Boletim Focus eleva projeção de inflação para 2021

Boletim Focus eleva projeção de inflação para 2021
Fachada do edifício-sede do banco Caixa Econômica Federal (CEF) e do Banco Central do Brasil. Foto: Leonardo Sá/Agência Senado

De acordo com o Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central na manhã desta segunda-feira (3), o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deve avançar 5,04%. Na semana passada, a previsão era de que este índice, o principal índice da inflação brasileira, avançaria apenas 5,01%.

Há quatro semanas, o Boletim Focus apontava que o IPCA avançaria apenas 4,81% no ano. O mercado reviu também a projeção do índice para os próximos anos: em 2022, o IPCA deve avançar 3,61%, contra 3,52% projetados há um mês atrás.

Com a previsão para 2021, o avanço do IPCA está acima do centro da meta do Governo Federal, que é de 3,75%, mas ainda dentro da chamada margem de tolerância, que vai de 2,25% a 5,25%. Para 2022, o centro da meta fica em 3,50%, com a margem indo de 2% a 5%.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Boletim Focus melhorou projeção para economia brasileira

O avanço das projeções do IPCA acompanha, em parte, a melhor expectativa para o crescimento do produto interno bruto (PIB) brasileiro. A previsão do Focus agora é que a economia brasileira cresça 3,14% em 2021, ante 3,09% na última semana. Para 2022, a economia deve avançar 2,31% – diminuindo ante as projeções de uma semana e de um mês atrás que previam, respectivamente, 2,34% e 2,33% de alta.

O Boletim Focus manteve inalteradas as projeções para 2021 da taxa Selic e para a taxa de Câmbio, com o juros ficando e, 5,50% e a moeda americana em R$ 5,40. Há quatro semanas, porém, a moeda americana era projetada a um valor de R$ 5,35 – o que deve explicar parcialmente o avanço da projeção do IPCA, com a dólar mais forte exercendo mais pressão no mercado interno.

   

Para 2022, porém, houve mudanças na projeção da Selic do Boletim Focus, que deve fechar o ano em 6,25%, ante 6,13% na projeção anterior – o que, aparentemente, não será capaz de controlar a inflação, uma vez que ela continuou a avançar.

Vitor Azevedo

Compartilhe sua opinião