dos destaques desta quinta-feira (01). 

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

Também está entre os destaques do mercado financeiro a Copel (CPLE6), após anotar um lucro líquido de R$ 943 milhões no quarto trimestre de 2023 (4T23). 

A MRV (MRVE3) também está no radar dos investidores hoje, depois de anunciar um prejuízo líquido consolidado de R$ 104,9 milhões

Veja os destaques do mercado financeiro hoje:

Casas Bahia

A Casas Bahia (BHIA3) assinou um novo documento que contém os termos e condições para que seja realizado o reperfilamento de suas dívidas, no valor de R$ 1,5 bilhão.

Conforme comunicado nesta quinta-feira (29), essas dívidas da Casas Bahia se referem às emissões de Cédulas de Crédito Bancário (CCB) e também a sua 9° emissão de debêntures. O termo foi assinado junto a instituições financeiras.

Agora, as dívidas reperfiladas da empresa varejista vão ter um novo prazo de vencimento, que é de 3 anos, ou 36 meses. O vencimento anterior aconteceria entre os anos de 2024 e 2025.

Copel 

A Copel (CPLE6) anotou um lucro líquido de R$ 943 milhões no quarto trimestre de 2023 (4T23). Com isso, o lucro da Copel apresentou alta de 51% ante igual etapa do ano anterior e de 102% de crescimento ante o 3T23.

Além disso, o resultado da Copel mostra que a companhia teve um Ebitda ajustado recorde no acumulado de 2023, em R$ 5,8 bilhões – com R$ 1,5 bilhão somente no 4T23.

MRV

A MRV (MRVE3) – conglomerado que reúne MRV, Sensia, Luggo, Urba e Resia – teve prejuízo líquido consolidado de R$ 104,9 milhões no quarto trimestre de 2023. O resultado representa uma perda 68% menor na comparação com o mesmo período de 2022, quando a empresa sofreu um prejuízo de R$ 333 milhões.

Os números negativos ainda são fruto dos empreendimentos com estouros de custos lançados entre os anos de 2020 e 2022, época em que a inflação disparou. No entanto, a companhia passou por uma revisão de negócios, e a administração espera uma melhora gradual nos próximos trimestres.

Grendene 

A Grendene (GRND3) registrou lucro líquido recorrente de R$ 256,5 milhões no quarto trimestre de 2023 (4T23), aumento de 22,7% em relação ao mesmo período do ano anterior. A empresa também anunciou o pagamento de R$ 50,8 milhões em dividendos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Allos 

A Allos (ALSO3) informou que a Fitch Ratings afirmou o Rating Nacional de Longo Prazo ‘AAA(bra)’ da Allos e o IDR (Issuer Default Ratings – Ratings de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo de Moeda Estrangeira da sua subsidiária integral, a BR Malls, em ‘BB+’.

 A Agência também afirmou os IDRs de Longo Prazo em Moedas Local e Nacional ‘BBB-’ e ‘AAA(bra)’, respectivamente, da BR Malls.

HBR Realty 

A HBR Realty (HBRE3) informou que registrou lucro líquido atribuído aos acionistas de R$ 151,2 milhões no quarto trimestre de 2023 (4T23), alta de 109,7% no comparativo anual. Por sua vez, o lucro líquido foi de R$ 274,2 milhões, crescimento de 120,9% na comparação anual.

Enauta

A Enauta (ENAT3) informou que o conselheiro de administração Bruno Pirim Baratta renunciou de suas funções. 

Os destaques do mercado financeiro do Suno Notícias mostram os principais acontecimentos que prometem movimentar o mercado durante o dia, como a Casas Bahia (BHIA3), que deve estar no foco dos investidores hoje.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Vinícius Alves

Compartilhe sua opinião