Patrocinado por:

Após Magalu, BB-BI corta preço-alvo para Via Varejo (VVAR3) por medidas contra covid

Após Magalu, BB-BI corta preço-alvo para Via Varejo (VVAR3) por medidas contra covid
Via Varejo (VVAR3). Foto: Reprodução Facebook

O BB Investimentos cortou o preço-alvo para Via Varejo (VVAR3) – [Baixe agora o relatório gratuito de VVAR3] – frente aos resultados da companhia no quarto trimestre e às novas medidas de restrição por conta da segunda onda de covid-19.

O volume bruto de mercadorias (GMV, na sigla em inglês) da empresa registrou crescimento de 19,6% na base anual. Apesar das lojas físicas terem contribuído negativamente, com uma queda de 14,2% ante 2019, o canal online da Via Varejo, tanto o tradicional quanto o marketplace, apresentaram expansão, de 174,0% e 89,9%, respectivamente.

A receita líquida totalizou R$ 28,9 bilhões no quarto trimestre de 2020, 12,7% superior em relação ao mesmo período do ano anterior.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Por sua vez, a margem Ebitda atingiu 10,1% no último trimestre de 2020, uma alta de 5,9 pontos percentuais . O indicador foi impulsionado por um maior controle das despesas de vendas gerais e administrativas, aliado a um ganho de alavancagem operacional fruto do crescimento da receita.

“[A Via Varejo] vem apresentando evolução do seu modelo de negócios trimestre após trimestre, de forma a não ficar para trás na corrida do varejo omnicanal”, salientou o BB Investimentos em relatório.

BB Investimentos rebaixa preço-alvo de Via Varejo

Apesar de acreditar na estratégia de longo prazo da companhia, o BB Investimentos revisou para baixo o preço-alvo da Via Varejo para contemplar:

  • a incorporação dos resultados referentes ao quarto trimestre de 2020;
  • o menor crescimento de vendas nas lojas físicas e nas vendas diretas em decorrência do impacto da segunda onda de covid-19, combinada ao fim do auxílio emergencial;
  • o crescimento mais expressivo das vendas do marketplace, em função da maturação de iniciativas relacionadas a esse canal, como o Envvias e o novo processo de onboard;
  • o maior pressão sobre margem Ebitda ajustada e margem líquida em decorrência dos ajustes no crescimento da receita total.

“Apesar da pandemia do covid-19 ter dificultado a execução do plano de expansão, a companhia foi capaz de aproveitar a oportunidade para evoluir nos demais pilares estratégicos”, avaliou o BB-BI. O banco cortou o rating da Via Varejo para 2021 de R$ 24,80 para R$ 18,50, com manutenção da recomendação de Compra.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião